1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

The End of Windows

Discussão em 'Windows Mobile e Wearables' iniciada por AudigyMaster, 3 de Abril de 2018. (Respostas: 263; Visualizações: 9423)

  1. AudigyMaster

    AudigyMaster Power Member

    The End of Windows
    Monday, April 2, 2018


    The story of Windows’ decline is relatively straightforward and a classic case of disruption:
    • The Internet dramatically reduced application lock-in
    • PCs became “good enough”, elongating the upgrade cycle
    • Smartphones first addressed needs the PC couldn’t, then over time started taking over PC functionality directly
    What is more interesting, though, is the story of Windows’ decline in Redmond, culminating with last week’s reorganization that, for the first time since 1980, left the company without a division devoted to personal computer operating systems (Windows was split, with the core engineering group placed under Azure, and the rest of the organization effectively under Office 365; there will still be Windows releases, but it is no longer a standalone business). Such a move didn’t seem possible a mere five years ago, when, in the context of another reorganization, former-CEO Steve Ballmer wrote a memo insisting that Windows was the future (emphasis mine):

    In the critical choice today of digital ecosystems, Microsoft has an unmatched advantage in work and productivity experiences, and has a unique ability to drive unified services for everything from tasks and documents to entertainment, games and communications. I am convinced that by deploying our smart-cloud assets across a range of devices, we can make Windows devices once again the devices to own. Other companies provide strong experiences, but in their own way they are each fragmented and limited. Microsoft is best positioned to take advantage of the power of one, and bring it to our over 1 billion users.

    That memo prompted me to write a post entitled Services, Not Devices that argued that Ballmer’s strategic priorities were exactly backwards: Microsoft’s services should be businesses in their own right, not Windows’ differentiators. Ballmer, though, followed-through on his memo by buying Nokia; it speaks to Microsoft’s dysfunction that he was allowed to spend billions on a deal that allegedly played a large role in his ouster.

    That dysfunction was The Curse of Culture:

    Culture is not something that begets success, rather, it is a product of it. All companies start with the espoused beliefs and values of their founder(s), but until those beliefs and values are proven correct and successful they are open to debate and change. If, though, they lead to real sustained success, then those values and beliefs slip from the conscious to the unconscious, and it is this transformation that allows companies to maintain the “secret sauce” that drove their initial success even as they scale. The founder no longer needs to espouse his or her beliefs and values to the 10,000th employee; every single person already in the company will do just that, in every decision they make, big or small.

    As with most such things, culture is one of a company’s most powerful assets right until it isn’t: the same underlying assumptions that permit an organization to scale massively constrain the ability of that same organization to change direction. More distressingly, culture prevents organizations from even knowing they need to do so.

    Thus my assertion at the top, that the story of how Microsoft came to accept the reality of Windows’ decline is more interesting than the fact of Windows’ decline; this is how CEO Satya Nadella convinced the company to accept the obvious.

    The Easy Win: Office on iPad
    A month after taking over as CEO, Nadella introduced Office for iPad. Quite obviously, given the timing, the work had been done under Ballmer; some reports suggest the initiative in fact started years previously. Ballmer, though, wouldn’t release it until there was a touch version for Windows 8; some wonder if he would have ever released it at all.

    It’s all a bit of a moot point; in the end Ballmer’s delay gave Nadella an easy win that symbolized the exact shift in mindset Microsoft needed: non-Windows platforms would be targets for Microsoft services, not competitors for Windows.

    That wasn’t the only news that week: Microsoft also renamed its cloud service from Windows Azure to Microsoft Azure. The name change was an obvious one — by then customers could already run a whole host of non-Windows related software, including Linux — but the symbolism tied in perfectly with the Office on iPad announcement: Windows wouldn’t be forced onto Microsoft’s future.

