1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

DN: Portugueses querem mais investimento no cancro, mas poucos estão dispostos a contribuir

Discussão em '[email protected]' iniciada por silversk8ter, 15 de Dezembro de 2015. (Respostas: 4; Visualizações: 843)

  1. silversk8ter

    silversk8ter I folded Myself

    Portugueses querem mais investimento no cancro, mas poucos estão dispostos a contribuir

    Conclusões constam de um inquérito realizado em novembro junto de mais de 1200 portugueses

    - Quase todos os portugueses querem mais investimento no cancro, mas metade não está disponível para descontar mais e, se tivessem que o fazer, a maioria preferia que o dinheiro fosse para um "fundo pessoal" e não para ajudar outros.

    As conclusões constam de um inquérito realizado em novembro pela GFK junto de mais de 1.200 portugueses para avaliar as perceções dos portugueses sobre o cancro, que será apresentado hoje no âmbito do 3.º Think Tank Inovar Saúde -- "Cancro 2010: Velhos e Novos desafios".

    Sobre o financiamento das doenças oncológicas, 59% dos portugueses têm a perceção de que na área da saúde é o cancro que recebe maior investimento e concordam que esta deve ser a prioridade: 84% defendem mais investimento e 74% consideram que as verbas existentes para a oncologia são "insuficientes".

    Nessa medida, foram questionados sobre a possibilidade de descontarem mais para essa área e metade recusou, alegando que tem "pouco dinheiro disponível" (49%) ou que já desconta muito (41%).

    Apenas um terço admitiu poder pagar mais para o cancro, mas, destes, só 15% se mostrou "muito disponível" para descontos adicionais, apresentando como prioridade "ajudar os doentes".

    Na eventualidade de terem mesmo que descontar um valor adicional para oncologia, a maioria defendeu que esse dinheiro servisse como uma espécie de fundo pessoal, em que o dinheiro fosse aplicado no próprio tratamento, em caso de desenvolver a doença.

    As outras hipóteses de investimento defendidas foram a modernização das instalações e equipamentos atuais, o aumento do número de médicos nos departamentos de oncologia, mais recursos para acelerar a introdução de tratamentos inovadores e para a investigação.

    O estudo demonstra que o investimento no cancro é considerado prioritário pelos portugueses, por ser a doença mais temida (71%), à frente das doenças cardiovasculares, que são as que efetivamente mais matam em Portugal.

    As elevadas taxas de prevalência e mortalidade, bem como o caráter "cego" da doença, são as razões que contribuem para esta perceção e também para a vontade manifestada pelos inquiridos de saberem mais sobre prevenção (69%), sintomas (51%) e tipos de tratamento (47%).

    No que diz respeito ao tratamento do cancro e ao acesso a cuidados de saúde, o estudo demonstra que os portugueses consideram que o setor privado é globalmente melhor do que o público.

    No entanto, dos 25% dos inquiridos que tiveram cancro ou acompanharam uma pessoa com a doença, 86% foram seguidos exclusivamente no serviço público e apenas cinco no privado.

    O principal motivo para escolha do hospital publico foi a falta de dinheiro para o privado, enquanto quem escolhe o privado alega sobretudo a rapidez do serviço.

    Ainda assim, há a perceção de que existe qualidade no serviço público (em particular no que respeita às competências dos médicos), mesmo que, ponto por ponto, o privado tenha uma melhor prestação do que o público na avaliação que é feita pelos portugueses que responderam ao inquérito.

    fonte: Diário Notícias
     
  2. Celso Azevedo

    Celso Azevedo I folded Myself

    Querem mais investimento, mas não querem pagar mais, a menos que seja dinheiro para fazer obras públicas desnecessárias ou para ajudar o futebol. Querem fundos pessoais, mas quando estão doentes vão para o hospital público que é pago por todos. Bah...

    Fiquei triste ao ler alguns comentários no facebook e noutros sites sobre esta notícia. A ignorancia e burrice é tanta que até apetece desinstalar o cliente do folding.
     
  3. silversk8ter

    silversk8ter I folded Myself

    Dont do it! :D
    Outras crenças e ideais à parte, acho que o fah é/será uma mais valia para este tipo de pensamento: não tens que dispor nem tempo nem dinheiro para contribuir para a ciência.
    Se o inquérito tivesse sido algo como "Estaria disposto a "investir" na luta contra o cancro com dinheiro ou com participação activa (fah)?", acho claramente a 2ª hipótese apelativa.

    Mas como dinheiro é o maior cancro de todos, sem cura à vista, já se sabe o resultado geral.
     
  4. Celso Azevedo

    Celso Azevedo I folded Myself

    Não paro porque acho que é meu dever fazer os possíveis para que a minha e futuras gerações tenham uma vida melhor e sejam mais evoluídos. Mesmo que não usufrua disto, já fico satisfeito se a próxima geração conseguir ter de melhores tratamentos ou até de curas para muitas doenças que não temos agora.

    Sobre a pergunta, talvez muitas iam dizer que sim, mas quantas iam participar depois de saberem que iam gastar electricidade e diminuir a vida do computador? O que fazemos aqui é uma coisa que a maior parte das pessoas não se interessa nem quer saber. E não querem saber porque estão mais interessadas no rabo delas do que no bem comum. </rant>

    :kfold::kfold:
     
  5. silversk8ter

    silversk8ter I folded Myself

    Não estava a falar de fundamentalistas (:D) "como nós" mas da participação através do uso comum de um computador no dia-a-dia.
    Pouca coisa x algumas pessoas = muita coisa.
    Era mais este o pensamento. :kfold:
     

Partilhar esta Página