1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.
  2. Informação: Pela 0:30 desta Sexta-feira (9 de Dezembro, 23:30 de Quinta-feira nos Açores) o Fórum e restantes sites da ZWAME vão estar offline para manutenção durante cerca de 1h30.
    Se necessário faremos actualizações via Twitter e Facebook.
    Remover anúncio

Utilizadores franceses de P2P arriscam-se a ficar sem acesso à Internet

Discussão em 'Dúvidas e Suporte—Internet, Redes, Segurança' iniciada por kikofra, 25 de Novembro de 2007. (Respostas: 9; Visualizações: 1091)

  1. kikofra

    kikofra Power Member

    É de admirar quando uma comissão presidida pelo patrão de uma grande cadeia de lojas de discos é encarregada de elaborar uma proposta de revisão da lei dos direitos de autor e em vez de propor reformas que tenham em conta o novo contexto digital ainda aumenta a perseguição aos utilizadores de redes de partilha de ficheiros? Pois é precisamente isso que aconteceu hoje em França onde o presidente Sarkozy acaba de aprovar as recomendações que constam de um relatório de 43 páginas redigido por uma missão “independente” chefiada por Denis Olivennes, o patrão da FNAC, que prevê o corte da ligação à Internet dos utilizadores que descarregarem ilegalmente músicas e filmes. Quem for apanhado três vezes verá o seu acesso desligado pelo seu ISP.
    O relatório sugere ainda a criação de uma entidade pública de combate à pirataria que, ao receber uma queixa dos detentores de direitos, se encarregará de enviar por intermédio do operador de Internet mensagens de aviso ao internauta suspeito. Depois dos avisos, seguir-se-á a suspensão temporária da sua ligação. Se isto não resultar, o último passo será cortar o seu acesso.
    É claro que este esquema de “resposta gradual” exige que os ISPs implementem tecnologias de filtragem de conteúdos. Inicialmente, serão apenas experiências mas em todo o caso eles têm que apresentar resultados parciais no prazo de 24 meses. O único brinde a que os consumidores terão direito é que as editoras discográficas se comprometem a remover todas as restrições tecnológicas, vulgo DRM, até aqui integradas nos downloads de músicas. Mas isto apenas se aplica aos temas de artistas e bandas francesas.
    Do mesmo modo, a indústria cinematográfica concordou em disponibilizar os filmes em video on demand (VOD) a partir da mesma data que os DVD, isto é, seis meses após a sua estreia nas salas de cinema e não sete meses e meio como é actualmente.
    O relatório foi também acompanhado por um acordo de compromisso entre todos os sectores envolvidos no sentido de garantir que os poderes públicos apresentem projectos de lei ao parlamento e medidas regulamentares que implementem as recomendações. O acordo foi assinado por 40 organizações (representantes editoras discográficas, artistas e produtores; produtoras de cinema, operadores de Internet, televisões).
    É no entanto de admirar que nenhuma associação de consumidores ou dos internautas tenha podido participar e dar a sua opinião no assunto. Na verdade, algumas não demoraram muito a exprimir o seu desacordo em relação às medidas, por estas serem excessivamente repressivas. Também surpreendente é a ausência do site francês de partilha de vídeos DailyMotion e do Google, como refere o Ratiatum. Quem aproveitou para saudar já o acordo no combate à pirataria foi a IFPI, a organização representante da indústria discográfica em todo o mundo excepto EUA.
    Seja como for, ainda nada está perdido para os utilizadores franceses de redes de partilha de ficheiros. Em primeiro lugar, porque o plano exige a aprovação pelo parlamento de alterações à legislação dos direitos de autor, protecção de dados, de defesa dos consumidores e das telecomunicações. Em segundo lugar, as propostas parecem centrar-se nos grandes utilizadores, aqueles que descarregam maiores quantidades de conteúdos ilegais, Por outro lado, a oferta de downloads legais ilimitados de música por parte dos operadores de Internet é já bastante aliciante. Agora, bastava que os ISPs adoptassem um formato sem DRM como o MP3…
     
  2. Romani48

    Romani48 Power Member

    FONTE
     
  3. anibalpf

    anibalpf Power Member

    Se isso for para a frente e os isp começarem a ficar sem clientes, ou no mínimo a verem os clientes a reduzirem as velocidades (quem precisa de 24M para ver sites?) vamos ver a eficácia desta medida, aposto que os isp vão simplesmente ignorar.
     
  4. Khrono

    Khrono Power Member

    Engraçado que na parte do pdf com os elementos que assinaram este acordo (assumindo a veracidade da fonte/pagina), não está lá escrito o nome de nenhum artista francês, só associações, sindicatos, televisões e afins, ou seja, os bosses lá do sítio.

    Em relação à noticia em si, e tendo em conta que a ASSOFT quer colocar essa lei cá em Portugal, começa a mostrar que cada vez temos menos liberdade e privacidade, e sem que exista uma reflexão das leis actuais e das condições de vida que temos, essa transposição do acordo francês para Portugal nem deverá ir para a frente.
    Basta ver por exemplo os EUA onde vários artistas já revelaram que com a pirataria (no sentido particular, nada de vendas de conteúdos protegidos) é bom para eles e ajuda a que tenham um lucro maior nos concertos, e já se começa a ver artistas a deixarem as editoras e a publicitarem sozinhos os albums a preços aceitaveis.

    Mas a ser verdade a última parte da nóticia, no que diz respeito às ofertas de downloads legais de música por parte dos ISP's, poderá significar que as coisas estão a mudar e que qualquer dia teremos ISP's a realizarem acordos com as discográficas e afins para partilhar conteúdos com os utilizadores através de pacotes mensais ( está claro sem os DRM's e em formato MP3).

    Cumprimentos,

    Khrono
     
  5. casdio

    casdio Power Member

    Eu nao saco musicas ilegais, apenas gravo o som dos videos do youtube em .mp3... tambem e crime?
     
  6. YoZ

    YoZ Power Member

    É.. é o mesmo que tirares uma fotocopia dum livro..

    (Crime é roubar (piratear) e ganhar dinheiro com isso. Se for para ti, caso tenhas problemas tens é k arranjar maneira de provar k isso é uma cópia de seguranca de algo k tens..
    Se tiveres uma copia dos LP, tens k provar k tens o original, assim n tens problemas..

    Cumpz
     
  7. casdio

    casdio Power Member

    E se gravar com o telemovel?
     
  8. Highlander

    Highlander Power Member

    Deve dar direito a espancamento gratuito por uma entidade "oficial", seguida de pena de morte com cadeira eléctrica ou um fuzilamento sumário à escolha do freguês!

    Mais vale dedicares-te aos assassínios ou a assaltos à mão armada porque a esses ninguém os chateia...
     
  9. YoZ

    YoZ Power Member

    LOL!! tas mm afim de gravar cenas! Pah..Forca!! Toda gente tem musicas que n pagou, mas sabemos k podemos pagar por isso ;)

    Cumpz
     
  10. roque66

    roque66 Power Member

    :lol: ganda resposta...:berlusca:
     

Partilhar esta Página