1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

Técnico vs Licenciados

Discussão em 'Programação' iniciada por Brian O'Connor, 4 de Dezembro de 2007. (Respostas: 235; Visualizações: 19449)

Estado do Tópico:
Fechado a novas mensagens.
  1. Brian O'Connor

    Brian O'Connor Power Member

    e é por isso que depois um licensiado nao sabe instalar uma impressora..

    ainda á dias fui criar uma array no servidor duma empresa onde supostamente o que nao falta é licensiados no ramo da informatica.. ora eu tenho 12º Incompleto na area de cientificos e fiz aquilo á primeira, o idiota do licensiado que devia pelo menos saber tanto como eu liga pra loja pra la irmos "que aquilo tava com problemas".. nao conseguia por os discos a funcionar em raid 1 :lol:

    as universidades deviam ser proibidas de licensiar informaticos..
     
  2. Fita-Cola

    Fita-Cola Power Member

    axo q isso é como td, ha uns q aproveitaram a licenciatura, e hoje dao cartas no mercado de trabalho, e ha akeles q andaram a passear na faculdade q simplesmente n aprendera nd, so andaram pelo canudo (felizmente sao poucos, mas ha!!)
     
  3. spastikman

    spastikman Banido

    Como em tudo na vida, há bons e maus. Um licenciado não é excepçao.
     
    Última edição pelo moderador: 6 de Dezembro de 2007
  4. paulojreis

    paulojreis Power Member

    pá, lamento desiludir-te mas eu, nos meus 4 anos de faculdade, nunca aprendi a ligar uma impressora ou a montar discos em raid! isso é uma função de um técnico de informática, é um problema específico e técnico, na faculdade ninguém vai perder tempo a ensinar isso - no caso da eng. informática, p ex, és preparado para pensar um sistema, arquitecturá-lo, conhecer um sistema operativo, os seus processos, conhecer a algoritmia e os seus fundamentos (não apenas saber mandar ifs e fors). simplificando, o licenciado pensa e cria o sistema - gajos como tu apenas o utilizam.

    esse tipo de coisas q tu referes (setup a impressoras, raids), qq licenciado pode aprendê-las, mas fá-lo por conta própria! quando tal, tás a dizer q as licenciaturas são uma maravilha porque não ensinam a aplicar cracks em jogos, enfim...
     
  5. E porque é que se acha que um licenciado em Eng. Informática tem que saber meter discos em raid?!

    Ou estão como aquelas pessoas que por saberem que a pessoa está em informtática tem que conhecer e saber trabalhar com qualquer software que existe?

    Cada um dentro da área da Informática pode ter as suas competências... E um Engenharia Informática tem pouco ou nada de saber meter discos em raid, ou o que vocês quiserem para aí andar a imaginar de hardware... Se um Eng. Informático ou alguém quer saber disso, estuda o tema ou vai aprender sobre isso... Não vai andar 5 anos a aprender engenharia para meter discos em raid ou instalar impressoras!!!
     
  6. Baía

    Baía Power Member

    Continua a haver pessoas a pensar que um licenciado em informática é um vendedor ou prestador de assistência técnica de/a produtos informáticos numa loja... impressionante. Pura ignorância...

    Informática != Processadores, Memórias, Discos Rígidos, Impressoras, Placas Gráficas, Placas de Rede, Máquinas Fotográficas Digitais, Telemóveis,...
     
  7. RavenMaster

    RavenMaster Power Member

    Um informático deve perceber de... informática. Seja de que área for, existem manuais para aquilo que não se percebe...

    Não, mas podem ler sobre isso e evitar custos com serviços contratados em outsourcing e afins.
    Não é por ter-me especializado em redes que não tento perceber de hardware e software. Aliás, mal de mim se tal fizesse.

    Mas no caso não quiseram. Pelos vistos preferiram pagar a ler sobre o assunto.
    Mai nada :D

    Porquê ? Tenho um Eng. comigo que é o primeiro a deitar-se no chão a passar cabo ou a desviar uma tower se tal for necessário.
    O que conta é o espírito e o feitio, não o título.
     
