1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.
  2. Consulta o Portal de Jogos da ZWAME. Notícias, Artwork, Vídeos, Análises e muito mais.

    Remover anúncio

É possível criar um mercado global de vídeojogos?

Discussão em 'Jogos - Discussão Geral' iniciada por Yggdrasil, 27 de Outubro de 2007. (Respostas: 5; Visualizações: 799)

  1. Yggdrasil

    Yggdrasil Power Member

    Todos conhecemos as diferenças entre os três maiores mercados mundiais de videojogos - Japão, América do Norte e Europa. Essas diferenças levam a que sejamos tratados de forma diferente, consoante o país onde vivemos.

    Quem vive no Japão tem acesso a milhares de jogos produzidos por estúdios japoneses [que nos seus respectivos casos, são lançados primeiro no Japão e só depois no ocidente], mas o acesso a jogos ocidentais é mais limitado. Quem vive na América do Norte tem talvez uma situação mais equilibrada, uma vez que há alguns títulos japoneses que não chegam à Europa mas a que os norte-americanos têm acesso. Por outro lado, os jogos estão disponíveis apenas em inglês.

    Quem vive na Europa frequentemente está em desvantagem, já que além de ter acesso a um catálogo de jogos muito mais limitado tem actualmente uma probabilidade elevada de pagar muito mais por uma consola e pelos jogos [parcialmente devido ao actual valor elevado do euro face ao dólar], mas também tem de esperar mais tempo pelos jogos devido à necessidade de converter o jogo para o formato PAL e, em muitos casos, traduzir o texto e até mesmo dobrar os diálogos para francês, alemão, castelhano, italiano e, em alguns casos, holandês e português (e talvez ainda outras). Juntamente com a existência de várias filiais das produtoras em vários países europeus, o resultado é que temos acesso aos jogos mais tarde e pagamos mais por eles.


    A minha pergunta é então esta: uma vez que diferentes regiões do globo recebem tratamentos diferentes, acham plausível a ideia de se criar um mercado global de videojogos? Algo que implicasse a produção de um jogo único, com o inglês como lingua franca, a lançar nas três principais regiões e sem receber nenhum tratamento adicional além da possibilidade de utilizar a norma PAL em simultâneo com a possibilidade de utilizar a norma NTSC.

    Vamos especular - imaginem um Final Fantasy. A Square-Enix em vez de o lançar primeiro no Japão, depois nos EUA e depois na Europa, em vez de traduzir os textos do japonês para o inglês e depois para as línguas europeias, utilizaria o mesmo produto para todo o Mundo, limitando-se a traduzir os manuais de instruções e utilizando as suas representações na América do Norte e Europa apenas para o distribuir e, sempre que possível, minimizar as diferenças de preço entre as três regiões sempre que esteja ao seu alcance.


    Acham isto possível? Porquê? Ou porque não?
     
  2. Evil_Tidus

    Evil_Tidus Power Member

    se é possivel ou não, não faço a minima
    mas que devia ser interessante lá isso devia, contudo o facto de não dobrar alguns textos de japones para ingles iria atrapalhar a vida a muitos jogadores na europa e America ja que nem todos gostam de jogar jogos que não na sua lingua nativa, dai os jogos na europa terem várias linguagens, como alemão, espanhol e afins.

    um jogo vindo so em inglês era muito mais jogado (no sentido jogado e compreendido) que um jogo vindo so em japonês
     
    Última edição: 27 de Outubro de 2007
  3. manelis

    manelis Power Member

    epa era boa ideia ealmente, se isso acontecesse quem sabe talvez os jogos baixassem o preço....
     
  4. Dissectory

    Dissectory Power Member

    Mas ainda não entendo bem o porquê de discriminarem a Europa face aos outros continentes..Acho que era um mercado que tanto a América como o Japão deviam explorar bem melhor,pois aqui há mais probabilidade de se conseguir vender qualquer uma das consolas do mercado..sendo uma zona "neutra" devia ser quase uma prioridade ganhar o máximo de terreno lá..Quanto ao "jogo universal" era uma boa ideia para nós..contudo acho que o mercado asiatico iria colocar alguns entraves ..

    Há uns anos eu pensava que na Europa iria ser criada uma consola Europeia..Neste momento não sei se teria espaço no mercado,mas talvez preenchesse as lacunas que os Europeus ainda sofrem face aos outros..
     