    The Demotion: Nadella’s First Strategy Memo
    It was another three months before Nadella wrote his first company-wide strategy memo explicitly departing from his predecessor:

    More recently, we have described ourselves as a “devices and services” company. While the devices and services description was helpful in starting our transformation, we now need to hone in on our unique strategy. At our core, Microsoft is the productivity and platform company for the mobile-first and cloud-first world. We will reinvent productivity to empower every person and every organization on the planet to do more and achieve more.

    What is striking about this articulation of “productivity and platforms” is that it is exactly how Nadella reorganized the company last week; the “Experiences & Devices” team is focused on end-user productivity, while the “Cloud + AI” team is all about building the platform of the future. The reason it took so long is the point of this article — Nadella had a Windows problem.

    To that end, the most important aspect of Nadella’s memo was not what he said about Windows, but where he said it. I wrote in a Daily Update breaking down the memo:

    Trust me when I say demoting Windows all the way to this point in the letter is a dramatic shift. Remember, it wasn’t that long ago that Steve Ballmer said “Nothing is More Important at Microsoft than Windows”; Nadella not even mentioning the OS for the first 2,000 words sends a very different message. Similarly, spending nothing more than a sentence on Surface and Nokia — in the entire email, the word “Surface” appears twice and “Nokia” once — makes it as clear as can be that neither is the future.

    This was the next step after the initial symbolism of Office on iPad and the Azure name change: actually articulating a future where Windows didn’t matter.

    The Retreat: Love Windows
    Nadella, though, had a short-term problem: Microsoft’s most important customers — enterprises — hated Windows 8. The operating system may not have been Microsoft’s future, but it was still a massive cash cow, and the linchpin for all of Microsoft’s legacy products. To that end the company needed Windows 10 to get out the door sooner-rather-than-later.

    This, I think, is the context for Nadella’s presentation at a January, 2015 event about Windows 10; Nadella said:

    We absolutely believe that Windows is home for the very best of Microsoft experiences. There’s nothing subtle about this strategy. It’s a practical approach which is customer first. We want to give ourselves the best opportunity to serve our customers everywhere and give ourselves the best chance to help customers find Windows as their home. That’s what we plan to do…We need to move from people needing Windows to choosing Windows to loving Windows…We want to make Windows 10 the most loved release of Windows.

    At the time I was very disappointed; suggesting that Microsoft experiences needed to be “best” on Windows suggested that Windows was dictating the direction of Microsoft services. A few months later, though, once Windows 10 shipped, Nadella made clear this was only a temporary retreat.

    The Quarantine: Nadella’s First Reorganization
    That summer Nadella undertook his first reorganization, separating the company into three divisions: Cloud and Enterprise, Applications and Services, and Windows and Devices. I wrote in a Daily Update:

    This explicitly undoes Ballmer’s ill-considered reorganization from a divisional company to an allegedly functional organization. At the time Ballmer wrote:

    We are rallying behind a single strategy as one company — not a collection of divisional strategies…

    This was exactly wrong: by that point Microsoft had already lost the devices war and needed to focus on services that worked on iOS and Android. A “One Microsoft” strategy, on the other hand, kept all of those services subservient to Windows. However, with this new reorganization, Windows is off in the corner where it belongs, leaving the Cloud and Enterprise team and Applications and Services Group free to focus on building their businesses on top of all platforms.

    I believe this reorganization was the turning point: not only were the two teams Nadella announced last week basically formed at this time, but more importantly, Windows was left to fend for itself.

    The Inception: The Death of Windows Phone
    Nadella’s most impressive bit of jujitsu was how he killed Windows Phone; while the platform had obviously been dead in the water for years, Nadella didn’t imperiously axe the program. Instead, by isolating Windows, he let the division’s leadership come to that conclusion on their own.

