1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

3DLabs exits PC Market

Discussão em 'Novidades Hardware PC' iniciada por blastarr, 25 de Fevereiro de 2006. (Respostas: 25; Visualizações: 1622)

  1. God_Lx

    God_Lx Folding Member

    Qual foi a ultima gráfica k eles fizeram ? As FX5900 praí...
     
  2. Madril

    Madril 1st Folding then Sex

    As Wildcat ... :rolleyes:
     
  3. blastarr

    blastarr Power Member

    A 3DLabs já existia antes de ter sido comprada pela Creative, e já fazia aceleradores 3D quando a 3dfx aínda estava a começar...

    Na verdade, chegaram a existir placas para desktops, com o nome Permedia 1, 2 e 3.

    A mais recente deles era esta:
    http://www.3dlabs.com/products/product.asp?prod=293

    Esta é a única placa que eu conheça que tem um verdadeiro bus de memória de 512 bit.
    São placas para o mercado da modelação 3D profissional, mas já não vendiam tanto por causa das QuadroFX.


    Not to woory, a maior parte das pessoas-chave da empresa já tinham saído há algum tempo para a nVidia :D
     
  4. Punkas

    Punkas I fold therefore I AM

    Ainda me lembro qnd tive a minha permedia 2 :P

    RIP 3dlabs.
     
  5. ToTTenTranz

    ToTTenTranz Power Member

    Epah leiam as notícias antes de se porem com "the end"s e "RIP"s...

    Vão passar a fazer gpus para handhelds tal como estão a fazer neste momento a nvidia, a ati, a powervr e outros (inclusive os bitboys lol).

    Muitos analistas dizem que dentro de 5-10 anos as próximas grandes batalhas entre gpus (e ainda assim provavelmente mais lucrativas) vão-se dar nos PDAs/telemóveis portanto parece-me um passo lógico.
    O mercado profissional já foi tomado pelas FireGL e Quadros que como têm uma produção muito mais serializada (a acompanhar os gpus domésticos) conseguem preços mais competitivos e melhor performance..

    Weird.. tantas pessoas-chave de tantas empresas e no entanto insiste em consolidar um segundo lugar.. hihihi
     
  6. blastarr

    blastarr Power Member

    Despedir 100 pessoas numa empresa que poucos mais tinha é o fim.
    Se não percebes nada disto, mais valia estares calado.
    A 3dfx, quando foi vendida à nVidia, tinha apenas 70 engenheiros.

    Eles simplesmente não tinham hipótese contra fabricantes que possuem reservas financeiras muito superiores, só tinham menos de 1% do mercado e viam as vendas das QuadroFX a tirar-lhes o mercado principal.
    Esperas mais facilidades nos dispositivos móveis, quando a ATI e a nVidia já têm as linhas Imageon e Goforce, respectivamente ?

    Também acho engraçado considerares a nVidia como o segundo no mercado (sim, já sabemos do teu ódio por tudo o que é deles...).
    Mercado de quê exactamente ?

    Caso não saibas, o director técnico da 3DLabs (até ao ano passado) está agora na divisão de dispositivos móveis... da nVidia :D
     
    Última edição: 25 de Fevereiro de 2006
  7. ToTTenTranz

    ToTTenTranz Power Member

    Fonte? Ou isto é totalmente inventado?

    _____________________________________________________________________________________



    É com este tipo de comentários que estragas o forum.. Qualquer pessoa que não alinhe na tua está sujeita a isto..

    _______________________________________________________________________________________

    Eles disseram que tiveram de despedir 100 funcionários e não 100 engenheiros. Os engenheiros se calhar até ficam todos. Provavelmente despedem (quase) tudo o que estava relacionado com o marketing e suporte técnico da empresa, assim como o pessoal dos escritórios nos vários pontos do mundo. Como estão a começar agora uma nova arquitectura e tão cedo não lançam produtos é normal que o façam.

    ___________________________________________________________________________________________

    E em que é que isso difere de:
    ?
    Dizes que mais valia estar calado por não saber e a seguir dizes o mesmo que eu :rolleyes:

    ____________________________________________________________________________________________

    Tendo em conta que é um mercado ainda muito verde, sim. Não digo que haja "facilidades" mas penso que têm muito mais hipóteses.
    _______________________________________________________________________________________________________

    Não é ódio, é um conceito por ti desconhecido chamado imparcialidade.
    Se odiasse não tinha duas 6800GT SLI no meu pc.
    O mercado era o top-end, sorry não ter especificado.
     
    Última edição: 25 de Fevereiro de 2006
  8. blastarr

    blastarr Power Member

    in Beyond3D.com
     
  9. ToTTenTranz

    ToTTenTranz Power Member


    Ninguem está a considerar que a 3DLabs acabou. Muito pelo contrário, ao gastar 9 milhões de dólares de enfiada só em reestruturação implica que a companhia vai continuar viva.

    blastarr o título da thread é enganoso, pedia-te o favor de o mudares a favor da elucidação do forum.
     
