• COVID-19 Mantenham-se seguros: Pratiquem distanciamento físico de 2 metros. Lavem as mãos. Usem máscara.
    Informação sobre COVID-19. Ajuda a combater o COVID-19 com o [email protected] e com o [email protected].
  • Consulta o Portal de Jogos da ZWAME. Notícias, Artwork, Vídeos, Análises e muito mais.

  • Informação: A partir da 01:00 (hora de Lisboa) desta Terça-feira, 15 de Junho, o fórum e restantes sites da ZWAME (Comparador, Jogos, Portal, etc) estarão inacessíveis por alguns minutos.
    Se necessário faremos actualizações via Twitter e Facebook.
  • ZWAME Jogos: A dupla Ratchet e Clank está de regresso para uma nova aventura na PS5, em Ratchet & Clank: Rift Apart. Não se esqueçam de ler a nossa análise!

Artigo Organização Mundial de Saúde classifica vício de videojogos como doença mental

Pereira90

Power Member
Eu penso que não seja muito por ai, mas sim mais pelo facto de comparar um viciado em jogos com um viciado em drogas.
Epá, são dependências, mas são muito distintas, para já há uma diferença grande, em que um destes viciados é mais propenso a cometer crimes para alimentar o seu vicio...
Não os lembres disso senão quando um rapaz novo bater na avó vão começar a dizer que queria roubar a velhota para ter dinheiro para comprar jogos.
 

Pereira90

Power Member

JAC_TUGA

Power Member
Confesso que este assunto sempre me irritou um bocado. Acho que há muita ignorância por parte de quem critica e os que criticam de videojogos percebem 0.
É a mesma coisa que eu criticar um assunto ou uma coisa de que não percebo nada, sinceramente.

Sou jogador desde os meus 4 anos, comecei pela antiga Nintendo, joguei ás Game Boys, Dreamcast, PS2, PS3 e PS4 e sou uma pessoa equilibrada que nunca se meteu numa confusão.
Sabem que mais? Tenho orgulho em ser gamer, em ser jogador. 🙂👍
 

gif

Power Member
"Don't hate what you don't understand."

O assunto do tópico não tem haver contigo, nem com muitos outros users que ignoram a realidade de algumas pessoas.

Lá porque jogamos (muito) não nos devemos sentir atacados. A carapuça não é para nós.

Isto não é sobre aquele familiar ou amigo que vos diz que vocês são "viciados" em jogos. Esses "tais" que não percebem nada de videojogos.

Isto não é sobre o vosso hobby que até pode ser saudável.

O assunto do tópico é sobre um vício diferente. E grave.

Os meus votos são que nenhum de nós próprios tenha um problema real devido à dependência, nem um familiar ou amigo.
 

Pereira90

Power Member
"Don't hate what you don't understand."

O assunto do tópico não tem haver contigo, nem com muitos outros users que ignoram a realidade de algumas pessoas.

Lá porque jogamos (muito) não nos devemos sentir atacados. A carapuça não é para nós.

Isto não é sobre aquele familiar ou amigo que vos diz que vocês são "viciados" em jogos. Esses "tais" que não percebem nada de videojogos.

Isto não é sobre o vosso hobby que até pode ser saudável.

O assunto do tópico é sobre um vício diferente. E grave.

Os meus votos são que nenhum de nós próprios tenha um problema real devido à dependência, nem um familiar ou amigo.

Sim de certa forma e olhando para isto num espectro diferente do que a maioria aqui está habituada sim pode ser um problema real.

Talvez algo ínfimo no mundo das consolas, no mobile acaba por mudar um pouco de figura pelo menos no que toca aos freemium.

Agora acho que deveria de existir um certo cuidado em fazer as distinções e não generalizar. Porque não vejo a OMS falar dos efeitos benéficos dos jogos, e que não são poucos
 

Outrunner

Power Member
"Don't hate what you don't understand."

O assunto do tópico não tem haver contigo, nem com muitos outros users que ignoram a realidade de algumas pessoas.

Lá porque jogamos (muito) não nos devemos sentir atacados. A carapuça não é para nós.

Isto não é sobre aquele familiar ou amigo que vos diz que vocês são "viciados" em jogos. Esses "tais" que não percebem nada de videojogos.

Isto não é sobre o vosso hobby que até pode ser saudável.

O assunto do tópico é sobre um vício diferente. E grave.

Os meus votos são que nenhum de nós próprios tenha um problema real devido à dependência, nem um familiar ou amigo.

Sábias palavras.

Aqui uma reportagem que pode ajudar alguns a perceber ao que a OMS se está a referir.

 
Topo