    Naturally, departing Windows-head Terry Myerson blamed the rest of the company, stating, “When I look back on our journey in mobility, we’ve done hard work and had great ideas, but have not always had the alignment needed across the company to make an impact.” I wrote at the time:

    This is such an utterly clueless explanation of why Windows Phone failed that it’s kind of stunning. Until, of course, you remember the culture-induced myopia I described yesterday: Myerson still has the Ballmer-esque presumption that Microsoft controlled its own destiny and could have leveraged its assets (like Office) to win the smartphone market, ignoring that by virtue of being late Windows Phone was a product competing against ecosystems, which meant no consumer demand, which meant no developers, topped off by the arrogance to dictate to OEMs and carriers what they could and could not do to the phone, destroying any chance at leveraging distribution to get critical mass…

    Interestingly, though, Myerson’s ridiculous assertion in a roundabout way shows how you change culture…In this case, Nadella effectively shunted Windows to its own division with all of the company’s other non-strategic assets, leaving Myerson and team to come to yesterday’s decision on their own. Remember, Nadella opposed the Nokia acquisition, but instead of simply dropping the axe on day one, thus wasting precious political capital, he hung the Windows team out to dry let Windows give it their best shot and come to that conclusion on their own.

    Nadella did the same thing with Windows proper: when Windows 10 launched Myerson claimed that the operating system would be on 1 billion devices by mid-2018; the company had to walk that back a year later, not because Nadella said so, but because the market did.

    The Division: The End of Windows
    And so we reach last week’s announcements: the Windows division is no more. It is an incredibly meaningful milestone, yet anticlimactic at the same time, thanks to Nadella’s careful management. It is worth noting, though, that Nadella had one critical ally in this journey: Wall Street.

    [​IMG]
    Microsoft’s stock price since Satya Nadella became CEO.​

    If culture flows from success, then it follows that an attempt to change culture is far easier to accomplish when the most obvious indicator of success — one that has a direct impact on employee pocket-books — is moving up-and-to-the-right. What is fascinating to consider, though, is that Microsoft’s stock is up not only because the company has a vision that it is delivering on quarter-after-quarter, but also because the stock was depressed in the first place.

    To put it another way, Nadella’s shift to a post-Windows Microsoft is the right one; to have done the same a decade sooner would have been better. It also, though, may have been impossible, simply because Windows was still the biggest part of the business, and it’s not clear the markets would have tolerated an explicit shift before it was painfully obvious it was necessary; without a rising stock price, Nadella’s mission would have been much more challenging if not impossible.

    The Future: Why Microsoft?
    It’s important to note that Windows persisted as the linchpin of Microsoft’s strategy for over three decades for a very good reason: it made everything the company did possible. Windows had the ecosystem and the lock-in, and provided the foundation for Office and Windows Server, both of which were built with the assumption of Windows at the center.

    Office 365 and Azure are comparatively weaker strategically: Office 365 has document lock-in, but the exact same forces that weakened Windows in the first place weaken the idea of documents as well. It’s not clear why new companies in particular would even care. Azure, meanwhile, is chasing AWS, with a huge amount of business coming from Linux VMs that could run anywhere.

    Unsurprisingly, both are still benefiting from Windows: Office 365 really does, as Nadella noted in his retreat, work better on Windows, and vice versa; it is seamless for organizations that have been using Office for years to move to Office 365. Azure’s biggest advantage, meanwhile, is that it allows for hybrid deployments, where workloads are split between legacy on-premise Windows servers and Azure’s public cloud; that legacy was built on Windows.

    This, then, is Nadella’s next challenge: to understand that Windows is not and will not drive future growth is one thing; identifying future drivers of said growth is another. Even in its division Windows remains the best thing Microsoft has going — it had such a powerful hold on Microsoft’s culture precisely because it was so successful.

    fonte: https://stratechery.com/2018/the-end-of-windows/
     
  2. AudigyMaster

    AudigyMaster Power Member

    Microsoft prepara-se para um futuro pós-Windows

    As empresas têm que ter a capacidade de olhar para o futuro a longo prazo para se prepararem para o que está para vir, e no caso da Microsoft isso implica olhar para um mundo onde o Windows deixará de ter o peso que tem.

