• Consulta o Portal de Jogos da ZWAME. Notícias, Artwork, Vídeos, Análises e muito mais.

  • ZWAME Jogos: I've been waiting for this! Analisamos o Persona 3 Reload, o remake do título lançado originalmente em 2006 para a PlayStation 2.

A Indústria dos Videojogos - Tópico Geral (notícias, artigos, opiniões, análises)

Por acaso não foi em contas de fãs, era um artigo do metro (uk).

O metro gosta de ter uma coluna do leitor,e já não é a primeira vez que uns jagunços dizem isso isso.
Fora disso foi o CFO da Xbox a dizer que queria ter Game Pass em platform holders rivais e depois o Phil Spencer a dizer que isso não ia acontecer.
 
O metro gosta de ter uma coluna do leitor,e já não é a primeira vez que uns jagunços dizem isso isso.
Fora disso foi o CFO da Xbox a dizer que queria ter Game Pass em platform holders rivais e depois o Phil Spencer a dizer que isso não ia acontecer.
Não fazia ideia disso, achei que fosse deles. Sendo assim, talvez seja altura de saltar a fonte em questão :P
 
Dizer isto quando os primeiros jogos da Bethesda sem acordos pós compra foram exclusivos Xbox/PC,e o acordo da MS com a Sony retirou tudo menos o COD da Playstation...
Só faz a transformação platform holder---distribuidor multiplataforma quem fracassa durante anos e anos e não tem vida para aguentar essa tempestade(o caso clássico é a Sega).E isso não é o caso da MS.


Eles têm 0 presença no mobile tradicional até esta compra da ABK. Antes o esforço mobile era mais AAAs adaptados a touch controls(ou usar um comando) e com processamento não local(cloud). Mas para alguma malta os jogos mais consolescos/pcescos são demasiado complicados.Aí entra os Candy Crushes da vida.


https://www.windowscentral.com/gaming/phil-spencer-jez-corden-xbox-interview-2023

O futuro é fazer dinheiro em todos os sectores,mas dentro de um ecossistema da MS. Porque é aí que está o dinheiro,ter pessoas a comprar jogos third party,subscricoes e hardware.
Aquilo que dizes em relação à Bethesda é verdade, mas também não se pode dizer que essa aquisição tenha feito grande diferença para a Xbox.

Não ter retirado o COD da Playstation é tudo o que o a PlayStation precisa da AB. Embora haja bons IPs na AB, além do COD não há nada que seja importante para o universo PlayStation.

A questão da eventual não continuação da Xbox (consola) prende-se com isto: não há razão, vantagem económica em mantê-la. A consola já perdeu as batalhas da geração passada e atual, as subscrições do Game Pass estão estagnadas entre os 25 e os 30 milhões. A MS pode simplesmente dedicar-se a oferecer o Game Pass no PC (por exemplo), onde ela sabe que há uma base fiel de gamers que preferem ir atualizando os PCs do que ficarem limitados ao hardware de uma consola. Além do universo de jogadores ser maior, poupa em custos de desenvolvimento e marketing da consola. E bem sabemos que o Nadella só abre os cordões à bolsa uma vez, se falhar os acionistas vão-lhe cair em cima. Por mais dinheiro que a MS tenha, mesmo que como todo a empresa dê lucro, não irá querer ter um buraco na Xbox para sempre.

Quanto ao mobile, sinceramente não me pareceria demasiado estranho que uma empresa como a MS se "Tencent-izasse". Até porque quando olhamos para o retorno financeiro que jogos como o Candy Crush, o COD Mobile ou o Diablo Immortal trazem, fica difícil ignorar isso. Obter lucro fácil com pouco esforço, é lucro na mesma, e a MS poderá preferir focar-se nos números em detrimento da qualidade e inovação.
 
Na minha opinião, não faz muito sentido falar no fim da Xbox como consola, quando ela é a cola que faz agarrar o Game Pass. Por acaso seria curioso ver dados concretos, mas aposto uma bifana em como mais de 90% dos subscritos totais do Game Pass são trazidos pela consola.

As subscrições estagnarem era uma questão de tempo, o próprio Phil Spencer já o admitiu. A Sony também deixou de revelar números do Plus precisamente pela mesma estagnação. O mercado é finito, chega a uma altura em que se alcançam os potenciais interessados neste tipo de serviço, não aumenta ad infinitum.