  8. michael c

    michael c Power Member

    Relativamente à questão paralela, técnico vs licenciado, existe uma diferença muito grande. Por norma o que distingue um licenciado de um técnico é a maior preparação teórica do licenciado relativamente ao técnico. O licenciado é formado para encarar os problemas de outra forma e, acima de tudo, pensá-los de outra forma. Encarem as coisas desta forma, um técnico saberá resolver um determinado problema especifico de índole mais técnica e prática, enquanto um licenciado, à partida, saberá resolver e pensar de uma forma mais abrangente problemas de índole mais abstractos.

    Não quero com isto dizer que um é melhor que outro e vice-versa...simplesmente tenham em atenção que cada um desempenha funções distintas. Como em tudo existem bons e maus técnicos e bons e maus licenciados.

    A mim parece-me mais ou menos grave um Engenheiro Informático não saber fazer um RAID ou instalar uma impressora. À partida, mesmo não aprendendo esses conceitos nas aulas durante o percurso académico, deveria ter uma curiosidade natural para esse tipo de conceitos. São conceitos que podem ser aprendidos rapidamente através de pesquisa e empirismo. Em informática podemos ser autodidácticas, o que é muito bom, resta-nos ter vontade de aprender sempre mais. Hoje em dia existe o conceito de long life learning que me parece pertinente para estas situações. Se nos restringir-mos ao que aprendemos nas aulas, ainda mais nesta àrea, vamos, dali a uns tempos, perceber que estamos muito desactualizados.

    Tenho colegas licenciados a fazer trabalho de técnicos e ganhar mal em lojas de informática/assistência técnica. Se por um lado me choca, por outro, e na situação em concreto, é o preço a pagar por pouca dedicação ao curso e aprendizagem.

    Pessoalmente acho que a ideia de que o licenciado é um "doutor" que não pode "sujar as mãos" tem de desaparecer. Eu sou licenciado e nunca deixei de fazer trabalho menos intelectual só porque o era. Cabe-nos, enquanto licenciados, auxiliar as empresas e mudar o seu rumo, contribuindo pro-activamente e de forma sustentada para a sua evolução. Isto implica por vezes fazermos tarefas menos intelectuais e mais práticas. Admito, contudo, que o futuro passa pela especialização. Contudo, e quem trabalha sabe disto, a realidade empresarial portuguesa é diferente. Imperam as PME em que a versatilidade dos colaboradores é um factor preferencial à contratação.

    O conselho que deixo aos técnicos é que não se fiquem por aí. Se sentirem que são capazes de conciliar trabalho com estudos, e tiveram possibilidades de o fazer, tirem um curso superior. É uma mais valia na maior parte das situações.

    Cumps a todos
     
    Última edição pelo moderador: 6 de Dezembro de 2007
  9. Tenebrus

    Tenebrus Power Member

    Não é assim tão directo. Podes ter um engenheiro a perder 1 ou 2 horas a ler sobre o assunto e a instalar os discos, quando podia estar a fazer aquilo para que lhe pagam e a trazer de facto valor acrescentado à empresa. Muito provavelmente sai muito mais barato chamar um técnico especializado para o fazer ainda mais se para além de custos financeiros implica outros riscos como por exemplo de perda de dados, ou se o custo está incluído numa avença por exemplo. A palavra chave é eficiência.
     
  10. michael c

    michael c Power Member

    Concordo em parte. Mas repara, numa PME o problema jamais seria encarado dessa forma. A questão seria "Existe alguém aqui que possa resolver isto?" Sim, então resolve este problema e continua o teu trabalho depois.

    Atenção, eu concordo contigo no procedimento que enunciaste. Realmente numa empresa a sério seria assim, era chamado um técnico especializado delegando nele e na empresa que ele representa toda a responsabilidade de eventuais problemas que surjam no decorrer daquela intervenção.

    Onde eu quero chegar é que o mercado português não é constituído, na sua grande maioria, por empresas a sério, é constituído por PMEs que fazem o que podem para sobreviver e em que a polivalência dos colaboradores pode ser um factor pertinente para contratação, podendo revelar-se uma mais valia. Em nenhum caso devemos recusar conhecimento e dizer que não precisamos daquilo porque existem pessoas especializadas para o fazer. A realidade empresarial portuguesa, infelizmente, não é essa.

    Cumps
     
  11. mj2p

    mj2p I'm Cool Cuz I Fold

    O quê, proibirem as licenciaturas em eng Informatica? Então porque é que também não proibem as licenciaturas de profs, já que há tantos e tão maus e os alunos sempre preferem aprender na NET?