    Satya Nadella não tem ilusões quanto às perspectivas que aguardam o Windows, tal como não o tinha face ao colapso inevitável que o Windows teve no sector mobile (mas que "deixou andar" até que tal se tornasse num facto indisputável reconhecido pelos próprios responsáveis, evitando conflitos internos.) Agora, volta a sinalizar o mesmo para o Windows "principal", deixando de ter uma divisão dedicada ao Windows enquanto sistema operativo - algo que há poucos anos seria inconcebível!

    A equipa do Windows foi dividida, com parte dela migrando para a secção responsável pelo Azure, e a restante a ficar sob a alçada do Office 365. Isto não significa que deixaremos de ter Windows e as suas respectivas actualizações; mas demonstra claramente que a visão da Microsoft de Satya Nadella para o futuro não aposta no Windows como sendo o seu elemento principal - o que não deixa de fazer sentido, mesmo que não se concorde com ele...

    Nos EUA o sucesso dos Chromebooks com Chrome OS reforçam a ideia de que, para a maioria dos casos, tudo o que basta hoje em dia é o acesso a um browser. E os computadores que ainda permanecem nas secretárias são aquelas máquinas a que já só se recorre para as coisas que não se puderem fazer num smartphone ou tablet. Para essas coisas, será cada vez menos relevante que sistema operativo se usa, desde que faça aquilo que é pretendido... e isto sem esquecer que serão coisas para um sub-grupo muito reduzido de toda a população: developers, pessoas que façam edição de vídeo (mais a sério que a que é possível fazer-se num tablet), e outros trabalhos específicos...

    Vai ser interessante ver o que esta nova atitude representará ao longo da próxima década, à medida que uma geração que nasceu com tablets e smartphones nas mãos, começar a chegar ao mercado sem o preconceito de que "computadores = windows"... e em que, para centenas de milhões de pessoas em todo o mundo (que nunca teriam acesso a um computador tradicional) o conceito de computador passará a ser associado ao smartphone que os liga ao mundo.

    fonte: https://abertoatedemadrugada.com/2018/04/microsoft-prepara-se-para-um-futuro-pos.html
     
  3. cribeiro

    cribeiro Power Member

    Acho que o gráfico acima diz tudo. O valor da Microsoft duplica no reinado do Nadella e tudo parece estar bem para os acionistas. Com acionistas contentes, nada o pode parar, nem que seja necessário matar o windows quase por completo e prosseguir a sua estratégia até agora vencedora, mas que ainda está por provar a longo prazo.

    Eu confesso que só venho ao desktop, porque adoro o windows 10 e gosto de um grande ecrã, mas a minha utilização tem vindo a decair a partir do momento em que deixei de utilizar regularmente a suite da adobe. Para o que faço atualmente a nível privado basta o tablet em conjunto com o telemóvel. Se para um utilizador como eu, que cresceu utilizando praticamente todas as versões do windows, acaba em 2018 por achar que neste momento um desktop é algo que não precisa, imagino o que não se passa com as novas gerações. Apesar disto o meu telemóvel é windows, o tablet também, assim como o desktop e o mediacenter, mas compreendo que começo a ser uma ave rara. Estamos numa fase de transição muito acelerada e que provavelmente o Nadella tem razão. Algo que não o windows, o android ou IOS, vai ser o futuro, falta saber o quê e quem lá vai chegar primeiro. A corrida já começou, vamos ver quem consegue estar à altura do futuro. Entretanto os windows fãs estarão cada vez mais sozinhos, porque as sucessivas decisões da MS são borrifarem-se cada vez mais para o mercado do consumidores, em detrimento do empresarial. Temos de aceitar, não há nada que se possa fazer, a não ser esperar.