  10. blastarr

    blastarr Power Member

    in Beyond3D.com, 2001


    http://pcworld.about.com/news/Mar112002id88484.htm

    Comunicado da Creative sobre o fim da empresa como produtora de artigos para computação gráfica profissional.





    9+25 = 34 Milhões só em layoffs e fecho de escritórios (o controlo maioritário em 2001 custou-lhes 103 Milhões, quando a empresa aínda dominava os gráficos profissionais e tinha as Permedia nos desktops, logo, mais exposição pública e mais capitalização bolsista).


    Em 2001 tinha 300 pessoas empregadas, 80% das quais eram engenheiros (~270).
    Com o seu mercado a encolher a olhos vistos, dependente de usar as mesmas VPU's em placas com múltiplos chips, para se manter concorrencial, e depois de fechar a divisão de engenharia na Alemanha há uns anos, a somar aos 100 que são agora despedidos, quantos achas que ficam ?


    A Creative ficou com a 3Dlabs sobretudo por causa das patentes (senão porque é que não investiu no P10 para o desktop, em vez de vender produtos com nVidia e ATI ?), as quais já obrigaram a id software a incluir o EAX no Doom III como compensação, sob pena de serem processados por violação de patentes da 3Dlabs (agora Creative).
    E vai usar as patentes para mandar outros fabricar os chips gráficos móveis (provavelmente para a linha de leitores MP3).
    Ou vais-me dizer que é preciso o poder de uma WildCat para um Creative Zen ?
    Terão os chips desenhados e, durante muitos anos, bastar-lhes-ía usá-los em versões "encolhidas" ou "cortadas" em produtos dessa natureza.
     
    Última edição: 25 de Fevereiro de 2006
  11. Morpheus

    Morpheus Banido

    Sinceramente acho mta piada a estas threads ... para alem de extensamente informativas (por causa das flammes) o topico serve apenas como referência até à 3ª, 4ª thread...
     
  12. Sumerset

    Sumerset Power Member



    É curiosa a maneira como tu respondes às pessoas que não têm a tua opinião. Simplesmente insultas.


    1º "This will result in a workforce reduction of approximately 100 3Dlabs employees" Isto foi retirado do comunicado da Creative. Não sei em que parte é que tu consegues ler engenheiros. Sinceramente eu leio employees e que eu saiba quando aprendi na escola essa palavra em português significa empregados. Não venhas com histórias de "ai eu sei q são engenheiros pq no ano de 2002 era x...". A Creative diz empregados portanto serão de várias profissões. A empresa vai continuar a existir visto que se vai dedicar a um trabalho em concreto...

    2º A empresa segundo o mesmo comunicado não vai ser extinta mas sim focar as suas atenções noutro mercado. Vai ter um periodo de transição "3Dlabs will transition from the shrinking professional workstation graphics market to focus on portable handheld devices".

    3º A Creative usa a 3Dlabs pelas patentes que cobra actualmente e as que poderá cobrar futuramente. Cobrança de royaltees é uma maneira pelas quais as empresas sobrevivem.

    4º Eles até podem usar um chip gráfico num Zen... Fazer um concorrente à PSP não seria má ideia e como eles têm a experiencia nos leitores de MP3 já só lhes falta a componente gráfica. Afinal de contas a Micro$oft quer lançar um concorrente e no inicio eram só fabricantes de software.
     
  13. blastarr

    blastarr Power Member

    Mostra aí onde é que está o insulto.
    Tenho o post cheio de informação verificável, com links e informação do domínio público (se em 2001 80% eram engenheiros, dá para ver a extrapolação, não achas ?). Aposto que nem leste o post até ao fim para começar a negá-lo.
    Curioso, não vejo nenhuma info no teu senão uma tentativa de me denegrir.
    Nesse aspecto és espantosamente igual a uma outra pessoa aqui do fórum (não estou a falar do DJ_Papa).

    Se tens uma teoria melhor, sustentada em factos, faz favor...
     
    Última edição: 27 de Fevereiro de 2006
  14. Sumerset

    Sumerset Power Member

    Deves ter ido buscar esta aos teus arquivos pessoais na cave não é? Ou então tens uma fonte interna lá para te dizerem o numero de empregados.

    Não vale apena tar a escrever nada pois especulações como as tuas está a internet e o mundo cheia delas...


    O facto é que a empresa vai mudar de estratégia, PONTO FINAL. Vão trabalhores para o desemprego devido a essa mudança de rumo é verdade isso mesmo está escrito no comunicado da Creative, PONTO FINAL. Sim vão pagar aos trabalhores por irem para o desemprego, é pena que tenham que ir para a rua mas ao menos vão pagar bem ao contrário de cá em Portugal que se paga quase 0 às pessoas.
     
