1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

Engenharia Informática - As vossas experiências no primeiro emprego

Discussão em 'Programação' iniciada por Tonif4, 28 de Março de 2018. (Respostas: 14; Visualizações: 829)

  1. Tonif4

    Tonif4 Power Member

    Tendo em conta que o tópico oficial de Engenharia Informática fica um pouco off-topic do que pretendia, pensei que o mais indicado seria criar um tópico novo.

    Acho que era porreiro quem já tenha tido essa experiência que a pudesse partilhar com quem, como eu, está perto de acabar o curso (licenciatura).

    Uma preocupação que sempre tive é como é que as empresas fazem a integração de recém-formados nas suas empresas.

    Como é esse período de adaptação? Têm por hábito colocar-nos em formações numa fase inicial ou esperam que à partida estejamos 100% à vontade com as tecnologias e metodologias que aplicam nos projetos da empresa?

    Se alguém pudesse deixar aqui a sua experiência, acho que seria uma mais valia :)
     
  2. lpa

    lpa

    O meu primeiro trabalho foi no estrangeiro. Não tinha acabado o curso e fui a uma feira de emprego. Estava lá a embaixada do luxemburgo a pedir gajos que soubessem Linux. Preenchi o impresso e dois dias depois estava na entrevista. O teste que me fizeram era para abrir e fechar o vi :).

    Toda a malta que foi à entrevista começou a trabalhar uma semana depois (na altura a banca luxemburguesa estava a implementar Linux e não tinham pessoal). O ambiente de trabalho era muito semelhante ao meu quarto. Ninguém me chateava nem queria saber de mim. Apenas queriam o trabalho feito.

    O trabalho em si era muito de pesquisa bibliográfica e teste e erro. Os gajos davam muita autonomia ao pessoal, mas isso acho que é uma questão cultural. Na nossa cultura isso é mais difícil de acontecer.
     
  3. Tonif4

    Tonif4 Power Member

    Pois, eu também acho que sou mais produtivo quando me é dada essa autonomia, mas não parece ser essa a cultura pelas empresas que tenho explorado. Tudo gira à volta da equipa e das metas coletivas.
    O que me preocupa nisto tudo é que estou perto de acabar o curso e sei programar em c, c++, Java e html+css, algum javascript e um pouco de asp.net em c#.

    A questão é que sei perfeitamente que embora os meus conhecimentos e o código que apresento para avaliação seja suficiente para passar nas cadeiras "à vontade" de certeza que está longe dos critérios de rigor e otimização que qualquer projeto de uma empresa minimamente séria esteja envolvida.

    Eu sei que trabalhar nesta área envolve muito trabalho de casa e tentar evoluir cada vez mais de forma auto didática, mas não deixo de me preocupar com o que esperar da minha primeira experiência de trabalho na área :/
     
  4. lpa

    lpa

    Na minha opinião não te deves preocupar com o teu primeiro emprego. Em Engenharia Informática raramente ficas no mesmo sítio muito tempo.

    Em Portugal os engenheiros informáticos são na generalidade muito melhores (técnica e intelectualmente) que a média empresarial. E isso faz com que não sejam devidamente remunerados nem respeitados.

    Ganha experiência mas não te agarres muito ao primeiro emprego. Agarra-te sim à tecnologia (não pares de aprender) e pesquisa oportunidades. Há todo um mundo lá fora ...
     
