1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

GNOME - Futuro e World Domination...

Discussão em 'Novidades GNU/Linux & *nix World' iniciada por Ketheriel, 24 de Junho de 2012. (Respostas: 11; Visualizações: 1560)

  1. Ketheriel

    Ketheriel Power Member

    Um artigo não oficial foi publicado sobre o futuro do GNOME, onde é designado GNOMEX, muito possívelmente o GNOME 4, a surgir após a release do GNOME 3.6 ou 3.8; É interessante ver alguns pontos em que a comunidade open source tenta pela primeira vez impor algumas regras mais pesadas:
    • O suporte a hardware gráfico é suportado unicamente via drivers open source; parece que os drivers proprietários vão ficar de fora, no entanto do meu ponto de visto isto é pura estupidez porque o proximo tópico exige hardware gráfico suportado decentemente;
    • Suporte para jogos comerciais e plataformas comerciais; o autor justifica que jogos open source não estão no horizonte e poderão muito bem nunca vir a chegar. Continua um pouco obscuro ter software proprietário suportado baseado em drivers não oficiais e com performance duvidosa, a ver vamos;
    • Abandono das bindings de python e afins em deterimento do Vala; Golpe pesado na Canonical que desenvolve maioritariamente em python (applets, software center, etc);
    • Baseado na GTK+-4.0
    • Sistema de updates offline; isto implica que a Red Hat está neste momento a integrar a libresolv da SUSE e a criar um gestor de software novo; O DNF vai substituir o YUM. A libresolv está devidamente testada e é desenvolvida pela SUSE Linux;
    • Suporte nativo para Wayland (o que poderá fazer sentido com os drivers open source);
    • Novo Software Center (possivelmente baseado em AppStream, o que suportará distros baseadas em RPM e DEB);
    É ver o artigo original :)
     
  2. petersaints

    petersaints Power Member

    Interessante... pena que a meu ver a User Experience do Gnome tenha caído a pique desde a versão 3.0. Parecem ser mais uns a cometer o mesmo erro do Windows 8.

    Neste momento em Linux só consigo trabalhar em KDE (o único desktop realmente moderno que mantém a usabilidade), Xfce (se quiser uma experiência leve e Gnome 2-like) e LXDE (se for mesmo uma máquina muito fraquinha).
     
  3. muddymind

    muddymind 1st Folding then Sex

    A cena de suporte apenas para drivers open source é um grande LOL! Se há coisa que abomino é fundamentalismos.

    De resto não vi nada de transcendente para além do Vala (gosto da ideia mas não sei até que ponto será mantida até ao fim)
     
  4. kronozord

    kronozord Power Member

    Linguagem VALA que ainda vai na versao 0.17...
     
  5. petersaints

    petersaints Power Member

    O que se chama cavar a própria vala... pun intended!

    Mas também os números de versão pouco importam hoje em dia. Mas por acaso nunca usei Vala para poder opinar sobre as suas capacidades.
     
  6. Ketheriel

    Ketheriel Power Member

    Os números das versoes nao querem dizer muito, por exemplo o 'GRUB legacy' é considerado ALPHA e nunca teve uma release estável oficial... à quantos anos é utilizado em deterimento do 'lilo' ? (e se não fosse a E/U/EFI ainda seria utilizado como default...)... Tudo quanto é corporate linux utiliza o GRUB :)

    E como este existem mais uns milhares de examplos por aí... incluindo ferramentas de filesystem, ferramentas de user space, modulos de kernel, etc... Não é o versionamento de um software que determina o seu potencial ;)
     
  7. Favas

    Favas Power Member

    Agrada-me que estejam a avançar com Vala.
     
  8. Nomearod

    Nomearod Power Member

    Eu gosto de bastantes aspectos da versão 3, mas só uma um portátil pequeno e a quantidade de espaço que é ocupado com as borders das janelas destrói completamente a experiência para mim. Num desktop, com um ecrã grande, acho interessante, mas num portátil não.

    Passei então para o Unity e gosto bastante pois corrige um erro de design importante: o comprimento do ecrã é bem mais do que a largura por isso faz bem mais sentido colocar os menus de lado e aproveitar o resto. Num portátil funciona mesmo muito bem, mas uso o computador apenas para internet, office e alguns jogos pelo que estou longe de ser um power user.
     
