1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.
  2. COVID-19 Mantenham-se seguros: Pratiquem distanciamento físico de 2 metros. Lavem as mãos. Usem máscara.
    Informação sobre COVID-19. Ajuda a combater o COVID-19 com o [email protected] e com o [email protected].
    Remover anúncio

[Guia] O que são distribuições e como escolher

Discussão em 'Novidades GNU/Linux & *nix World' iniciada por DigitalBoy, 7 de Maio de 2015. (Respostas: 61; Visualizações: 24374)

  1. nfk

    nfk Power Member

    Giro servidores Ubuntu há muitos anos e não sei de que TUIs e scripts estás a falar, mas se houver melhor. Aumentam a produtividade e evitam que tenhas de reinventar a roda. Nada disso impede que aprendas o que tiveres de aprender sobre como o sistema funciona, e tanto podes aprender em Ubuntu como em outra distribuição qualquer.

    A documentação do Ubuntu é muito boa, incluindo para servidor, que obviamente é em linha de comandos. As de Arch e Gentoo, por exemplo, também são excelentes, já tenho visto coisas úteis lá, mas quando tenho um problema num servidor Ubuntu começo por procurar informação específica da distribuição (incluindo bug reports), porque é mais provável que alguém tenha passado pela mesma situação e que a solução seja pertinente.

    Não sei qual é a tua definição de comodidade, mas para mim quanto mais cómodo for o sistema melhor, para utilizadores e administradores. Há menos hipóteses de cometer erros e é mais rápido resolver os problemas.
     
  2. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    Eu não utilizo Ubuntu, mas utilizo num VPS Debian que tem ajudas de scripts relacionados ao DPKG (ou algo parecido, deb's não são a minha praia) que quando se instalam certos softwares (Postfix, Mariadb, ...) vem a correr com um assistente a ajudar.
    Ele gera a configuração com base nisso.

    Para contrastar em Arch edito config a config à mão que os PKGBUILDs não fazem nada por eles. Dizem onde meter ficheiros, quais as deps, and thats it.
    Essas TUI's são comodidade. Se por um lado é bom não ter que editar coisas, por outro não se sabe o que está a UI a editar.

    As únicas vezes que recorri aos docs do Ubuntu, estavam severamente outdated. Referiam a softwares que à mais de um ano que nem tão pouco estavam nos repos. Posso ter tido azar, mas foi essa a impressão com que fiquei.

    A minha definição de comodidade é tirarem-me informação que posso considerar relevante da frente, para não ter que me preocupar com ela. Tirarem-me controlo e deixar o sistema assumir o que quero.
     
  3. nfk

    nfk Power Member

    Ok, estás a falar do debconf. Não me tinha lembrado disso porque pensei que estavas a falar de interfaces de configuração específicos de cada programa, mas tens razão, isso é um interface de configuração. Mas alguns pontos em relação a isso: não precisas de usar o debconf (corre dpkg-reconfigure debconf e escolhe a opção non-interactive), usar o debconf não te impede de saber como editar os ficheiros de configuração (a documentação está lá para isso, e para coisas mais complexas vais ter de editar de qualquer maneira) e se tiveres mais do que uma ou duas dúzias de servidores para configurar, imagino que não andes a configurá-los todos à mão. Eu em servidores nunca vejo sequer o debconf porque uso o puppet para tudo, e mesmo sem um programa dedicado o debconf pode ser útil para instalar vários servidores com as mesmas opções.

    A comodidade não te tira nenhuma informação, opção ou controlo sobre a configuração. Automatiza o que é repetitivo, mas podes sempre ir mexer ao nível que quiseres. Se não fores só porque há métodos mais cómodos isso é uma escolha, não é uma imposição do sistema.
     
  4. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    Lá está, thats the point. Alguém que não esteja à vontade muito provavelmente faz essa escolha erradamente, prefere deixar o sistema trabalhar por si em vez de entender na integra.
    É como que ser mau a matemática do básico, e numa mão ter uma folha e uma caneta, e na outra uma calculadora.
    Claro que a calculadora pode salvar tempo, principalmente ao gajo que sabe o que faz, mas quem não sabe vai optar por ela quando não devia.

