1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

Trocar de sistemas MFT e DSLR por... Fuji?

Discussão em 'Recomendações de Equipamento' iniciada por Meje, 29 de Outubro de 2019. (Respostas: 124; Visualizações: 4086)

  1. MylleZ

    MylleZ Power Member

    Eu uso muito o EVF na Nikon Z 6 e na GX9 praticamente só uso o ecrã :p
    Mas também tem a ver com o facto da Z 6 ter um EVF excelente e a GX9 ter um EVF mais para o fraco...
     
  2. Meje

    Meje Suspenso

    Estive (estou) uns dias com um amigo que tem uma Fuji X-T10 com uma 18-55 2.8-4 e apesar de não ter andado a fotografar com a máquina dele, estive com ela na mão e testei um pouco o interface.

    Uma coisa que reparei é que a máquina é bastante pesada (talvez tivesse a ver com a lente) e que sentia dificuldades em usar a máquina só com uma mão. A minha E-M10 anda apenas com primes, mas o handling da minha pareceu-me muito melhor, significativamente mais leve e muito mais fácil de segurar e operar com uma só mão. Achei que a X-T10 precisa de um Grip maior, algo que pode ter sido melhorado entretanto. Gostei bastante da quantidade e personalização de controlos da Fuji e da robustez da máquina, claramente superior à Olympus (não sei se não será superior à E-M5 III também, pelo menos o feeling).

    No geral, ajudou a confirmar a opção que tomei de me manter no MFT. Andamos em locais com chuva a fotografar no exterior e eu andava sempre à rasca a tapar a máquina com a outra mão e ele andou sempre à vontade com a máquina à chuva. Claramente uma E-M5 III + 12-40 2.8 serão um combo excelente para estas situações.

    Nas fotos que andei a tirar em alguns passeios, usei a máquina com um pouco mais de espírito critico do que o habitual e de facto a máquina satisfaz-me plenamente para fotografar objectos parados, o problema é mesmo o AF em movimento.

    Entretanto já tenho o Flash (Godox TT350o), mas ainda não o testei quase nada. Consegui um usado mais mais de 1 ano de garantia e parece-me novo, não deve ter sido quase nada usado. O tamanho parece-me apropriado para a máquina, mas com flash já tenho de agarrar com as duas mãos na altura de fotografar, porque desiquilibra um pouco a máquina. A qualidade de construção parece-me muito boa, bem melhor do que o Yongnuo que tinha para a Nikon.

    O material Nikon já foi praticamente todo (2 Peak Design, Tubos de macro, Tamron 70-300 CV, D5200, Flash, Sigma 17-50, Nikon 35mm, baterias, etc...). Optei por não vender a Raynox porque julgo que dará para usar com a 12-40 que pretendo adquirir ou até numa eventual Olympus 60mm. A única coisa que ainda não meti à venda/vendi é a bolsa da Lowpro. Quis vender rápido, por isso fiz leilões e retiranto os envios e as taxas do ebay, fiz apenas cerca de 725 €. O valor de venda que mais me surpreendeu pela negativa foi a D5200 com apenas 22.000 disparos+flash+bateria extra+35mm tudo com caixas e em perfeito estado por apenas 268 € (260€ descontando as taxas do ebay).

    Vou continuar a ver leilões da 12-40 2.8 sem pressas e ver se apanho um bom negócio. Há sempre várias à venda que em aparente muito bom estado são vendidas entre os 450 e os 550 €, sendo que em GM se arranja por 520 €.
     
    Última edição: 29 de Novembro de 2019
  3. Natto

    Natto Power Member

    O teu amigo andava com a X-T10 a chuva?
     
  4. Meje

    Meje Suspenso

    Completamente molhada, nem tapava com o casaco.
     