  9. não gostei mesmo desta versão gnome. e prcebo q os avanços sejam feitos, mas não me parece ter havido por parte dos dev's um interesse em ouvir a comunidade. foi do genero: vão ter de usar, ponto final. gostava muito das versoes anterior do gnome, simples e customizaveis. esta nova versão, ha coisas q não se entendem virem por default e termos de andar a instalar add-ons. foi por causa disso que comecei a usar openbox.
    kudos
     
  10. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    Devo mesmo de ser a unica pessoa que concorda com isto...
    Sim, pode arranjar problemas mais facilmente do que soluciona, mas gostava de ver os fabricantes a contribuirem para as drivers opensource.
    O Nouveau é uma driver bastante estavel (apesar de ter uma performance inferior á proprietaria), mas apesar do que o Linus disse, nunca achei a Nvidia como sendo uma empresa "super problematica" no mundo open-source. Se calhar, vai-se a ver e até que contribui...
    A Catalyst/Fgrlx/Atrazo_mental, sempre deu tanto problema, que de minha opinião, não chega a ser um problema não ser oficialmente suportada pelo GNOME. Não suportava de qualquer forma antes de chegar á versão 50.12... A Radeon(xf86-video-ati) era o caminho ideial para a AMD seguir(se estivesse disposta a fazer merge das duas).
    A intel não é grande fonte de problemas, alem de que as suas graficas(on-board) não são feitas para tarefas "arduas", pelo que des de que a driver opensouce, suporte o gnome, não percisa de muito mais.

    Agora voltando ao mundo real: É improvavel, que qualquer uma das empresas, abandone a driver proprietaria, para desenvolver a opensource.

    Cumprimentos
     
  11. Ketheriel

    Ketheriel Power Member

    O fglrx e o GNOME3 foi uma história triste de se ver; curiosamente na mesma altura a Canonical teve uns problemas semelhantes com o Unity, e conseguiram resolver a cena com a AMD; o GNOME mostrou um pouco que nao se interessa pelo pessoal; por um lado não os condeno, porque com os drivers open source as coisas podem ser trabalhadas, com um blob proprietário não. No fundo ficavam de maos atadas e nao conseguiam resolver nada.

    Há poucos dias atrás (semana passada) na linuxtoday tinha um feed de um artigo que dizia que o pessoal em torno do Linux se refugiou com a Intel e que era uma situação que já se pronunciava; o problema de os fabricantes suportarem o linux também é um pouco o da fragmentação. Já viste o que era suportar as 10 distros mais populares ? :) Considerando que algumas teem ciclos pequenos (6 meses). Linux é bleeding edge, é muito diferente dos ambientes tradicionais :)
     
  12. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    Epah, sem qualquer tipo de ironia: Qual é o problema de libertarem as drivers, e de darem expecificações do hardware?
    Não me refiro a nenhuma empresa, nem só a graficas. Simplesmente não entendo, o que perdiam as fabricantes, em soltar o codigo fonte...
    A unica situação que me ocorre, é que as empresas adversarias, possam fazer engenheiria reversa num produto e acabar por copiar para o seu. Mas uma placa grafica m**dosa, de very-low-end já tem uma complexidade interior espantosa, o que torna essa operação quase imposivel, muito menos, em placas graficas de high-end (fonte de dinheiro), que são centenas de vezes, mais complexas.
    Os fabricantes, ás vezes não conseguem entender as suas proprias placas, e demoram eternidades a soltar bug-fixes, há lá tempo($$$) nisso para ainda meter centenas de engenheiros a espiar a concorrencia.

    Eles não tem de suportar todos. Só tem de fazer um "generico", e cada distro que se adapte.
    Eu não sou nenhum dev (talvez um dia, com sorte), mas no Arch, vejo montes de packages(principalmente do repo publico (AUR)), que trazem um ficheiro .deb ou um .rpm de atrelado com um script e uma especie de makefile, a dizer como adaptar o programa ao meu sistema em especifico.
    Para dar um exemplo concreto: A driver proprietaria da Broadcom (broadcom-wl), acho que é instalada a partir do binario da broadcom-wl para Red hat.
    Não foi feito para arch... o arch, não é oficialmente suportado... mas não funciona? Funciona, até relativamente bem! Isso é que importa, e não se é "Oficialmente suportado".
    Suportando Debian e RHEL, está tudo pronto para suportar. As comunidades de uma forma ou de outra, adaptam o software á sua distro.

    Isto não passa da minha opinião, baseando-me no que sei. (eu não sei tudo, nem de perto)

    Cumprimentos
     

Partilhar esta Página