    Claro que quando eu era novito na coisa gostava de ter os simpáticos do Mint e do OpenSUSE com as suas UI's todas pipis que fazer tudo, até tirar cafés, mas aprender a sério tive que acabar no Arch.
    Acredito que o Debian também seja uma opção com pouca ajuda (exceto talvez o debconf como mencionaste), mas o Ubuntu é simplesmente tentador.

    Mesmo que a versão servidor não tenha UI por defeito, não me admirava ver alguém a instalar uma UI para aceder por VNC, só para evitar ter de utilizar SSH+Vim/Nano/Emacs ou mesmo SSHFS. Já vi pessoal a ensina-lo em tutoriais com CentOS à uns anos, nada me admira.
    Sim pode-se fazer isso em qualquer distro, mas quanta mais vantagem um utilizador tirar de ter uma UI, mais tentado fica a utiliza-la.
     
  5. nfk

    nfk Power Member

    Bem, sobre filosofias de aprendizagem não vou falar, cada um escolhe os seus métodos e depende muito da pessoa. O meu único ponto era que haver facilidades não impede ninguém de aprender. Por isso não concordo com isto:

    Não tinhas de acabar no Arch, podias ter aprendido a sério no Mint e no OpenSUSE, se quisesses. Se o teu percurso funcionou para ti ainda bem, não estou a criticar, mas pode-se aprender em qualquer sistema. Por exemplo, falaste do debconf em Debian, mas se tivesses lido a documentação tinhas visto que o podias desligar, e mesmo sem desligar nunca nada te impediu de ir à configuração e alterar o que quiseres. Debian em particular tem documentação muito boa, como o handbook (e Red Hat também). Pode não te obrigar a aprender, mas dá-te todas as ferramentas necessárias. Isso é bom, porque significa que podes simplesmente usar o sistema se for o que precisas, ou ir tão fundo quanto quiseres. Agora, se me disseres que há pessoas que só aprendem, ou aprendem melhor, se forem obrigadas, tudo bem, admito que haja, e cada um sabe de si.

    Ia responder a isto, mas tu próprio respondeste, isso pode-se fazer em qualquer distribuição. Há uns anos atrás o Red Hat instalava o ambiente gráfico por omissão, por isso é natural que tutoriais de CentOS tivessem GUI.

    Se a interface tiver de facto vantagens, ainda bem que existe e que as pessoas a usam. Há montes de coisas que eu sei fazer mas gosto que haja uma interface para ser mais prático (gparted, configuração de VPN e wireless, etc).
     
  6. Minguno

    Minguno Power Member

    Não entrem em discussão, mais uma vez repete-se esta discussão que já a vi em fóruns de devs mesmo.

    Por comodidade os devs tendem em sistema a usar configs já feitas que depois adaptam, seria um dispêndio de tempo maior fazer as coisas per si daí que assim se faça, por outro lado com mais tempo dedicado a funções projectos implementados melhor dada relação com eles e em configurar melhor as coisas e sobretudo o como e porquê de as configurar.

    No outro ponto de vista , existe muita info outdated como referiram é um problema da comunidade precisamos sempre de mais e mais colaboradores!

    Existe muito o mito da aprendizagem com o quê? mas na verdade mesmo eu quando perguntei isso a pessoas que considero muito o que me responderam usa - GNU/Linux seja qual for já estarás a apender - acho que é rotunda a resposta.
    Agora bem - existem coisas que facilitam a aprendizagem porque são problemas que se te colocam, não é o mesmo por um usuário com um rato a dar clicks em opções windows type learning - é assim que ensinam na Mocosoft - conclusão no fim só um pequeno núcleo de pessoas passam ao outro lado e querem ver o que faz o click , só um pequeno grupo quer baixar de código de luinguagem alto a baixo etc - isto tb acontece em GNU/Linux- que colocar um usuário com uma interface texto , não é o mesmo pedir a um usuário que configure um serviço em máquina que o tenha já configurado.