  5. O meu primeiro emprego foi horrivel.

    Tive uma proposta de emprego para a Accenture, uns meses antes de terminar o mestrado. Como ja tinha terminado de escrever a tese e so me faltava a apresentacao, decidi aceitar.
    O processo de recrutamento foi, no minimo, uma piada: consistiu num teste psicotecnico e, caso o candidato obtivesse uma pontuacao minima (que nao faco ideia qual seria) uma entrevista com um manager. Em nenhum momento me avaliaram os conhecimentos tecnicos. Isto por si só é um mau sinal...
    O contrato consistia num estágio de 3 meses (se a memória nao me falha) pagos a 700 euros e, se corresse bem, passaria a contrato sem termo a receber 1000 euros liquidos (incluindo isencao de horário).
    Como ja deves ter notado, em nenhum momento me disseram com que tipo de tecnologias iria trabalhar, ou se havia alguma stack onde me sentisse mais confortável ou tivesse mais interesse. Outro mau sinal, mas verdinho como era, achei que uma oportunidade numa das "maiores consultoras do mundo" nao se podia desperdicar.
    Pois bem, acabei por ser alocado num centro de apoio a implementacoes de SAP R3, a programar numa linguagem prima do COBOL, chamada ABAP.
    O trabalho consistia em receber tickets (AKA emails de clientes) a especificarem o problema que estavam a ter, e nos teriamos de nos logar na instancia do cliente, tentar reproduzir o problema e corrigir.
    Em SAP, o mais importante sao mesmo as regras de negócio: se o problema for em FIN (modulo de financas, que calcula impostos, valores de stock, processa ordens de compra / venda, etc) e nao se tiver conheciementos de financas, nao ha muito que possas fazer. Obivamente que formacao foi "on the job", ou seja, toma la um portatil e faz coisas.
    Foram 7 meses interessantes, onde conheci colegas que eram obrigados a trabalhar fins de semana sem remuneracao, onde trabalhei numa mesa corrida com 6 pessoas de cada lado, num portatil, durante 9 / 10 horas por dia, de fato (embora nunca visse clientes).

    Ao fim dos 7 meses fui aceite no programa INOV contacto, emigrei para a Irlanda e nunca mais olhei para tras.
    O primeiro emprego muitas vezes so serve para descobrires o que nao gostas :)

    Edit: Isto aconteceu entre 2011 e 2012. A empresa onde fiz o estagio do INOV ofereceu-me um contrato no fim e o resto é história. Continuo a viver na Irlanda. Se nao fosse por um primeiro emprego mau, hoje nao estaria aqui.
     
    Última edição: 12 de Agosto de 2018 às 23:35
  6. @Borgazter agora estas a assustar-me. Também estou prestes a acabar o curso e fui contactado por uma empresa de consultoria com cerca de 90 trabalhadores precisamente para a área de ABAP. O que eles oferecem é contrato sem termo com um período experimental a receber 700 e depois passa a 1000.

    Já fui a duas entrevistas a última com um dos sócios da empresa e entretanto mandaram me o draft do contrato. Em relação a fato perguntaram me se seria um problema usar mas que não era política da empresa, era só caso fosse a alguns clientes da banca. Visitei os escritórios e a maioria está de roupa "normal , alguns mais formais e uns de fato.
    Disseram que vão dar formação de SAP mais incidida nos aspectos técnicos.

    O contrato tem uma espécie de cláusula de 2 anos, dizem eles para recuperar o investimento na minha formação.

    Sem querer estar a roubar o post, até porque pode acontecer a muitos nesta fase, devo fugir disto ou não é assim tão mau?
    Além disso o que quer dizer na prática a isenção de horário!?

    Obrigado!
     
  7. bashir

    bashir Power Member

    2 anos é muito tempo.
     
  8. lpa

    lpa

    Também acho que 2 anos é um exagero e um abuso.

    Em teoria "isenção de horário" é excelente, porque tens um projecto e geres tu o teu tempo (como nos tempos da faculdade) até a conclusão do mesmo ou seja não tens horários fixos.

    Na prática, em consultoras, é uma desgraça porque o que eles te estão a dizer é que quem define o teu horário é o cliente.

    Outra coisa, o "período experimental" está claramente definido no tempo?
     
  9. @Hazor Isencao de horario significa que nao estas sujeito ao horario determinado no horario de trabalho do teu contrato. Ou seja, podem pedir-te para entrares mais cedo ou saires mais tarde, consoante as necessidades da empresa.
    Isto nao significa que tenhas um horario religioso (entras as 9 e sais quando Deus quiser :P ). O numero de horas por semana nao pode exceder o limite legal, que acho que sao 2 horas por dia.
    Uma PME (pequena ou media empresa) tem uma bolsa de 125 horas por ano para usar e uma empresa grande 150. Por este motivo, as horas extra tem sempre de ser registadas.
    Na pratica, o que acontece e que te pedem para trabalhar (tens isencao de horario e portanto nao podes recusar), mas este limite de horas e excedido sempre. Um trabalhador tem sempre direito a dois dias consecutivos de descanso por semana, e isto nem sempre acontece porque o "project esta atrasado".
    Nao te deixes enganar. Se isto e a norma, e porque os projectos estao mal geridos. A culpa nao e tua que eles sejam nabos e portanto foge o quanto antes.