  15. blastarr

    blastarr Power Member

    A minha fonte é a internet (e isto é uma entrevista a alguém da própria empresa, dificilmente seria especular...):
    http://www.beyond3d.com/interviews/creative3dlabs/index2.php

    Se não queres ler os links que eu coloquei anteriormente, pelo menos evitavas comentar sem conhecimento de causa...:rolleyes:
     
  16. ToTTenTranz

    ToTTenTranz Power Member


    Então devias analisar melhor os dados que tu próprio forneces.
    "Engineering roles" não significa forçosamente engenheiros. Tudo o que é técnico de manutenção de laboratórios e materiais está a assumir uma "função associada à engenharia" (engineering role). Eu se montar um computador estou a assumir um "engineering role" e (ainda) não sou engenheiro.



    Nope:
    A menos que vender escritórios custe dinheiro (lol) a creative gastou 9 milhões em re-estruturação, o que significa compra de novo equipamento e/ou instalações.
     
  17. blastarr

    blastarr Power Member

    Sabes o que é que isto significa ?

    Acções.

    Mais concretamente, os programas de substituição de parte dos vencimentos dos empregados por stock options.

    A Microsoft criou a moda após a sua IPO no início dos anos 80, e agora é práctica comum em Silicon Valley.

    Basicamente, quem quiser, pode requerer a troca de parte do ordenado por opções de compra de acções da própria empresa com condições vantajosas (a baixo preço, ou subsidiadas), contando com o crescente valor de mercado no futuro das mesmas, à medida que as empresas de tecnologia se valorizam.

    "intangible" significa que o seu valor é imprevisível e, por isso mesmo, tem de ser avaliado com base num fundo que garanta a cobertura do valor de compra inicial das acções, pelo menos.
    Ou seja, tanto podem ser 25 milhões a dispender (pela empresa, na altura das indemnizações por despedimento), como todo e qualquer valor entre este "tecto" e o preço inicial das acções na altura em que os empregados decidiram exercer as acções de compra a que tinham direito.


    Com estes esquemas as empresas poupam pois contam com o mercado para financiar as despesas com pessoal qualificado, em vez de gastar das reservas de capital próprias.
    Como disse, é um esquema muito usado aínda hoje, e há pouco tempo apenas, os gestores de topo do Google decidiram desfazer-se com grande lucro das acções que haviam comprado com as opções de compra na altura em que entraram para o programa.
    É por isso que muitos CEO's são multimilionários apesar de não serem donos das empresas que gerem e de possuirem muitas vezes salários simbólicos de 1 dólar, por motivos fiscais.




    E não, aquilo que descreveste é um "technical role", não é um "engineering role".
    Um técnico não pode ser um engenheiro, mas um engenheiro pode ser um técnico.
     
    Última edição: 1 de Março de 2006
  18. ToTTenTranz

    ToTTenTranz Power Member

    Isso foi dirigido a mim? Eu não comentei os 25 milhões, falei dos 9 milhões. Isto é tipo mais uma daquelas estratégias de desconversação e mudança de assunto para ficares com a sensação virtual de que tens razão?






    O que eu disse foi baseado na experiência que tenho ao fim de 3 anos em engenharia electrotécnica na FEUP, onde já fiz vários trabalhos laboratoriais e durante os quais tive que consultar vários livros de engenharia em inglês..
    Mas se tu tens uma fonte melhor por favor enriquece o fórum e diz-nos qual a fonte de tal conhecimento!
     
  19. blastarr

    blastarr Power Member



    Ó pá, deixa-te de tentar criar flames, está bem ?
    9 milhões é para os ordenados que terão de ser indemnizados e infraestruturas e assets a descontinuar, 25 milhões é para compensar as acções que serviam de suporte aos vencimentos.
    O que é que -aínda- não percebeste ?

    9 + 25 = 34
    Ou a tua matemática é diferente ?






    Quando se fazem reports para as entidades regulatórias da bolsa, é muito diferente dizer que o pessoal efectua funções técnicas ou funções de engenharia, pois os vencimentos de uns e outros, bem como o valor intelectual dos diferentes sectores é completamente diferente.
    Além disso, as patentes rendem dinheiro, mas são sempre efectuadas em nome de engenheiros vinculados à empresa, não em nome da empresa em si, pois o USPTO não aceita isso.
    Assim, são os engenheiros que, nos contratos de trabalho, especificam que autorizam a transferência da propriedade intelectual e comercial das patentes para outros engenheiros/inventores na entidade que os substitui.

    Um investidor que queira comprar o que está à venda da empresa vai querer saber se fica com 80% de engenheiros ou 80% de técnicos...
    Isto veio de um press-release para os mercados.
     
    Última edição: 1 de Março de 2006

Partilhar esta Página