    Falaram aí em Gentoo e outras , eu dou o meu conselho experimentem uma coisa chamada - Dragora Linux - eu passei dias e dias com o dev só para configurar rato, teclado etc na minha máquina eu poderia fazer isso num Ubuntu bastava que apagasse as configs feitas e as refizesse eu à mão.

    Existem projectos interessantissimos como o Toro Kernel de Matias Vara, existem muitos projectos além Kernel, existem milhões de users GNU/Linux e existem muitas distros a base qual é - GNU/Linux - seja Ubuntu seja Dragora podes aprender com todos , destripar e zerar , refazer e recriar , isso não depende do que uses depende de quão tu queiras saber e que serviços queiras saber melhor e mais sobre eles.

    Não ganhamos nada em guerrear aqui entre distros boas e más para aprender são todas passiveis de nos ajudarem nisso.

    O porque de retirar interfaces, configs etc mesmo em UNivs é simplesmente para obrigar a que as pessoas tenham mesmo que arender passos e ver resultados, facilita a escala de aprendizagem isso não quer dizer que um usuário com GUIs venha a ser menos capaz que um sem ela - depende absolutamente do que esse usuário domina sobre sistema em sí mais nada.

    Tolerância amigos, eu uso Ubuntu e parendi muito com ele, mas também aprendo todos os dias muito com outras distros outros users e tomara eu chegar ao calcanhar de alguns, aprendamos juntos e o resultados será sempre muito agradável.

    Não percam tempo em discutir isto é melhor aquilo é pior , ainda que eu entenda o que querem dizer pode passar uma imagem distorcida para gente que possa ter curiosidade no mundo GNU/Linux técnico.

    Força e bem haja a todos.
     
  7. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    Agreed. Eu pessoalmente se tiver acesso a conveniência utilizo-a, pode haver quem não se sinta tentado. A minha 'solução' é mais extrema.
    Por exemplo estou à anos para aprender a utilizar o Vim (decentemente), mas como o sacana do gedit aparece, é uma conveniência que me limita a aprendizagem.
    Há muito que sei o bare minimum para me mexer, navegar por palavras, conjugar comandos, search and replace, e mais uns truques básicos, mas continua a não me dar o nivel de conforto que o rato me dá mesmo que o rato seja 10x mais lento.
    Desinstalaria o gedit perfeitamente para ganhar o hábito que me falta, mas assim o meu computador passaria a ser só meu visto que mais ninguém seria capaz de editar o que quer que fosse nele :p
    Podia, mas ter trabalho para intencionalmente desligar features que voltam a aparecer reinstalando... meh
    Eu utilizo Arch porque gosto do bleeding edge e da filosofia KISS, não porque tiro prazer de marrar em configurações. É um efeito colateral, efeito esse que me faz aprender.
    É uma questão pessoal. Se estivesse em Ubuntu provavelmente recorreria sempre à UI até aprender a utilizar (p.ex.) o apt, mas sabendo utiliza-lo nunca utilizo a UI.

    Lá se vão os tempos áureos em que tinha infinita curiosidade e paciência para tweakar todos os cantos do sistema, meter um patchset no kernel, bootloader e bootsplash cheios da efeitos e manhas, até overrides de CSS tinha no tema do GTK.
    Ficava com os olhos a brilhar quando via tudo bonito e só me apetecia exibir, mas chega a um ponto que só se quer que as coisas funcionem.
    Tenho o bootloader todo rebentado, cheio de entradas, metade das quais já não existem. Não tenho splash, apenas o log a passar no ecrã, cheio de erros que tenho preguiça de corrigir (modulos que já não existem, configurações deprecated) porque não me ralo nem me afeta.
    Acho que a única coisa que me dou ao trabalho de manter arranjado é mesmo o GNOME, mas o principal motivo é mesmo o Arc (tema GTK) ser mais compacto que o Adwaita, e as extensões que uso dão-me jeito.