    Amigo, o cursinho, sempre que bem aproveitado e muita curiosidade à mistura, são o a+b para o sucesso. Um jovem de 23 (licenciado em 5 anos), se andar na universidade para aprender a sério e não para brincar, tem muitas portas abertas.

    Vá, cumps
     
  12. mj2p

    mj2p I'm Cool Cuz I Fold

    Bem, a internet serve para alguma coisa. O tal "engenheiro" deveria, se não sabia (não é obrigado a saber), ter lido e pesquisado na net sobre o assunto, e assim poupava encargos extras.

    Agora, que engenheiro informático está muito mais ligado com a parte lógica da informática (software) do que com saber fazer truques com hardware, isso está e é inegável. Por isso é que se devia pensar muito bem antes de ingressar no curso de engenheiro informático.

    Vá, cumps
     
  13. RavenMaster

    RavenMaster Power Member

    Claro que sim, assino por baixo. Mas sem dúvida que, aquilo que destaco, é a falta de interesse/profissionalismo por parte do Sr. Eng. referido acima.
    Cada macaco no seu galho mas quem anda no terreno sabe perfeitamente que a informática é uma profissão polivalente, ou sabes fazer um pouco de tudo ou pelo menos deves ter interesse em aprender. Como já disseram (e bem), qual é a PME que pode estar sempre a pagar outsourcing só porque o Sr. Eng. não sabe formatar um pc (exemplo parvo mas serve, se bem que muito não o sabem) ?
    A ideia aqui é: em Portugal (e eu sei isso pela empresa onde estou) preferem pagar ordenado a uma pessoa "desenrascada" do que ter 3 ou 4 informáticos, um para cada especialidade.
     
  14. Todos têm razão e não vale a pena bater mais na mesma tecla...

    É claro que a curiosidade deve existir... E se a pessoa não sabe deve tentar saber... Mas a minha resposta foi sobretudo por ficarem pasmados de o Eng. não saber à partida instalar discos em RAID... Não tem que saber... Mas não disse que não devia tentar saber se necessitar disso.

    Há algo que também é muito verdade (quer acreditem ou não)... sabermos um bocadinho de tudo um pouco e não sermos experts em nada não é muito boa ideia... É como querer praticar todos os desportos que existem... Nunca vamos ser realmente bons em todos, nem ter tempo para todos!

    Boa sorte a todos os que por aí procuram ser técnicos ou licenciados... que venham a ganhar bem e procurem sempre mais conhecimento...
     
  15. oscarolim

    oscarolim Power Member

    No meu primeiro emprego como programador (com a Licenciatura em Engenharia Informática), recebo 1000€ limpos. Mas cada caso é um caso.
    E aos "espertos" que dizem que um Licenciado ou Engenheiro Informático tem que perceber de hardware... aprendam primeiro o que significa Engenharia Informática e as funções de um Engenheiro (ou Licenciado, já que engenheiro é um licenciado da ordem).
    Hardware -> técnicos -> trabalho pesado
    Software -> Licenciados / Engenheiros -> requisitos, arquitecturas, desenvolvimento, etc

    Tá em brasileiro, mas dá para perceber.
     
  16. Baía

    Baía Power Member

    Ena pá... alguém que me compreende!

    Estas conversas fazem-me lembrar aquelas situações de conversas da namorada/mulher com as amigas:
    - "Ah o meu marido/namorado é Engº Informático"
    - "Ai é? Entao se calhar podia arranjar-me o computador lá de casa que está com um problema!"

    ?=&(/#$!"%
     
    Última edição pelo moderador: 6 de Dezembro de 2007
  17. michael c

    michael c Power Member

    O Engenheiro de Computação é um profissional capacitado para especificar, conceber, desenvolver, implementar, adaptar, produzir, industrializar, instalar e manter sistemas computacionais, bem como perfazer a integração dos recursos físicos e lógicos necessários para o atendimento das necessidades informacionais, computacionais e de automação de organizações em geral.

    É o ramo da Engenharia que se ocupa do Projeto, da Implementação e da Manutenção de Sistemas Computacionais.