    No que me toca, a build de Maio será provavelmente esclarecedora no destino a dar aos meus próximos equipamentos a ser substituídos, o tablet e telemóvel. As próximas escolhas terão de ser mais ao estilo Nadella, mais com a razão que com o coração. Vamos esperar por Maio para ver o que o Belfiore nos reserva, se é que reserva alguma coisa. Para já continuo a adorar todos os meus equipamentos windows e vou adiar a sua substituição até não poder mais. O meu telemóvel windows é uma verdadeira paixão e funciona muito bem:D

    A partir de agora vou deixando em todos os meus posts uma imagem do sistema, para a posterioridade e como forma de uma despedida suave e sem complexos de ter pertencido a um excelente clube de utilizadores de uma plataforma morta, mas bem viva para quem tem o prazer de a utilizar.:D Ao som do Mark Knopfler e da sua guitarra:p

    [​IMG]
     
    Última edição: 4 de Abril de 2018
  4. bseixas

    bseixas Power Member

    Tudo está bem quando acaba bem, enquanto as acções subirem o Nutella até pode dizer que o futuro da Microsoft passa por um creme qualquer para barrar no pão. :-D


    EDIT:


    Eu que cresci no tal universo computador=windows a partir do 3.1, neste momento se não tivesse Windows em casa no computador/tablet/smartphone/mediacenter nem daria pela sua falta e só o usaria no trabalho, logo não me surpreende nada que as novas gerações estejam longe de o considerar indispensável e provavelmente quem ainda o considera são PC gamers neste momento.

    Por isso é que a Microsoft precisava de estar no mobile com outra pujança mas como se costuma dizer quem manda, manda sempre bem. :D
     
    Última edição: 4 de Abril de 2018
  5. Rexobias

    Rexobias Power Member

    Por muito sentido que possam fazer os argumentos apresentados nos artigos, a verdade é que não acredito (nem concordo) que o Windows na vertente Mobile morreu de forma natural. A sensação com que fico e sempre ficarei é que o Nadella, ou outros, forçaram a morte do mesmo. Os sinais são óbvios: a demora e estado do lançamento do W10M demonstram que este sempre foi um alvo a abater internamente. A ausência de tudo aquilo que cria uma camada de confiança necessária para o sucesso ditou a aceitação das massas restando no fim apenas e só aqueles que gostam verdadeiramente do sistema e não se vêm a usar os concorrentes.

    Mesmo que a mudança fosse necessária (e nisto até posso dar o braço a torcer), o Nadella geriu muito mal todo este Dossier porque pelo meio feriu mortalmente uma comunidade que sempre foi vital para o sucesso do Windows como um todo: os Developers. A comunidade está a desaparecer (a //Build não encher e ser alvo de um completo desinteresse por parte de alguns dos Devs mais famosos de Windows é um forte sinal disso mesmo), e não vejo nas novas gerações de Developers e semelhantes futuros contribuintes para o Windows.

    Está mais que visto que para Developers, o futuro só existirá na Web, Android, iOS, e Servidores (único local onde existirá tecnologia Microsoft). Quem gostar e se conseguir adaptar a esta realidade estará bem, os restantes (onde me incluo) morrerão naturalmente (Darwin). Próximos meses terei que abandonar a única coisa que conheci até hoje, pois prefiro deixar de programar que ter que "regredir" para linguagens, arquitecturas e ambientes de desenvolvimento inferiores (na minha opinião).

    O salário é vital, mas trabalhar com alegria não tem preço.

    @anthonws qual a tua opinião sobre tudo isto?! (uma vez que trabalhas na Microsoft).
     
  6. bseixas

    bseixas Power Member

    @Rexobias

    Concordo que esta Microsoft fez quase tudo para que o W10m não vingasse, agora se foi propositado, pura incompetência ou outra coisa qualquer não faço ideia, o "natural" penso que diz respeito à sucessão de eventos/más opções tomadas que naturalmente levou a que a plataforma não tivesse sucesso.

    Infelizmente, trabalhar em algo que realmente se gosta e ainda ser pago por isso é realidade a que só uma minoria se pode dar a esse luxo.
     
  7. Ace-_Ventura

    Ace-_Ventura Power Member

    @Rexobias podes continuar usando xamarim, ou então mudas o teu foco para web.
     