  5. miguelbarroso

    miguelbarroso Power Member

    Bem, aproveito para deixar aqui o meu caminho que fiz há dois ou três anos atrás, com alguns pontos em comum. Fui durante mais de 20 anos, utilizador da Nikon. O meu setup era mais ou menos este:

    Nikon D7000 + grip
    Nikon 18-105
    Sigma 12-24
    Sigma 70-200(2.8
    SB-800
    Nikon 50 1.4
    Nikon 35 2.0
    Nikon 85 1.8
    Teleconv. Sigma 1.4x

    Tinha (e tenho ainda) uma FM2, uma Sigma 24mm/2.8, uma Nikon AI-S 55/2.8 Micro e um flash SB-24

    Há muito que tinha deixado de fazer fotografia "planeada", o uso do material que passei a fazer é essencialmente para fotografia de família, desporto/dança/teatro, viagens e fotografia de rua no projecto Lisbon Cycle Chic.

    Entretanto para um interrail que fizemos com os nossos 2 filhos mais velhos, comprei uma Sony RX100, e aí ficou o caldo entornado. No final do verão, altura em que sempre tiro mais fotografias, fui à procura de fotos nas pastas e apercebi-me que a Nikon passou vários meses quase sem sair do saco. Alguma coisa tinha de mudar.

    Ficar só com a RX100 estava fora de questão, pois tinha sentido falta do "resto"... mas a verdade é que o peso e tamanho do material, era sempre um grande desincentivo ao seu uso. Comecei então a minha procura... ainda ponderei as Fuji, mas uns dias com uma XT20 deixaram-me muito desencantado. Olhei para a Sony A6500 e ainda pisquei o olho às full frame, mas não consegui justificar o investimento, e acabava por andar mais uma vez com vidro pesado! O universo MFT parecia cada vez mais a opção a seguir. E assim fiz:

    Aproveitei umas promoções, e bastantes negócios nos classificados, e sem gastar quase dinheiro, troquei o que tinha por:

    Panasonic G80 + Grip
    Leica 8-18/2.8-4.0
    Panasonic 35-100/2,8 II
    Panasonic 100-300 II
    Panasonic 20/1,7
    Olympus 45mm /1.8

    Optei por manter o material que referi antes, por questões sentimentais (FM2), de valor irrisório (Sigma 24) e a 55 micro e o flash consigo usar com a G80.

    Cheguei a ter a 12-60, mas vendi-a pois a RX100 cobria esse range. Na altura aproveitei uma oportunidade e troquei a RX100 MkI pela MkIII.

    Este setup manteve-se e tem sido muito versátil. Raramente ando com tudo, e de acordo com a situação, levo o que preciso num pequeno saco Lowepro Streetline, ou mesmo numa bolsa só para a máquina com lente (onde cabe sempre mais uma das primes se for preciso).

    A RX100 MkIII entretanto foi à vida, pois cada vez a usava menos... A G80 + lente é compacta QB para a levar sempre que tinha vontade de levar uma máquina. Quando não tinha, o telemóvel fazia as vezes embora com resultados medíocres (Huawei P10 Lite). Com o dinheiro da venda da RX100, comprei um Xiaomi Mi9 - um salto enorme em relação ao P10 Lite, mas ainda assim aquém duma RX100. Mas o que perde em qualidade, ganha em conveniência: a melhor máquina do mundo é aquela que temos conosco quando precisamos de tirar uma fotografia. Por muito boa que a RX100 fosse, ficando em casa não servia de nada.

    Mas neste momento estou a considerar arranjar um zoom rápido 12-35, 12-40 ou 12-60 para quando preciso de qualidade e versatilidade. E eventualmente arranjar um segundo corpo mais compacto (GX80 por exemplo), se aparecer uma boa oportunidade nos classificados. A ideia é poder ter 2 corpos para usar com duas lentes diferentes numa ou outra situação (principalmente quando fotografo o meu filho no rugby), e já agora, aproveito e fico com um corpo mais compacto para colmatar a falta que a RX100 faz :-P (isto é tramado, não é?) - com a 20/1.7 é pouco maior :P

    Isto para dizer que para mim, MFT é o sweetspot entre qualidade e portabilidade.
     