A MS desligar-se da Xbox como consola e apostar tudo num serviço sem plataforma própria era um completo tiro no escuro. Até porque, nem sequer se sabe o sucesso que terá a aventura no mobile frente à Apple e Google. A sua loja no PC por exemplo, continua num limbo após tantos anos.
 
Aquilo que dizes em relação à Bethesda é verdade, mas também não se pode dizer que essa aquisição tenha feito grande diferença para a Xbox.

Não ter retirado o COD da Playstation é tudo o que o a PlayStation precisa da AB. Embora haja bons IPs na AB, além do COD não há nada que seja importante para o universo PlayStation.

A questão da eventual não continuação da Xbox (consola) prende-se com isto: não há razão, vantagem económica em mantê-la. A consola já perdeu as batalhas da geração passada e atual, as subscrições do Game Pass estão estagnadas entre os 25 e os 30 milhões. A MS pode simplesmente dedicar-se a oferecer o Game Pass no PC (por exemplo), onde ela sabe que há uma base fiel de gamers que preferem ir atualizando os PCs do que ficarem limitados ao hardware de uma consola. Além do universo de jogadores ser maior, poupa em custos de desenvolvimento e marketing da consola. E bem sabemos que o Nadella só abre os cordões à bolsa uma vez, se falhar os acionistas vão-lhe cair em cima. Por mais dinheiro que a MS tenha, mesmo que como todo a empresa dê lucro, não irá querer ter um buraco na Xbox para sempre.

Quanto ao mobile, sinceramente não me pareceria demasiado estranho que uma empresa como a MS se "Tencent-izasse". Até porque quando olhamos para o retorno financeiro que jogos como o Candy Crush, o COD Mobile ou o Diablo Immortal trazem, fica difícil ignorar isso. Obter lucro fácil com pouco esforço, é lucro na mesma, e a MS poderá preferir focar-se nos números em detrimento da qualidade e inovação.

Dia de lançamento do Starfield foi o dia com mais subscrições na história do Game Pass,mas não fez diferença...
E então quando for um dos outros pesos pesados como um Fallout ou Elder Scrolls...

Muita gente vai olhar para o lado e ver COD incluído no Game Pass,e perks como operator skins/xp tokens e afins de borla e pensar duas vezes...


Só porque não vende tanto como a PS não quer dizer que de repente se vai deitar esse dinheiro ao lixo.
As subscrições estagnaram em 2022 depois de um crescimento relâmpago ali no Covid porque surpresa das surpresas um serviço sem porta estandartes próprios perde apelo. O Netflix sabe disso aos anos,daí torrar milhões a fazer blockbusters de accao/dramas/comédias ou tentar comprar-los. Mas parece que alguém na MS não recebeu esse memo ou os estúdios andam ao Deus dará (mais certo).

No pc o tio Gabe condicionou toda a gente a ser alérgica a tudo o que não seja o Steam. A MS tem culpa no cartório de não ter lançado a store com paridade completa de features em 2016,mas isso são outros 500 paus. Mas verdade seja dita a MS também não ajudou-se a si própria a meter os jogos no Steam depois de durante uns serem exclusivos à Windows Store.

Arrisco a dizer que o plano da MS não é ser uma Tencent. É ser uma mistura de Xbox+Steam+Google Play/App Store em termos de marketplace. Mas o trabalho que chegar ao nível dos últimos implica(em especial a Apple e Google),ainda por cima sem hardware para alavancar no caso do mobile.
 
Tendo em conta a preocupação imensa da Sony em que todos os jogadores não pudessem disfrutar do COD com certeza que agora não deixariam de manter o jogo disponível em todo o lado.
 
Se acharem que a melhor forma de tirar mais rentabilidade dos GASS é só estar no PC e PS, não me parece parece melhor solução, eu acho que os GASS que tanto querem lançar deviam estar no máximo de plataformas possíveis.
 

Se calhar já se percebe porque a Bungie foi a segunda opção e não a primeira.

Se isto acontecer, imagino que o Destiny deixa de estar garantido na Xbox.

Um jogo F2P com expansões pagas e microtransacções vive e morre com a quantidade de pessoas que jogam. Isso não faz qualquer sentido, ainda para mais quando parte do problema é haver menos gente a jogar.

