1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.
  2. COVID-19 Mantenham-se seguros: Pratiquem distanciamento físico de 2 metros. Lavem as mãos. Fiquem em casa.
    Informação sobre COVID-19. Ajuda a combater o COVID-19 com o [email protected] e com o [email protected].
    Remover anúncio

Convencer alguém a iniciar carreira como programador

Discussão em 'Programação' iniciada por T3wrs, 14 de Maio de 2019. (Respostas: 11; Visualizações: 967)

  1. Boas,

    Tenho um amigo que tem bastante apetência para a area de it em geral e até sabe mandar umas linhas de código.
    No entanto não o consigo convencer a entrar para a área de desenvolvimento de software.
    Nos tiramos um curso da área de it no 8 e 9 ano ele depois seguiu para um curso profissional de vendas e eu um de programação.

    Tou actualmente numa empresa que dispõe de academias para formar malta que não tem exp nem é da área.

    A meu ver esta área tem bem mais futuro do que o trabalho que ele trm actualmente numa cadeia de super mercados.

    Ele tem gosto por tecnologia em geral, no entanto parece ter medo de não estar a altura para uma das academias referidas em cima e de que tenha de fazer muitas horas extra, alguma dica de como provar que ele está errado?
     
  2. ThePlague92

    ThePlague92 Power Member

    Não convences, o teu amigo tomou a decisão dele e agora é complicado fazer mudá-lo de ideias (pelo que escreves).

    Ele pode gostar de "mandar umas linhas de código" mas não querer fazer vida disso. Eu gosto de ir ao ginásio treinar mas não queria ser PT.
     
  3. bashir

    bashir Power Member

    Que tipo de academias existem deste género?
     
  4. Desse ponto de vista tens razão, mas no entanto penso que não seja bem esse o caso, penso que seja mais o facto de ele ter algum receio de falhar e "perder" o pouco que tem em termos de emprego.

    It up, academia de codigo e deve haver umas tantas outras, tambem ha empresas de outsourcing e consultoras que oferecem estas formações.
    Algumas dessas empresas exigem algumas coisas, como por exemplo ter de permanecer na empresa durante x tempo e afins.
     
  5. LusoHonor

    LusoHonor Power Member

    Terá sempre de partir dele, penso que a oportunidade já lhe foi dada por ti. Se ele quiser mesmo seguir esta área, não tem que duvidar da complexidade ou do tempo dispendido pois só lhe será vantajoso.
     
  6. mas isso não são as empresas que pagam, és tu, certo?
     
  7. Lucien

    Lucien What is folding?

    O meu conselho é: se não gostarem da área, não se metam em IT "porque dá".

    Há uma diferença significativa entre ter potencial e não saber, e ter potencial mas não querer saber.
     
  8. Sim não posso fazer as coisas por ele nem arriscar por ele, no entanto ja arranjei forma de minimizar o risco para ele e pareceu-me bastante interessado, vamos ver como corre.

    Sei que ha empresas que te pagam a academia da it up em contra partida ficas com a "obrigação" de trabalhar pasa eles cerca de 2 anos.
    Penso que a nova base tem uma parceria com a academia de codigo em que te pagam parte da formação caso sejas um dos melhores e ainda te fazem uma proposta de trabalho, pelo menos sei que durante um tempo assim aconteceu.
    E depois ha consultoras que te dão formação em algumas tecnologias(.net, java, salesforce, outsystems etc) com contrapartida do tempo de permanência.

    Mas ninguem disse que ele não gosta da área lol.
     
  9. Pena é essas formações serem todas em Lisboa e o resto do país ficar a arder. Eu queria fazer uma reconversão, mas só encontro programas em que tens de pagar 2800 euros.
     
  10. Soplica

    Soplica Power Member

    A academia de código acho que existe no fundão lol
     
  11. Lucien

    Lucien What is folding?

    Se ele gostasse realmente da área já estava a trabalhar nela.

    Ele está é com dúvidas se gosta ou não. Gostar de tecnologia =/= gostar de programar.
     
  12. Se calhar a minha resposta já vem tarde mas aqui vai.

    Eu acho que ninguém precisa de ser "convencido". As coisas devem acontecer no seu tempo. Na minha opinião, o grosso de nós não está preparado para saber o que quer aos 18 ou 20 anos (muitos vivem a vida sem saber o seu objetivo). Muitas vezes escolhemos um caminho para depois, já com mais maturidade e auto-conhecimento percebermos que não é por ali. E é nessa altura que temos que perceber o que estamos dispostos a fazer para mudar. Tentar convencer alguém a ir para uma área para a qual a pessoa até pode ter uma óptima aptidão poderá ter o resultado de a pessoa se sentir frustrada nessa área e ganhar ódio à mesma, ou seja, pode ter o efeito oposto ao pretendido.
    Durante o curso conheci vários casos de pessoas que vinham do curso profissional em que já tinham programado e achavam a licenciatura tão trabalhosa qeu acabaram por cair em depressão e já só andavam ali por obrigação e imposição da família. Uma dessas pessoas era extremaemnte inteligente e dotada mas já tão saturada que não conseguia ir às aulas e desistia dos trabalhos porque não foi para lá por vontade própria mas sim porque lhe disseram que era o que tinha que fazer. Ou seja, nem percebeu que era uma área da qual realmente gostava e na qual poderia singrar. Essa pessoa acabou por desistir do curso e soube agora que está a pensar em voltar (fiquei contente) mas ele teve que passar por um processo que podia ter sido evitado se não quisesse "acelerar as coisas".
    Também conheci casos de pessoas que vinham desses cursos profissionais e chavam que já sabiam tudo e como resultado espalharam-se à grande e andam há 6 anos a tentar fazer o curso. Claro que só estou a citar exemplos que não correram bem para mostrar como não há receita para fazer alguém optar por um caminho. Tem que partir dela e às vezes mesmo partindo, não resulta.

    18 anos é a idade de errar e ele poderá perceber aos 25, ou aos 30, que afinal não é isso que quer e decidir enveredar por outro caminho. Mas isto são coisas que se aprendem mas não se ensinam e, como tal, tem que ser o próprio a perceber por si.

    O máximo que podemos fazer é aconselhar e a pessoa pode até perceber que quer tentar ou pode decidir que não. É a escolha da pessoa. Não quer dizer que seja definitiva :)