    Em relacao ao ABAP, e uma linguagem muito facil mesmo de aprender mas que so vive dentro dos sistemas R/3 e ECC (e afins) da SAP. Isto significa que se fores por este caminho, te vais especializar num nicho. Isto pode ser bom, no sentido em que ha menos concorrencia, mas pode ser mau porque se quiseres sair do mundo SAP (em especial do ABAP e dos sistemas R/3 ou ECC) vais ter bastantes dificuldades.
    Visto que estas agora a acabar o curso e basicamente ainda nao sabes muito bem o que queres fazer da vida (como e normal), ao aceitar esta proposta estaras a limitar as tuas opcoes no futuro.

    Para te dar algum contexto, o R/3 (e mais tarde o ECC) foi durante muito tempo o ERP flagship da SAP. E usado em montanhas de empresas em todo o mundo para controlar financas, logistica... Tudo o que uma empresa possa precisar de gerir, este ERP faz.
    Como cada empresa tem necessidades diferentes e muitas vezes obedece a leis diferentes (paises diferentes tem leis de impostos diferentes por exemplo), o R/3 foi criado de forma a ser altamente customizavel. Ou seja, quando uma empresa diz que esta a fazer uma implementacao SAP, significa que tem um exercito de consultores a recolher requisitos e implementa-los sob a forma de reports (que e o equivalente a um programa ABAP) no sistema. Todo este codigo vive dentro desta aplicacao gigante que corre (normalmente) on premise, o que significa que quem esta a arcar com os custos da implementacao, tambem arca com os custos de manutencao de hardware.

    Se isto te soa altamente antiquado, estas completamente certo. A SAP esta a mudar de estrategia, de implementacoes on premise para a cloud. O novo flagship product da SAP (S/4 HANA e S/4 Cloud) tem muito pouco a ver com o R/3 ou ECC, na medida em que as implementacoes ja nao estao limitadas ao ABAP, e estao na cloud. Produtos como o Business ByDesign, embora tenham a camada de negocio escrita em ABAP, estao na cloud e as implementacoes pelos partners nao sao feitas em ABAP.

    O que isto tudo quer dizer e que o trabalho que vais ter nessa empresa, essencialmente vai ser de manutencao de uma codebase mais velha que tu, escrita possivelmente de forma bastante arcaica (ABAP e orientado a objectos, mas grande parte das implementacoes que eu vi em Portugal raramente usavam essa versao de ABAP, portanto eram reports com milhares de linhas de codigo).

    Ora bem, tu tens uns 40 anos de trabalho pela frente e queres apostar numa tecnologia que ja esta obsoleta? Daqui aos tais dois anos de formacao (lol... aprendes ABAP numa semana e o resto e entender como sao calculados impostos e como e que medes os niveis de stock quando ainda tens items em transito), imagina que afinal nao gostas assim tanto de ser consultor, que a tua cena e mesmo a tecnologia e andar a chafurdar (eu acho que e mesmo este o termo) em codebases do mais horrivel que pode existir nao e para ti. Tentas ir para uma empresa mais "fixe" que usam todos os ultimos brinquedos (Go, Node, NoSQL, Kafka et. al) mas.... Tu nunca tiveste experiencia profissional em nada disso! A faculdade ja la vai, e ninguem quer saber das tuas notas de Algoritmos e Estruturas de Dados. Vai ser complicado convenceres alguem a sequer te dar uma hipotese, porque nao tens nenhuma tecnologia no CV que alguem fora do mundo SAP conheca...