    Bem histórias de vida à parte, depende muito de como a pessoa está virada para a coisa. Se estiver curiosa e cheia de energia, acho que mesmo sem grandes limitações acaba por alinhar. Se já tiver perdido a cabeça para determinado tema, ou estiver a fazer forçosamente (contexto de aula ou local de trabalho) então sem forçar provavelmente recorre à via mais conveniente mesmo que não seja a melhor.

    True. Lembro-me bem que quando era leigo gravei uns 7 CD's com o CentOS 5.qualquercoisa , e o default install mandava-me meter a maioria deles. Mas acho que também era uma checkbox para deixar de ter.

    [/QUOTE]
    Pessoalmente acho que o gparted é um caso que a UI traz vantagens. Consegues na UI do gparted meter todas as opções necessárias a 99.99% dos casos, e lidar com particionamento não é algo que se faça todos os dias para valer a pena decorar.
    Mas hipoteticamente falando, se alguém todos os dias formatasse N discos, todos de forma diferente (de forma a não permitir automação) o fdisk é umas 3-4x mais rápido sabendo os comandos e o disco que se quer formatar de antemão.
    Não deixa de ser mais chato de fazer do que usar o gparted, mas não é questionável que é consideravelmente mais rápido e deixa aquele toque de l33t.

    O wireless já é ao contrario. O tempo que se perde a procurar no meio de uma parede de texto para saber a rede que se quer, é sempre mais do que perder 5 segundos num applet.

    Quanto ao VPN, só utilizei ainda OpenVPN e as UIs não tem de perto a configurabilidade que 10 linhas de configuração podem ter.

    Tem que ser visto muito caso a caso. Tens razão em haverem UIs que melhoram incondicionalmente o workflow mesmo de powerusers, mas maior parte delas nem melhoram, e perde-se muita aprendizagem. Há coisas que foram destinadas a serem ocultadas dos utilizadores, mas não dos administradores.

    'Guerrear' é bom e pode trazer resultados dês de que feito com respeito.
    Duas ideias que conflituosas podem ser debatidas perfeitamente dês de que não se ande a carregar bandeiras, seja irracionalmente teimoso, ou use argumentos falaciosos.
    Um pode reconhecer o ponto de vista do outro, vice-versa, até mesmo ambos aperceberem-se que nenhum estava totalmente certo.

    Sorry pelo bloco de texto, mas quando quando devo de dormir dá-me para escrever, e a escrita é como o código. Mesmo que muito dele seja inútil, se deu trabalho não se quer apagar :p
     
  8. Zaonpt

    Zaonpt Power Member

    Não incluir na lista o Arch Linux descredibiliza este post. Para mim e mts o a melhor distro atm.
     
  9. FilipeMig87

    FilipeMig87 Power Member

    Ultimamente tenho usado o Sabayon, para quem como eu, tem pouca experiência com o gentoo pode ser uma boa porta de entrada.

    https://www.sabayon.org/
     
  10. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    But but but... está lá!
    Manjaro e Antergos são Arch, no caso do segundo, literalmente.
    Isto é um guia para iniciantes, qual o propósito de falar de distribuições destinadas a utilizadores avançados?
    Não falei de Gentoo, Slackware nem Linux from Scratch, mesmo que cada uma seja excelente nos seus propósitos.
    Aliás, muito mais rapidamente recomendaria Debian a um novato do que Arch, e adivinha... também não está na lista.
    Continua a não ser algo recomendável a um utilizador de Windows ou OS X que queira migrar.
     
  11. foscloxe

    foscloxe Power Member

    Muito obrigado por este guia!
    Tenho tentado integrar-me com o Linux mas sempre sem sucesso, ora instalava ora arrependia-me e voltava ao Windows.
    Agora já tenho uma noção do que é, tão boa noção que já nem me atrevo a dizer que vou instalar "o" Linux eheh.

    Tenho experimentado sempre o Ubuntu mas pelo que leio o Mint é muito mais aconselhável a alguém que seja inexperiente, contudo prefiro o GUI do Ubuntu mas o meu favorito de todos é mesmo o Elementary, será que vale a pena? Uma vez que não é (ainda) tão estável como o Mint?

