• Consulta o Portal de Jogos da ZWAME. Notícias, Artwork, Vídeos, Análises e muito mais.

  • ZWAME Jogos: I've been waiting for this! Analisamos o Persona 3 Reload, o remake do título lançado originalmente em 2006 para a PlayStation 2.

Multi Qual é a vossa geração favorita de videojogos?

Qual é a vossa geração favorita de videojogos?

  • 3ª geração (NES, Master System)

  • 4ª geração (Mega Drive, Super Nintendo, Neo Geo)

  • 5ª geração (Saturn, PlayStation, Nintendo 64)

  • 6ª geração (Dreamcast, PlayStation 2, Nintendo GameCube, Xbox)

  • 7ª geração (Xbox 360, Nintendo Wii, PlayStation 3)

  • Outra


Results are only viewable after voting.
Verdade. Passava horas a passar código Basic copiado de livros e revistas. Muita vez o resultado era algo bastante simples como por exemplo um desenho mas dava prazer ver o resultado. Mais tarde ainda me aventurei a passar código Assembly mas nunca atinei muito com aquilo. Tinha mais potencial mas era muito mais monótono e sujeito a erros.

Há coisas que nunca se esquecem. Ainda me lembro perfeitamente da primeira vez que ouvi o Spectrum a "falar" no Chase H.Q. ou do grafismo/som dos Demos Lyra.

Só joguei ao Chase HQ no amiga. Nem me lembro se ouvi alguma vez o Spectrum a "falar". R-Type e Rainbow Islands eram os meus jogos preferidos, e agora que olho para trás, eram provavelmente os mais impressionantes tecnicamente.
 
Só joguei ao Chase HQ no amiga. Nem me lembro se ouvi alguma vez o Spectrum a "falar". R-Type e Rainbow Islands eram os meus jogos preferidos, e agora que olho para trás, eram provavelmente os mais impressionantes tecnicamente.

O Spectrum acabava por ir além do que nós miúdos na altura sabíamos. Numa altura em que Internet não havia e a maioria das revistas sobre o tema nem chegavam cá, ficávamos limitados ao que a revista do Domingo do Correio da Manhã trazia... Pelo menos por mim falo.

Muito mais tarde (quanto praticamente já nem se usava) é que comecei a ter conhecimento sobre as potencialidades do Spectrum que iam um "pouco" além do que sabia. Haviam muitos periféricos desconhecidos ou pouco usuais, como microdrives, impressoras, ratos, sintetizadores de voz ou até modems.
 
Fonix pessoal grande momento que vivi agora aqui ao reviver tudo o que foi aqui dito.

Ainda me lembro daqueles zumbidos das cassetes na leitura do código dos jogos ....

Já não sei em que consola ou PC mas tinha um jogo que passava horas e horas era o flight simulator, lembro-me que tinha 2 joystick.

Obrigado pessoal.
 
O Spectrum acabava por ir além do que nós miúdos na altura sabíamos. Numa altura em que Internet não havia e a maioria das revistas sobre o tema nem chegavam cá, ficávamos limitados ao que a revista do Domingo do Correio da Manhã trazia... Pelo menos por mim falo.

Muito mais tarde (quanto praticamente já nem se usava) é que comecei a ter conhecimento sobre as potencialidades do Spectrum que iam um "pouco" além do que sabia. Haviam muitos periféricos desconhecidos ou pouco usuais, como microdrives, impressoras, ratos, sintetizadores de voz ou até modems.

Correio da manhã ao domingo e A Capital à sexta feira. Costumava tirar as páginas e fazer arquivo disso num dossier. Até existir a Mega Score no meio dos anos 90, eram basicamente as únicas publicações sobre jogos em português:).
 
Eu fico meio divido entre a 6ª e a 7ª gerações, isto porque na altura eu jogava imenso Sonic Adventure 2: Battle e Animal Crossing, que foram jogos que me marcaram bastante. Mas igualmente marcado fui também pela altura em que jogava aqui Mario Strikers Charged Football, e mais tarde Mario Kart Wii.
 