  5. razio

    razio Power Member

    Os preços dos jogos têm-se reduzido em termos reais, se a minha memória não me trai. Além disso não percebo esse frenesim constante com os lançamentos noutras partes do mundo, parece que se fala mais dos jogos a ser lançados na américa e Japão do que o que sai na Europa. Se os jogos saem sempre com atraso na Europa a nossa situação é mais de desfasamento do que de limitação - o que acaba por limitar pouco a nossa escolha (com excepção do primeiro ano de vida das consolas).

    Sobre ter tudo em inglês e com lançamento em todo o mundo, temos o Steam com a sua distribuição online. Claro que se só sai em inglês o produto não é global, é para os que falam inglês ou que estão dispostos a fazê-lo. Felizmente nem todos os países têm uma veneração pelo inglês e um desprezo pela língua materna - como é o caso dos portugueses.

    O meu desejo é que os jogos sejam cada vez mais bem localizados e que estejam disponíveis na minha língua. Não me interessa se sai com um ano de atraso, isto não é nenhuma corrida.

    Criar um mercado global de jogos já está feito, os jogos já estão disponíveis em todos os sítios em que as pessoas têm dinheiro para gastar.
     
  6. Resev

    Resev Power Member


    O conceito é sádío mas a aplicação poderia levantar problemas....................de natureza patriótica.......

    Pessoalmente gosto de ter a escolha da lingua em que vou ouvir um jogo/filme e a lingua em que vou ler as lengendas.

    Eu não me importo de ouvir um jogo/filme em japonês, desde que tenha legendas com tradução correcta em, pelo menos, Inglês.
    Digo isto porque os voice-overs Japoneses tem sempre muita qualidade, são muito emotivos e teatrais, logo desde que entendas o que se passa pelas legendas, ficas com a sensação de que entendeste tudo, porque a emotividade estava lá!!!

    Agora vamos a ver o caso Português.
    Quando vejo que um jogo/filme anunciado como vocalizado em Português, sinto uma desagradável sensação de como se me tivesse "cagado nas calças".
    Não sou anti-patriótico nem coisa que se pareça, apenas estou mais do que farto de ter más actuações vocais da parte dos supostos artistas Portugueses ou pior ainda, uma inacreditávél repetição dos mesmos actores uma e outra vez, por vezes mais de 2 vezes no mesmo filme/jogo.
    Em quantas series animadas se recordam de ouvir os mesmos actores por diversas vezes em papeis diferentes num unico episodio?
    Sem entrar por aqui prefiro mencionar algo mais simples, como a utilização dos mesmos actores nas series.
    Exemplo, Dragon Ball e Yu-gi-oh.
    A voz do personagem Songoku é a mesma voz da voz do Yugi (ou do alter ego, creio que até dos dois)
    A voz do Tartaruga Genial é a mesma da do avô do Yugi!!!!!
    Isto não seria problema se a emotividade das actuações fosse diferente entre programas, mas não, parecem fotocopias umas das outras.
    Ora a multipla utilização de actores em filmes series e jogos é comum, mas já a qualidade das actuações em Português vs resto do mundo não tem comparação.
    Os actores Ingleses, Brasileiros e principalmente Japoneses são sempre variadas e emotivas, mesmo quando vem do mesmo actor!!! Em Portugal é o inverso, são quase sempre os mesmos actores que, ou não tem qualidade ou repetem-se imenso.

    Tomem lá um caso de adaptação perfeita a diversos papeis de forma credivél da parte de um actor de topo Americano:
    No filme "O Santo", o actor Val Kilmer tem que, ao longo da pelicula desempenhar uns 5 ou 6 papeis de personagems totalmente diferentes, tanto em nacionalidade como na motivação e emoção, e tambem na imagem, embora aqui o crédito vá mais para a equipa de maquilhagem.
    Todos os papeis (TODOS) são extremamente crediveis.
    O espião Australiano, o nerd Cientifico, o Poeta misterioso, o Mafioso Russo.
    Papeis desempenhados com um tal empenho que tornam as acções crediveis.

    Nós, Tugaleses, não conseguimos ter duas actuações diferentes em dois programas diferentes, por dois actores diferentes....................e depois admiram-se que até as novelas Brasileiras tenham muitissimo mais qualidade do que as Portuguesas.............quanto mais os voice-overs :(

    Moral da historia:
    Concordo com um mercado comum, mas tambem que cada país seja responsável pela tradução vocal e literária a ser incluida no produto final sem despesas para os developers que não tem nada a ver que os Franceses e Espanhois queiram a papinha toda feita, não por causa de uma questão de qualidade mas por causa de um Patriotismo doentio.
     

Partilhar esta Página