    Eu uso bastante o meu portátil para visualizar filmes e para jogar, até que ponto poderei trocar por completo de sistemas? Para já uso o Ubuntu em dual-boot mas se utilizar apenas um(uma?) distro. não poderei ficar "apeado" com alguns jogos ou até mesmo software (Sony Vegas, CorelDraw, Photoshop, MEOMusic, Netflix-app) ?
     
  12. Minguno

    Minguno Power Member

    Para o que tu precisas o dual-boot é melhor se tens de usar photoshop e essas aplicações que escreves.
    Quanto a jogos depende , no Linux tens jogos nativos (steam) , e wined (aplicados como no windows) estes wined para funcionarem é sempre uma "sorte" depende muito da gráfica e das componentes wine e depois tb tem a ver com a própria versão do wine numa pode-te funcionar um jogo o qual o mesmo numa versão wine posterior ou anterior pode já não funcionar para gerir versões wine tens programas como o crossover ou Playonlinux .


    Eu tenho muitos jogos instalados no meu Flavitu desde nativos , a wined não os tenho contados agora mas entre todos seguramente tenho uns 60.

    Tenho um Pentium IV a 3.3 GHZ, com 2.5 Ram e uma Gráfica pobre como o é a Nvidia FX5500.
    Jogos wined → Quake 4, Nba Live 03, Fifa 2007 , Fifa world cup 2006, fifa 98, SpeedBall hd 2 , Rome total war + Barbarian Invasion, Medieval II total war, Flatout 1 e 2 , shadow grounds survivor, sudden strike 2, Blood bowl chaos edition, Fallout 1 2 e tactics, earth 2160, Painkiller, Panzer Corps, Panzer general todos, command and conquer 3, europa universalis 2, x3 reunion, dawn of war tenho o dark crusade o soulstorm o golgotha o storm vengeance , tenho tb o stronghold , Farao e cleopatra rainha do nilo , Knights of honor, shadow of chernobyl, mini motor racing EVO, 4x4 evolution , Far cry ( com esta ráfica deixou de funcionar mas andava bem) em ati fuciona bem.... tenho mais jogos mas não os tenho instalados por causa de espaço em disco .

    Depois tenho nativos tb como Bluelibra, prey, steelstorm, anomaly warzone, dukenukem manhattan, guns gore cannoli etc...

    Mais osdos repositórios que são nativos tb comoo warzone 2100 , Openarena, Seven Kingdoms, Zero Ballistics, Mega glest, 0AD ....

    Enfim tenho para aqui tantos jogos que nem sei quantos são.

    Atenção: são jogos todos antigos ou de baixos recursos devido à minha máquina que é pobre , em alguns jogos nota-se uma qualidade gráfica menor comparado com a execução do jogo num windows em algumas ocasiões não sendo a regra poe acontecer o contrário ou que um jogo wined te funcione no linux e quando o tentas usar no windows não funciona.
    Depende muito do jogo que queres jogar e da máquina mas jogostanto wined como nativos são coisa que não falta para GNU/Linux. No entanto para usários menos entrados no tema GNU/Linux gaming e sem paciência para configurar coisas no sistema ou que gostem do modo preparado para uso que o windows oferece o melhor é usar o windows para jogar pois ainda hoje é uma melhor plataforma para tal provavelmente é o único campo onde ainda bate o GNU/Linux em tudo o resto acho que já perdeu.

    Quanto às aplicações multimédia e imagem que queres usar tens alternativas no GNU/Linux resta usa-las se não quiseres é continuar com o Windows e pronto.

    Podes tentar arranjar uma máquina mais barata ou menos para usar Linux , ou seja a minha sugestão seria tu usares o windws numa máquina que iria tê-lo só a ele e outra com Linux nesta com linux podes sobrecarregá-la mais que a windows para downs, gestão documental processamento video, jogos net etc .

    Não existem distros perfeitas , o Mint tem mais usuários principalmente pelo lado Ubuntu users porque foram tomadas algumas decisões por parte da equipa Ubuntu que não agradaram a muitos usuários que passaram a usar o Mint já que era e é uma comunidade grande e parecida com uma união Debian já que tb oferecem um derivado puro de Debian.

