1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

AMD inicia testes em 65 nanômetros

Discussão em 'Novidades Hardware PC' iniciada por RavenMaster, 12 de Abril de 2005. (Respostas: 24; Visualizações: 1538)

  1. RavenMaster

    RavenMaster Power Member

    "Um executivo da AMD declarou ao site EE Times que a empresa já começou os testes de produção na Fab 36, na cidade alemã de Dresden, e tem tudo para iniciar a fabricação comercial de processadores em 65 nanômetros em 2006. "Com certeza, estamos dentro do cronograma", afirmou Tom Sonderman, diretor da divisão APM, que cuida dos processos de fabricação automatizada de precisão. Os primeiros produtos testados nos wafers de 300 mm são chips SRAM. A Fab 36 é uma extensão da Fab 30, situada no mesmo complexo, e conta com a colaboração da IBM, possuindo instalações muito similares à fábrica desta última em East Fishkill (EUA). Sonderman acrescentou que, já neste ano, a AMD deve ter toda sua produção transferida para 90 nanômetros no processo SOI."

    fonte
     
  2. Koncaman

    Koncaman Utilizador Saloio

    acho que a velocidade de relogio dos a64 vai subir bastante nos proximos meses graças a isto...
    vamos ver se OCam bem, que é isso é que a malta jovem quer :P
     
  3. HiGhVoIcE

    HiGhVoIcE Power Member

    a AMD parece aflita para mandar tantas noticias ca pa fora de uma so vez.. :-P
     
  4. Horus-Anhur

    Horus-Anhur I folded Myself

    Não necessariamente. Apesar de diminuir otamanho do chip e logo a quantidade de calor libertada tambem liberta esse calor em menos espaço, podendo criar uma situação em que aumenta o calor por cm2.
    Isto é mais importante para os Dual Core caberem melhor no chip. Alem de que a AMD planeia melhorar a ligação e coordenação entre os dois nucleos e isso pode significar 1 chip intermedio que iria fazer aumentar o tamanho.
     
  5. enok

    enok [email protected] Member

    com a diminuição do tamanho dos circuitos, tb diminui a corrente dada aos mesmos... portanto isso não é bem assim.
    a diminuição da area dos chips sim, pode trazer alguns problemas mas creio que os pipes (falando em AC) resolvem mt bem o assunto.
     
  6. Koncaman

    Koncaman Utilizador Saloio

    o que é certo é que para o mesmo trabalho o cpu consome menos potencia. ese ha menos potencia consumida, tambem haverá menos potencia dissipada. e o facto de o procsso de fabrico reduzir, não significa necessariamente que o core fique mais pequeno também.
    mas de qualquer modo, o que é certo é que o que se tem verificado, é que quando se reduz o proceso de fabrico, fica muito mais facil aumentar a velocidade de relogio.

    basta olhar para o que tem acontecido com os p4, ou acham que os p4 a 0.13 tinham chegado até aqui com dissipação termica aceitavel?

    isto são factos...
     
  7. blastarr

    blastarr Power Member

    Sim, a área de dissipação diminui, mas normalmente tb desce o valor de voltagem (vcore), isso costuma ajudar a aumentar os clocks sem mexer muito na energia q é preciso dissipar, mas depende dos processos de fabrico. Todos temos presente os fiascos do Prescott, ou o "fogão" Thunderbird/Palomino (estes até eram potentes, pena era o resto).
     
  8. Horus-Anhur

    Horus-Anhur I folded Myself

    O libertação d calor vai depender das ligações entre transistores : comprimento e material. Ou seja, com a diminuição de fabrico diminui-s o comprimento dessas ligações, havendo uma leakage d voltagem e logo d calor menores. Mas o material continua a ser o mesmo e actualmente o usado liberta demasiada voltagem. Assim a diminuição d processo d fabrico ajuda mas não faz milagres. Claro q vai permitir maiores velocidades d relogio mas não espero nada espectacular.
    è preciso começar a usar materiais com menos perda d voltagem.
    Não sei s a AMD já usa low-K dialectrics.
     
  9. Tafinho

    Tafinho Power Member

    É curioso que o "fogão" dissipa menos que o Prescott... e que o willamette, e que todos os P4 topo de gama... mas fica sempre bem dizer que é um fogão...
     
  10. blastarr

    blastarr Power Member

    low-k é impraticável para já num CPU general purpose x86, o custo final ía disparar de certeza.
    Qto às leaked currents, isso acontece mto, agora que os transístores começam a ficam quase do tamanho dos electrões, é preciso encontrar alternativas. A razão pela qual o P4 sofre mais é o facto de ter mto mais stages (31 no prescott contra 12 nos A64), logo o caminho a percorrer pelos electrões é maior e a probabilidade de haver "contaminação" de corrente tb.
     
  11. blastarr

    blastarr Power Member

    Fogão para a altura, claro, ng imaginava aínda um Prescott.
    A AMD manteve o processo de 180nm no Palomino (Athlon XP) e mesmo assim já conseguiu reduzir alguma coisa em termos de temps, apesar de clocks mais elevados.
     
  12. JPgod

    JPgod Moderador
    Staff Member

    Tinham que era acabar com o silicio, isso nem é mais semicondutor, é resistencia total!!

    Hoje tive a utilizar um prescHOT 3.0 a partir brita com BOINC a correr 2 vezes (devido ao HT) e foi a 49 FULL :007: :007:

    board ASUS P4S800
     
  13. Tafinho

    Tafinho Power Member

    Na altura o P4 topo de gama dissipava mais 18W...
     
  14. blastarr

    blastarr Power Member

    Qd o P4 Willamette foi lançado em 2000, o Athlon Thunderbird já estava no mercado há quase 2 anos, é preciso não esquecer.
     
  15. Tafinho

    Tafinho Power Member


    Vamos a ver se nos entendemos...

    Quando o Willamette foi lançado já era o CPU que mais consumia.
     
  16. blastarr

    blastarr Power Member

    Pronto, e então que foi q eu disse ?
    Não falei em consumo relativo, ou falei ? lol
     
  17. Tafinho

    Tafinho Power Member

    Não, falaste em "fogão"...
     
  18. Zealot

    Zealot I quit My Job for Folding

    blastarr devias ter dito "grelhador" que parece que o Tafinho não vai com fritos... :p
     
  19. blastarr

    blastarr Power Member

    Oops, sorry.
     
  20. SilveRRIng

    SilveRRIng Power Member

    Ehh bruto!

    Não só ainda não existem dados concretos relativamente ao tamanho do electrão (são assumidos alguns valores para determinados cálculos) como ainda faltará dezenas de anos até se chegar a esse tamanho. O mais certo é que seja mesmo impraticável o fabrico de transistores com tais dimensões.

    Devias querer dizer que o processo de fabrico se aproxima dos limites fisicos, nera?
     

Partilhar esta Página