  8. Rexobias

    Rexobias Power Member

    Eu conheço bem as alternativas ... já trabalhei com todas elas (iOS, Android, Web e outras coisas mais Underground) e sei bem do que falo. Sair do C#/XAML para qualquer uma delas é regredir, e sei bem que nunca gostarei das mesmas como gosto de um UWP/WPF.

    Ri-me com o Xamarin. Ainda ontem estive a dar uma formação sobre isso e digo o mesmo que digo a toda a gente ... Xamarin está condenado, nem que seja pelo facto de simpatizar com o mesmo (tudo o que gosto vira m€[email protected]). A utilidade do Xamarin estará sempre ligada à quantidade de plataformas a suportar. Quanto menor o número de plataformas, menor a justificação de recorrer ao Xamarin. Com duas plataformas a suportar e com a típica desconfiança (natural) relativa às soluções Cross-Platform 99% das empresas vão preferir o desenvolvimento nativo.

    O Xamarin.Forms até poderia ser interessante, mas as suas limitações e o trabalho necessário para dominar a UI como queremos nas diferentes plataformas reduzem ainda mais as suas possibilidades.

    Além de tudo isto ainda tens um mercado superior de Web Developers e a Trend das PWAs. Xamarin está como o UWP, o que é uma pena em ambos os casos pois tecnologicamente são grandes marcos.
     
  9. _unknown_

    _unknown_ Power Member

    Eu acho que o Windows não vai a lado nenhum, acho é que a Microsoft quer acabar com o Win32 e fazer com que todo o software no Windows seja disponibilizado apenas como UWP.
     
  10. HighlanderIII

    HighlanderIII Power Member

    Produtividade = PC com Windows

    O sucesso financeiro que a MS está a ter é efémero.
    Não cativando o consumidor, a MS nao terá sucesso a médio prazo na área empresarial, está tudo ligado nem que seja no momento de fazer escolhas para a empresa.
    A empresa não é uma entidade abstrata, são pessoas. As pessoas baseiam as suas escolhas no seu "modus vivendi".
    Das duas uma ou o linux começa a invadir as empresas nos PC's ou a MS muda de CEO e acorda para a vida.

    Veremos.

    Ou entao a Microsoft quererá tornar-se uma IBM e a gente nao sabe.
     
    Última edição: 4 de Abril de 2018
  11. henriquem

    henriquem Power Member

    bem, não querendo fazer offtopic no tópico, @cribeiro (despertaste a curiosidade), que aplicações são essas no écran, meteo e estatísticas em baixo?

    :D
     
    Última edição: 4 de Abril de 2018
  12. yamahia

    yamahia Suspenso

  13. anthonws

    anthonws Power Member

    O futuro claramente não é SO's (não como os conhecemos), nem Web (i.e. Browsers), nem Mobile (dead concept and only novelty, no innovation)...

    Cloud é claramente o futuro! Data + AI é o futuro! Mixed Reality é o futuro!

    Mas onde é que acham que todas estas experiências vão ser baseadas? Naturalmente que terão uma unidade de processamento, um sistema operativo (mais uma vez, não como os conhecemos hoje), uma interface, etc.

    A reorganização do OPG e WDG é na prática a externalização - a dita mensagem - de uma revitalização e readaptação que começou há muito tempo.

    Pessoalmente, acho que o futuro é brilhante :)

    "Change is inevitable. Opportunity lies in embracing change."
     
  14. bseixas

    bseixas Power Member

    É mesmo o que ainda vai safando o Windows actualmente, os lobbies no estado e Windows com software dedicado para este anos e anos no aparelho estatal, caso contrário o declinio da coisa seria ainda mais acentuado.


    @anthonws

    O futuro não sei mas actualmente vejo pela assinatura que andas a alargar horizontes e pessoalmente acho que fazes muito bem, que isto ter só uma perspectiva da realidade não está com nada. :D
     
  15. anthonws

    anthonws Power Member

    Eu não nasci "Microsoft" e não sou a "Microsoft". Sou um ser humano. Fui trainer de Solaris (RISC ainda!)... Administrei e trabalhei muito com Linux, HP-UX, e até AIX... Fui provavelmente das primeiras pessoas em Portugal a ter um Android (HTC G1 importado de UK). Abri imensos bugs/feature requests no Google Issues (when that was a thing). Ainda tenho um Mac Cube G4 (comprei novo na altura), que hoje corre Linux...