Afinal a independência tinha condições.

Se tu investisses mais de 3 mil milhões de dólares num negócio de certeza que irias querer ter seguranças que esse negócio não iria implodir. A parte mais importante do artigo é ver que a gerência do estúdio é e sempre foi o principal problema e que sacrificou 100 postos de trabalho para ver se continuava à frente do estúdio.
 
Se calhar já se percebe porque a Bungie foi a segunda opção e não a primeira.



Um jogo F2P com expansões pagas e microtransacções vive e morre com a quantidade de pessoas que jogam. Isso não faz qualquer sentido, ainda para mais quando parte do problema é haver menos gente a jogar.



Se tu investisses mais de 3 mil milhões de dólares num negócio de certeza que irias querer ter seguranças que esse negócio não iria implodir. A parte mais importante do artigo é ver que a gerência do estúdio é e sempre foi o principal problema e que sacrificou 100 postos de trabalho para ver se continuava à frente do estúdio.

Pera aí volta atrás. Quem é que a Sony queria comprar antes de se "contentar" com a Bungie?

O problema da Bungie sempre foi a Bungie. Malta quis pensar durante anos que era a MS,e depois a Activision. Mas quando ficaram verdadeiramente independentes é que se viu que a MS não era o problema. A Activision foi a Activision. Lobos a serem lobos.


Se eu tivesse pago esse dinheiro eles nunca vida tinham ficado com a liberdade que ficaram,de ser quase uma editora dentro da editora. Imediatamente tinham ido produtores para estar em cima do estúdio.
Mas eu também sou o tipo que disse o mesmo da Bethesda e Activision.
 
Começou hoje a integração dos jogos Actvision na Cloud pela MS, no CoD vão receber Pop-up com novos termos:

What’s that Pop Up? Your Activision Games Are On the Cloud

Edit :


Contínuo zero otimista sobre o futuro da Bungie.

Lista de jogos Streaming MS Actvisison na EU. Diria todos os que podem entrar na xCloud entre outros

- Amazing Spider-Man 2
- Angry Birds Star Wars
- Call of Duty: Black Ops 4
- Call of Duty: Black Ops Cold War
- Call of Duty: Mobile
- Call of Duty: Modern Warfare
- Call of Duty: Modern Warfare II
- Call of Duty: Modern Warfare III
- Call of Duty: Vanguard
- Call of Duty: Warzone
- Call of Duty: Warzone Mobile
- Chivalry: Medieval Warfare
- Crash Bandicoot 4: It's About Time
- Crash Bandicoot N. Sane Trilogy (Sony Europe)
- Crash Bandicoot N. Sane Trilogy (Sony North America)
- Crash Team Racing Nitro-Fueled
- Crash Team Rumble
- Geometry Wars 3: Dimensions
- Guitar Hero Live
- King's Quest
- Peanuts
- Project Aurora
- Prototype
- Prototype 2
- Sekiro: Shadows Die Twice
- Shiftlings
- Skylanders Imaginators
- Skylanders Imaginators (Sony Europe)
- Skylanders Imaginators (Sony North America)
- Skylanders SuperChargers
- Skylanders Trap Team
- Spyro Reignited Trilogy
- Tony Hawk's Pro Skater 1 + 2
- Tony Hawk's Pro Skater 5
- Transformers Devastation
- Velocity 2X

Os termos completos estão aqui ⤵️
support.activision.com/license
 

EA confirms layoffs at F1 developer Codemasters​

EA has confirmed layoffs at UK developer Codemasters, the developer behind recent racing games F1 23 and EA Sports WRC.

It is unclear at present how many employees will be affected and from which departments.

"Our business is constantly changing as we strive to deliver amazing games and services that keep our players engaged, connected, and inspired," reads a statement from an EA spokesperson to IGN.

"At times, this requires the company to make small-scale organisational changes that align our teams and resources to meet evolving business needs and priorities. We continue to work closely with those affected by these changes, providing appropriate support throughout this process.
"However, Need for Speed Unbound struggled to make an impact on its release last year. This year, neither F1 23 or EA Sports WRC have sold particularly well despite some positive criticism.
via Eurogamer
 
Back
Topo