@XtremuZ mesma situação aqui, cresci com a Mega Drive e vibrei com a Dreamcast (também joguei muito na PS2), mas o meu voto vai para a 4ª geração.

Da terceira geração pouco joguei (curiosamente tinha um amigo com a NES e outro com a Master System), mas foi já numa fase em que a SNES e Mega Drive estavam a crescer rapidamente.

Não tive nenhuma das consolas da 5ª geração, mas ainda joguei muito na PS1 e na N64 (ambas emprestadas).

A 7ª geração passei completamente ao lado, estando agora a aproveitar a retrocompatibilidade da Xbox para jogar alguns dos títulos dessa geração.
 
O meu voto foi para a 3ª geração, foi a que me definiu como gamer, sendo que os jogos mais marcantes foram o Prince of Persia, Zelda e Sonic.
 
E dificil escolher só uma geração, visto que acompanhei praticamente todas ao longo da minha vida, e todas as consolas, ou aquelas que tive o prazer de ter contacto, mesmo que breve, trouxeram algo de positivo para a minha experiência como jogador.
 
Eu votei na 6ª geração porque foi com a qual me envolvi mais com videojogos, onde tive a oportunidade na era da PS2 de jogar vários tipos de jogos (alguns oriundos do Japão) devido a meios não legais. No entanto a 5ª geração (PS1) tem um lugar especial dado à variedade de jogos que experimentei por causa da magazine que trazia demos.
 
Bem, é impossível dissociar a idade cronológica de cada um do seu sentido de voto. Não estou a ver alguém que tenha nascido em 2005 (18 anos) não votar na PS2 ou PS3 - mais PS3, se não tiver irmãos mais velhos.

A minha primeira experiência com vídeo jogos foi na Master System II, na casa de um vizinho, amigo. A primeira consola, mesmo minha, foi a Mega Drive I. Já estava em final de vida útil, já a Sega Saturn e a PlayStation, tinham sido lançadas, mas no bairro ninguém tinha. Eu até era dos que estava melhor servido (teoricamente), a maioria dos miúdos da altura tinham Master ou um clone de Nintendo 8bits. Em Portugal, a ideia que eu tenho é de que a Mega foi mais popular do que a Super Nintendo.

Os jogos mais ambicionados, em 93, 94, 95 eram o Sonic 3, Sonic Knuckles, Mortal Kombat II, Street Fighter. A minha Mega veio com o Sonic 1 e aquele poster do Sonic na parte do loop na Green Hill Zone.

Na prática, não fui muito "feliz" só me deram o Shaq-Fu, e o Back to the Future III (jogos horríveis).

A Mega custava 25 contos, os jogos AAA eram 10 ou 11 no lançamento. E o salário da minha mãe girava em torno dos 50 contos (250€).

A PSX, foi a primeira consola em que eu, de forma ainda limitada, escolhia os meus jogos.

E só mesmo na PS4 (2013) é que o critério passou a ser 100% o "quero e pronto".
 
5º Geração, sem quaisquer sombra de dúvida.

Um qualquer podia já andar nas décadas atrás a jogar os Zorks da vida, mas na cabeça seria sempre com os visuais e sonoplastia que esta geração pode proporcionar mas ainda com limitações grandes.

Pode não ter tido todos os clássicos esperados e que talvez tenha existido na(s) geração(ões) anteriores já bem consolidadas a aperfeiçoar-se no paradigma 2D, mas foi a realização inicial do Futuro que todos sonhavam.
 
Como já não sou novo fui jogador de 3º e 4º geração. E que bons momentos passados.
Mesmo assim, o meu voto terá de ir para a 5º geração e os grandes momentos que passei com a PS1.
Tomb Raider, Gran Turismo, Tekken, Wipeout, Dino Crisis, etc. Tanta hora "perdida".
 
Eu comecei na 4ª geração dai que diria que essa por questões sentimentais seria a minha preferida.
No entanto a 6ª geração com a ps2 talvez tenha sido a minha preferida.
A ps2 tinha um catálogo imenso e variado no que toca a videojogos.
Tanto a geração da ps3 como da ps4 também são excelente, mas não conseguem ombrear com a da ps2.
 
Back
Topo