    Em suma, sou um amante de tecnologia. Qualquer tipo de tecnologia. Não sou fascista no que toca a tecnologia. Adoro inovação e concorrência (honesta).

    Trabalho para viver... não vivo para o trabalho. Conceitos completamente diferentes.

    Se professionalmente sou feliz? Sem dúvida! Se vejo o "Windows" a morrer? De forma alguma :)

    Food for thought: https://channel9.msdn.com/Events/Build/2017/KEY01#time=14m02s

    p.s.
    Entretanto, estamos todos ocupados a celebrar uma excelente milestone! ;) http://reports.adduplex.com/reports/2018-03/
     
  16. bseixas

    bseixas Power Member

    @anthonws

    Nem eu disse o contrário que sempre considerei regra geral teres opiniões bastante equilibradas e isentas aqui (ainda para mais trabalhando na Microsoft), simplesmente limitei-me a comentar alterações à tua assinatura que eu pelo menos ainda não tinha visto, só isso. ;)
     
  17. Rexobias

    Rexobias Power Member

    @anthonws o que o futuro será nenhum de nós sabe ao certo. No entanto, perante o que se sabe "hoje" dá para perspectivar o que será o "amanhã", e olhando para este último não vejo a AI nem a Mixed Reality como essencial no "amanhã" ... no "depois de amanhã" acredito, mas não "amanhã".

    Mas mesmo focando-nos nestes, e olhando para o que temos "hoje" vejo a Microsoft atrasada perante toda a concorrência. O Windows Mixed Reality atingiu 5% de MarketShare e já começa a retrair-se tendo passado completamente ao lado do comum mortal. Não há Marketing, não há Displays em lojas, e nem sequer há qualquer associação a aplicabilidades práticas verdadeiramente úteis capazes de atrair público, o que por sua vez atrairia os Developers. Podiam ter acompanhado o lançamento da Xbox One X com o suporte a estes HeadSets, mas nem isso foram capazes de fazer.

    Por exemplo, independentemente do público-alvo ser diferente, o PSVR é um sucesso brutal quando comparado com qualquer WMR. Talvez nos USA, e em algumas empresas o WMR esteja a ser um sucesso, não sei, mas a realidade nua e crua é que não desperta o interesse dos produtores de conteúdos, e como tal está destinado à morte (seja pela ausência de suporte, seja pela mentalidade da Microsoft de "Not The Leader -> Product Killed").

    Falando da AI, é outro tema curioso. Os vossos Cognitive Services existem já há algum tempo, no entanto só durante o Creators Update é que começámos a ver timidamente algumas das suas funcionalidades a surgir na App Fotografias (funcionalidades essas que existem na concorrência há anos). Ontem abri a App Câmara num Samsung Galaxy S9 e tinha logo uma opção de análise com AI ao que capturava (algo que em tempos existia - de acordo com as potencialidades tecnológicas da altura - no WP8). No W10 (no de Desktop que é o único activo verdadeiramente) não vejo nada semelhante.

    A maior representante de AI da Microsoft, a Cortana tornou-se completamente irrelevante. Pode até ser muito evoluída nos USA, mas de nada isso interessa se a concorrência já tem um produto concorrente mais evoluído e a falar em dezenas de idiomas. Os Bots no Skype tiveram alguma adesão?! Os que lá vejo são exactamente os mesmos que estavam presentes no lançamento. O HoloLens está em hiatus à espera que a concorrência apresente algo semelhante/superior?! Para quem acha que o futuro é a AI acaba por ser estranho tal lentidão e inacção.