    Da minha parte nunca disse que um Eng. Informático equivalia a um técnico de informática. O que disse é que em sentido complementar, dada a curiosidade natural que deveria ter pela àrea, seria natural se soubesse instalar uma impressora ou uns discos em RAID. Obviamente não tem de sabê-lo, mas não lhe ficava mal saber.

    Não sou engenheiro informático, mas sei que é um curso abrangente e conheço pessoas que saíram de um curso de engenharia informática para serem programadores e outros que se dedicaram mais à parte do hardware e fazem, por exemplo, a manutenção de redes e servidores. Acho que isso depende de cada caso, mas a verdade é que um Engenheiro Informático pode trabalhar tanto a nível de hardware como a nível de software, tal como se subentende pela citação que colocaste.

    No meu primeiro emprego (comecei a trabalhar há cerca de dois anos) também comecei por ganhar 1000€ limpos a exercer funções como webdesigner, técnico multimédia. Fui contratado sem enviar um único curriculo por convite de um professor antes de acabar o curso. Sou licenciado em Tecnologias da Comunicação. Tenho colegas que acabaram quando eu e ainda hoje não têm emprego. No entanto, e findo o contrato, e apesar da insistência do meu superior para eu ficar optei por não o fazer e, por diversos motivos, saí da empresa. Louco dirão alguns de vocês. Tive ofertas de outras empresas, rejeitei.

    Pois, secalhar não foi a atitude mais correcta atendendo à conjuntura actual. A verdade é que me iniciei como freelancer e não me posso queixar. Para complementar dou formação e aulas. Posso ter meses em que de facto não ganhe os tais 1000€ limpos, mas mais importante que isso, sinto-me feliz assim e, se as coisas continuarem a correr desta forma, vou ponderar a abertura de uma empresa minha. Não escolhi o caminho fácil porque acabo por trabalhar bem mais do que as tais 8/10 horas diárias, mas lá está, quem corre por gosto...

    Isto tudo para dizer que o quanto ganhamos e onde vamos depende essencialmente do quanto nos envolvemos e nos apaixonamos por aquilo que fazemos. Não sou excepcionalmente bom, haverá muita gente por aí bem melhor que eu, nem precisamos de sair do fórum. A questão é que gosto do que faço e, por gostar, estou disposto a aprender. E este é o cerne da questão: "Ninguem é tão grande que não possa aprender, nem tão pequeno que não possa ensinar."

    Cumps a todos
     
  18. Morais

    Morais Power Member

    Depende do tipo de conhecimentos e experiência que possuis.

    Se o teu máximo foi um curso tecnológico, ergo, nível II não esperes nada muito acima do salário mínimo nacional, tipos "como tu" há à biqueirada, mas daquelas em que tropeças numa pedra e, lá de baixo, sai-te um técnico informático.

    Hoje em dia todos que não querem nada de especial e não estão para estudar para a faculdade metem-se num curso tecnológico, não é de espantar que sejam os cursos com os maiores índices de chumbo e menor media nos exames nacionais. Eu não digo isto para insultar os que passaram por um curso tecnológico, eu próprio formei-me em Informática de Redes e Bases de Dados via Cursos de Especialização Tecnológica nível IV, no qual em 8, apenas 3 se formaram e um deles só entrou na faculdade na segunda fase dos exames nacionais, eu nem vou falar em concreto no meu curso tecnológico de Informática que o antecedeu, em que, em 28 no 10ºano, no 12º se se formaram 3 e já foi com muita sorte e muito chumbo pelo caminho.

    Pessoalmente acho que os cursos universitários são muito engraçados mas é para passar o tempo na coscuvilhice, em jantaradas e a brincar e a fingir que são crescidos, isto na área de informática, claro, noutras, pelo que vejo, ainda é pior. Sim, um licenciado é, por norma, mais bem preparado que um técnico, após 5 anos a bater com a cabeça nas paredes, com professores incompetentes que só lá estão para a faculdade lhes financiar os estudos, desde professores que não sabem o que estão a ensinar a outros que simplesmente não sabem ensinar, a noções ultrapassadas e ridículas que tentam impingir ao pessoal, os cursos universitários têm de tudo...

    Se queres realmente aprender algo que te será útil em termos de ordenado recomendo que te especializes, ler livros é muito bonito mas sem nada com que o comprove não vais muito longe, estuda o mercado que te agrada, empresas, tipos de funções, investiga o que é que eles pedem, o que há falta e trata de ganhares competências nessa área.