    Última edição: 19 de Dezembro de 2019
  6. Meje

    Meje Suspenso

    Obrigado pelo testemunho. De facto há muitas semelhanças entre o teu caso e o meu. Eu queria reduzir bastante o volume quando tinha a D5200, por isso nunca olhei para máquinas MFT mais gordinhas como a G80 e a verdade é que até hoje não senti falta do grip. Se trocares a G80 por uma GX9, ficas com um corpo bem compacto e possivelmente sem perder muito dinheiro (arranja-se vários negócios com a GX9 nos usados, muitas semi-novas, não sei muito bem porquê).

    Também eu fiz um upgrade ao telemóvel recentemente e apesar de estar longe de ser um telemóvel com uma boa camera, já me permite tirar fotos aceitáveis para partilhar com família e amigos, o que reduziu um pouco as situações em que gostaria de levar a máquina comigo.

    Já pensei se quando comprar a 12-40 2.8 mantenho a 17 1.8, mas depois de ter andado a passear e a E-M10 quer com a 45mm, quer com a 17mm caber confortavelmente no bolso do casaco, fico com vontade de manter a possibilidade de ter um kit mais compacto para usar no bolso, algo que a 12-40 não permitirá.

    O meu amigo com a X-T10 que não conhece muitos modelos de máquinas, fez-me algumas perguntas sobre a E-M10, porque achou que era "realmente pequena". Obviamente que as primes contribuíram muito para essa ideia.
     
  7. MylleZ

    MylleZ Power Member

    As primes MFT chegam a ser fofas até, de tão pequenas que são :)
    Especialmente a 20mm 1.7 pancake e a 42.5mm 1.7 ou a oly 45mm 1.8 (como é possível uma 45mm - 90mm em equivalência, ser tão leve e compacta)...

    Mesmo as "super lentes" (12-40 2.8, 35-100 2.8, 60mm 2.8 macro, a excelente 75mm 1.8, que foi a melhor lente que já tive em TODOS os sistemas que já usei...).

    Não há mesmo dúvida que MFT é o melhor compromisso entre tamanho/peso e qualidade.
     
  8. TheVillain

    TheVillain Power Member

    As Fuji X-T110/20 são mais leves/pequenas que as E-M5/10. Nas lentes é que já foste :D
     
  9. Meje

    Meje Suspenso

    Só uma actualização em relação ao material que vendi no Ebay. Afinal cobraram-me mais taxas e cobram taxas sobre venda e sobre portes e depois ainda lhe adicionam o IVA às taxas. No final, feitas as contas todas cobraram-me em média cerca de 12% em taxas do Ebay+Paypal. As primeiras taxas que tinham sido cobradas apenas no momento da compra eram taxas só do Paypal (cerca de 3%).

    É um mercado do Ebay tem acesso a muitos compradores, mas é preciso empolar os preços para não vender ao desbarato.
     
  10. Natto

    Natto Power Member

    Eu tive uma GX80 e uma oly 45mm f1.8 e uma panny 25mm f1.7 pois queria experienciar o hype em torno deste sistema e até posso dizer que foi uma excelente experiência. Pequena, com eye e face-detection, excellent! Era por causa dessas features que eu queria a X-H1 ou a X-T3.
    Porém, para a qualidade de imagem que eu queria era uma lástima. Basicamente lugares com pouca luz onde ISOs de >1000 era necessário. Na rua com ISOs de 200/400/800 tudo bem, expondo um pouco a direita para recuperar sombras onde necessário.
     
  11. Meje

    Meje Suspenso

    A questão é que para elementos estáticos muitas vezes não precisas de subir tanto o ISO porque o estabilizador do corpo permite velocidades de obturador mais baixas que qualquer outro sistema do mercado. Mas sim, esse é o principal calcanhar de Aquiles do MFT. Se fores para compactas avançadas com sensores de 1'' o problema ainda é maior, mas em 95% ou mais dos casos, para mim, isso não é relevante.