    É uma oferta diferente e muito boa o Mint isso não invalida que o Ubuntu tb seja bom e para estabelecermos diferenças mais que na gestão tenhamos que ir ás aparências no fundo existe um kernel e um geral de administração similar.
    Tens distros muito boas como o slackware que é uma roca perfeita muito estável e bom , o Fedora que é tb muito bom, o Open Mandriva etc etc todas elas têm pontos bons e maus depende da função para um user o mais importante é ter um sistema de actualização talvez com com pacotes de instalação fácil sem compilação manual, ter alguma documentação de como fazer e finalmente perceber bem a oferta de distro no sentido máquina ou seja saber a tipologia de personalização do kernel face à arquitectura por exemplo um kernel com suporte a i486 ou x86 ou x86_64 ou 64.
    O restpo depois fazes descobrindo por ti .
    Uma coisa podes ter a certeza é muito mais eficiente um GNU/Linux que um Windows.

    Força.
     
  13. Boas

    Bom tópico!
    Tenho o ubuntu mas gostava de experimentar outra distro.
    O Cublinux é aconselhável? Ou seja estável e user friendly?
     
  14. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    Nunca ouvi falar. Regra geral distros desconhecidas são má ideia porque não tem programadores suficientes que as mantenham estáveis e atualizadas.

    Qualquer coisa fora do top 50 do distrowatch é uma dorzinha. Mesmo as que entram muito rapido tendem a ser uma má ideia.
     
  15. AJMD

    AJMD Power Member

    isso é um clone do crome OS

    fica aqui um vídeo com uma analise
     
  16. Theres no shame in dual booting. Deixa-te estar assim. Com calma vai percebendo melhor o que queres e pode ser que encontres alternativas a ese software todo. Ou não.
    Foca-te é em usares linux o mais que possas. Faz m,**a é recomeça. Vais ver que vais ter um gozo tremendo.
    Mantém é o windows super minimal e básico (;
    Ânimo¡
    Abc
     
  17. Syn Gates

    Syn Gates Power Member

    Há muita diferença entre ElementaryOS e Mint ?
     
  18. em termos de base do sistema operativo, NÃO! têm ambos a mesma base (menos quando uses as versões mint debian).
    de resto a única coisa que difere entre ambos são as interfaces gráficas: um usa o Pantheon o outro usa o Cinnamon.
    vê no tubas reviews de ambos (elementary os loki é a versão mais recente) e decide-te. podes fazer ainda outra coisa que é instalares as duas distros e veres com qual te sentes melhor, ou com qual engraças mais.
    cumps
     
  19. DigitalBoy

    DigitalBoy Power Member

    Para o user ter feito aquela pergunta, a resposta é claramente "SIM!". São um mundo diferente para alguém que se introduza.

    Basicamente aquela parte chata que não é suposto 90% das pessoas alguma vez verem, é muito, muito, parecida; igual até na maior parte das coisas.

    Em termos de interface gráfica não podiam ser mais diferentes. Ambos adequados a iniciantes, conceitos opostos.
    O elementary é pela elegância e simplicidade, o mint pela funcionalidade, modularidade e amigabilidade para ajustar ao utilizador.
    É difícil de explicar, tens mesmo que experimentar e/ou ver vídeos.

    PS: O instalador do Elementary está a demorar uma eternidade quando carregas em "seguinte" com o "fazer download de atualizações durante a instalação", é normal. Eles haverão de corrigir isso, mas caso instales não fiques a pensar que aquilo morreu, ou não seleciones essa opção de todo.
     
  20. velho10

    velho10 Power Member

    Pessoal, preciso de ajuda. O meu portátil não gosta do Ubuntu 16.04, está sempre a crashar. Meti o Elementary Freya e como tinha como base o 14.04 correu sem problemas, agora fiz o update para o Loki e voltaram os crashes.

    Eu estou à procura de uma distribuição Linux, não muito complicada ou confusa que não tenha como base o Ubuntu. Que aconselham?