    A razao pela qual falo assim e porque estive precisamente nessa situacao. Aceitei o tal trabalho com ABAP, e depois foi bastante complicado largar a tecnologia. Acabei mesmo a trabalhar para a SAP, em Dev Support do ByDesign durante 3 anos. Sinto que essa decisao me atrasou um bocado a carreira.
     
  10. @ipa 6 meses no máximo mas esperam que ao fim de 2 meses já esteja nos quadros, consoante a minha evolução.

    @Borgazter Obrigado pelo teu testemunho, uma pessoa chega a este mercado sem noção nenhuma da realidade. Eu fiz a licenciatura em 3 anos mas já tenho 27 pelo que não me convinha mesmo nada atrasar ainda mais a minha carreira.
    A empresa em questão é a AMT Consulting, do que me foi dito e do que pesquisei já estão a mudar para o paradigma que disseste em termos de cloud mas obviamente a maior parte dos clientes continua a ser o SAP tradicional, imagino eu. A questão é que para quem acabou de sair de uma academia de DevOps (3 meses) e ficou com uma visão de infraestrutura completamente mudada, com o bichinho do python e afins, muito mais ligado a "IoT", um pouco de HW, micros, pi, etc., não sei até que ponto não vou estar a "perder" mais anos de carreira numa linguagem morta.

    A proposta em concreto foi 750 brutos + SA nos primeiros 6 meses que eles esperam que sejam apenas 2. Depois 1000 brutos + SA. 2 anos de clausula..

    Eu ainda não pesquisei muito até porque ainda tenho de acabar uma cadeira em Setembro, mas dos 3 contatos que tive, Akka (Akkademy Suiça+França) e PrimeIT (Java dev) e AMT estava inclinado para esta. Mas sendo assim vou repensar e analisar melhor. Obrigado!
     
  11. bashir

    bashir Power Member

    Eles esperam... Lol. Eu fugia.
     
  12. whitelines

    whitelines Power Member

    @Hazor foge dessas empresas como o Diabo da cruz.

    Se gostas de DevOps e bichinho do Python tens que procurar é por isso..
     
  13. @Hazor se sair do pais esta nas cartas, nao olhes para tras :)
    Seja como for, se a tua cena nao e informatica de gestao, continua a procura.
    Procura por empresas que usem as tecnologias nas quais queres ter experiencia
     
  14. Deixo aqui o meu apontamento.

    Ingressei numa empresa dia 6 de Agosto, supostamente só entra pessoal novo em Setembro na época de formações, mas visto que foram propostos estágios na faculdade, decidi participar na primeira entrevista. Realizei 3 entrevistas, a primeira na universidade onde tive de realizar uma apresentação, juntamente com mais 2 colegas, à cerca de IoT. Basicamente penso que todos passaram no primeiro "teste" o que nos levou a uma segunda entrevista a sós, esta nos escritórios principais da empresa, com um Manager. Foram feitas algumas perguntas, sobre o ciclo académico e também perguntas teóricas e práticas de programação. Visto que passei, a 3ª entrevista já foi com alguém de escalão mais alto ao qual eles denominam de Partner. Nesta entrevista, voltou a perguntar-me o ciclo académico e ainda falámos um pouco inglês.

    Uma semana mais tarde recebi uma proposta de trabalho, ou seja, estágio em âmbito de trabalho no qual estou inserido neste momento. Estou a desenvolver uma aplicação directamente para a empresa, inicialmente iria trabalhar para um cliente mas quando cheguei no meu primeiro dia de trabalho foi-me apresentado um projeto diferente. Em Setembro, farei as formações como são normalmente feitas.

    Depois das formações, concluo o desenvolvimento da aplicação até finalizar as horas do estágio (486h).

    O projeto que estou a desenvolver é uma Web App em Java e SQL. Para mim é interessante porque nunca fiz web dev em Java, e caso ingressasse num cliente provavelmente iria estar perdido.
     
  15. _zero_

    _zero_ Power Member

    Boas,

    A minha empresa está a recutar malta IT, conhecimentos de informática para projectos na europa. interessados em trabalhar fora de portugal na area de informatica, MP sff

    cumpz
     

Partilhar esta Página