    Falando numa perspectiva de Developer e material distribuído para os mesmos, o Bot Framework teve alguma adesão?! O WinML, assente numa plataforma que vocês mataram (UWP) está a ter algum sucesso?! Ainda esta semana li um Tweet de um tipo que trabalha na Microsoft onde ele dizia algo como "Se não estás a trabalhar em AI e em WinML estás a cometer um erro" e ri-me com as respostas, respostas essas que demonstram que o pessoal na Microsoft deve viver numa realidade alternativa. Vocês mataram a vossa comunidade de Devs!

    Enquanto isso, na concorrência, o ARKit é um sucesso na comunidade de Developers do iOS resultando em produtos úteis para o consumidor, o AR da Google começa a ganhar tracção acompanhando a Apple. Os Assistentes Digitais estão como sabemos na Google e Amazon (onde até ver, só está presente em SOs que não da Microsoft), enquanto que a Apple vai buscar referências da área para tentar recuperar terreno (e mesmo estando atrasada, sempre têm Consumidores/Developers do seu lado - por muito pequeno que seja o MarketShare do iOS).

    O que eu quero dizer, de forma resumida, é que na perspectiva de quem dita o sucesso/insucesso das tecnologias (os Consumidores, o Casual Joe) a concorrência está à frente em todas as vertentes que dizes a Microsoft achar ser o futuro.

    Certamente não sei mais que o Nadella (sou certamente o gajo mais burro presente neste fórum com uma tremenda tendência em gostar de m€[email protected]), mas custa-me acreditar que se achava que se podia saltar de A para C abandonando B sem sofrer consequências que se estenderiam até C. Ao abandonar B (não falo só do Mobile, falo de tudo a nível geral e do que significa para as UWPs e outras tecnologias) feriram mortalmente quem produzia e quem consumia entregando toda essa massa de bandeja aos concorrentes (pessoal que nunca irá retornar). O Azure pode ser muito bonito, mas "Out of Sight, Out of Mind".

    O futuro pode ser tudo aquilo que referes, mas sem uma ponte/estrada que ligue o presente ao futuro não haverá maneira de lá chegar!
     
    Última edição: 5 de Abril de 2018
  18. cribeiro

    cribeiro Power Member

    Não te preocupes @Rexobias que isto ainda não terminou. A avaliar pelas patentes que a MS vai registando, ainda existe esperança num telemóvel mais ou menos parecido com o que temos neste momento no mercado.

    Andava por aí perdido em busca de novidades e tropecei num potencial Surface faz-me cócegas(TM):D. Nada mais que um telemóvel com touch traseiro, para lhe fazermos cócegas e que serviria para os gestos. Com um telemóvel destes a MS lançava algo inovador!?, nada de telemóveis com dobradiças, que já deve ter chegado à conclusão que seria mais um fail, reentrava no mobile e salvaria a face.

    Vale o que vale o artigo abaixo, mas concordo inteiramente contigo, ou seja sem passar pelo B dificilmente eu e outros chegarão ao C. No dia em que abandonar o B, não me apanham mais no C.:D

    https://www.windowslatest.com/2018/...xt-windows-10-phone-might-feature-back-touch/

    Tantas patentes e tanto desperdício.

    Faltaram as imagem para posteridade

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]
     
    Última edição: 5 de Abril de 2018
  19. AudigyMaster

    AudigyMaster Power Member

    Ora precisamente. E basta observar as últimas estatísticas para o confirmar:

    [​IMG]

    É impressionante a progressão para um ambiente fortemente nativo, tendo em consideração que a grande maioria dentro desses 10% representam web wrappers Cordova e aplicações 3D com o motor Unity. Do restante, o Xamarin não consegue melhor que uns pouco relevantes 5%:

    [​IMG]
     
  20. lightMC

    lightMC Power Member

    Quase todos os jogos mobile são feitos em unity. Se o unity está incluído em non-native, como raio a percentagem é tão baixa? I call bullshit. Isso são percentagens de apps que usam esse tracker. Não parece que representem a realidade completa, de longe.
     

Partilhar esta Página