    Para impressão em 10x15 (o que uso mais), o nível de grão aceitável é alto, bem maior do que quando se vê num ecrã com mais de 20''.

    Tenho estado a usar a E-M10 com flash dentro de casa e os resultados são bons e isso cobre grande parte da minha necessidade em baixa luz.

    Outra coisa que as pessoas fazem hj em dia e que é alimentado pelo marketing, é fazer benchmarks de desempenho e esquecem-se que há 10 anos se calhar havia FF muito piores que APS-C de hoje e o mesmo em relação a APS-C e MFT e toda a gente tirava as mesmas fotografias que hoje. É mais importante o fotógrafo e a edição.
     
    Última edição: 20 de Dezembro de 2019
  12. miguelbarroso

    miguelbarroso Power Member

    Pois, a paranónia com imagens "perfeitas", faz esquecer o que é mais importante. E pessoalmente, nem todo o ruído na imagem é igual: Foi algo que sempre gostei na Nikon durante muitos anos face à Canon... As Nikon que tive (D70, D80 e D7000) tinham um grão mais natural do que as Canon equivalentes (no entanto as Canon "mediam" menos ruído :Whatever:). Hoje em dia, quase todas as marcas já têm este ruído muito mais natural, e em muitos casos não me faz confusão. É o preço a pagar pelo sistema mais compacto... mais dia menos dia, a performance dos sensores dará um salto que mesmo com um sensor MFT, ISOs de 25000 terão resultados fantásticos - a minha D7000 (2010) com sensor maior, tinha uma performance ISO semelhante à G80 (2016) que tenho agora - mais 2 anos e estamos lá ;)
     
  13. MylleZ

    MylleZ Power Member

    A GX9, que tenho actualmente, é superior à G80 (que também já tive).
    Diria que algo como a GX9, PEN-F, as novas E-M5 MK III e a E-M1 MK II, serão tão capazes quanto uma boa APS-C (Nikon D7200, D7500).

    Mesmo em ISOs elevados, eu não encontro grandes diferenças, em relação às APS-C que já tive (a D7200, por exemplo).

    Agora, se for comparar com a minha Z 6, já muda por completo.
    Mas, como sempre digo, a diferença entre uma boa MFT e uma boa APS-C é bem menor do que a diferença de uma boa APS-C para uma FF.

    Cumps
     
  14. jjmaia

    jjmaia What is folding?

    Eu passei de uma d7200 + e-m10 mkii para uma x-t3 e não podia estar mais satisfeito. Da nikon não sino falta de nada, da olympus só mesmo da estabilização.
     
  15. Natto

    Natto Power Member

    Na altura a qualidade de imagem era aquela que era e não existia mais nada. P. O. N. T. O.
    Dizer algo assim é a mesma coisa que dizer que é igual ter um telemóvel com a primeira camera fotográfica que saiu a uns 15 anos atrás ou ter um telemóvel com as actuais cameras fotográficas.

    Por isso o teu comentário é uma baboseira.
     
  16. Natto

    Natto Power Member

    A Panasonic que experimentei foi o a GX80/85. Quando tiver oportunidade de experimentar a GX9 irei fazê-lo. Só por curiosidade.

    Ah, esqueci-me de referir que a GX80/85 tem um flash tão catita, faz tilt e podemos apontar para o tecto para fazer bounce e se conseguirmos arranjar um difusor DIY consegue se resultados bons.
     
    Última edição: 21 de Dezembro de 2019
  17. Meje

    Meje Suspenso

    Um eixo é Linear, tem uma única direcção:facepalm:
     
  18. Meje

    Meje Suspenso

    Não, não é... Here we go again...
     
  19. Natto

    Natto Power Member

    Já que estás a ser pedantic, re-edited e corrigi a mensagem.
     
  20. Natto

    Natto Power Member

    Sim, sim é. Estou pronto para ir ago again.