    Às vezes mais vale passares 6 meses, a não receberes nada, a estagiar em certas empresas, pois a experiência que vais ganhar, e as respectivas referencias, não têm preço, tirar certificações também é uma opção mas esse mercado começa a ficar saturado, se queres mesmo garantir um bom salário à base de certificações ou vais trabalhar para Espanha ou passas dois anos a estudar para os graus mais elevados que existem no mercado.

    E, sim, cursos universitários são boas opções, nem que seja em termos sociais, como pudeste ver viraram-se logo com a boca do "ah e tal para estes trabalhos indignos e porcos é que temos os técnicos!", infelizmente é este o caso, se queres ser respeitado tira um cursos superior, pode ser na faculdade mais ranhosa à face da terra, uma porcaria de curso que não te traz nada de novo e nada de útil ao mercado... mas tens o... interessante titulo de Sr. Eng., enfim, vai trabalhar para Espanha, a língua faz-me náuseas e o povo mete-me tanto nojo como os Portugueses, mas sempre ganhas mais.
     
  19. oscarolim

    oscarolim Power Member

    Manutenção de Sistemas Computacionais -> (Tá em brasileiro) -> Refere-se a soluções de software.
    Integrar recursos lógicos e físicos é diferente de montar e configurar! Quando tenho uma instalação para fazer num servidor de produção não me dão um conjunto de caixas para desempacotar e montar. Um técnico monta e configura o hardware, cabendo a mim a configuração a nível de software e respectiva instalação da solução (software) do cliente.
    Claro que não fica mal saber, mas não é um requisito obrigatório. Se assim fosse, não havia necessidade de técnicos :p

    E obviamente, o importante é gostar do que se faz. Além do full time ainda tenho part time em projectos pessoais, que espero eu, possam crescer. Como dizeste, quem corre por gosto... :)
     
  20. Terrible_One

    Terrible_One Power Member

    Desengane-se quem pensa que a licenciatura não vale de nada, eu pensava o mesmo no final do meu 12º ano, pensei em tirar um curso profissional e em seguida começar logo a trabalhar, porque o meu valor iria prevalecer e a partir dai iria ter o mundo a meus pés e ganhar rios de dinheiro, :joker:

    É claro que isso não aconteceu, tirei um curso nivel 3 (atenção que já tinha 12º completo), e lá fui eu trabalhar, mas já dentro do mercado rápidamente percebi que pessoas como eu serviam para fazer o trabalho duro e receber os amendoins :-D enquanto os licenciados (alguns) só queriam :zzz:, portanto lá fui eu para a faculdade à noite, ou seja 8 horas ou mais diárias de trabalho no lombo e ir para a faculdade das 19h até às 00:00 e passar os fds a estudar e a fazer trabalhos da faculdade em sintonia com o os do emprego. Posso dizer que não foi propriamente a melhor época da minha juventude.

    Mas quem corre por gosto não cansa. :001:

    Eu gostei muito do meu curso profissional, e aprendi alguns conceitos que nunca cheguei a cheirar na faculdade, e não pensem que os cursos profissionais são só para encher chouriços, passo a publicidade, o meu (técnico de programção e desenvolvimento de sistemas) na gustave eiffel na amadora, deu-me muito calo que foi super útil já na faculdade, e não se tratou apenas de bater código, foi muito bem dado com uma mistura de paradigmas e teoria misturados com a prática, já o mesmo não aconteceu na faculdade, onde levei com muita teoria e a pratica fazia eu em casa se quisesse, mas no fundo é isso que a faculdade faz, dá-nos muita palha para mastigar, que é como quem diz desenvolver os neurónios. :002:

    Mas pronto se só pensam na vossa vida mediante os euros, sim aconselho vivamente a tirarem um curso, se bem que actualmente informática de gestão e engª informática é desaconselhável, mas quase todos os cursos em portugal estão com este problema excepto Engª Aeroespacial no técnico ou Medicina, mas a não ser que tenham uma média de 19, não devem ter vagas :lol:

    Portanto:[SIZE=-1]"The best way to predict the future is by creating it!" (Peter Drucker). [/SIZE]
     
Estado do Tópico:
Fechado a novas mensagens.

Partilhar esta Página