1. Este site usa cookies. Ao continuar a usar este site está a concordar com o nosso uso de cookies. Saber Mais.

VDSL mediaDSLAM em Portugal

Discussão em 'ISPs' iniciada por spykerez, 4 de Janeiro de 2013. (Respostas: 49; Visualizações: 4816)

  1. spykerez

    spykerez Power Member

    Agora que o mercado está todo virado para a fibra óptica, sinto que a 'velha' ADSL ficou esquecida. Ora eu sou daqueles que vive numa zona em que não há muita concorrência e só tenho ADSL como opção válida, fibra nem cheira-la e temo que seja assim durante muitos anos Estive a pesquisar o quanto ainda pode dar uma simples linha telefónica e encontrei umas coisas interessantes.

    Primeiro que tudo verifiquei que no meu moden ADSL aparece que estou a usar a modulação ADSL2+ 'G.992.5 Annex A' que permite downloads até 24Mb e uploads até 1Mb contudo existe um standart ADSL chamado 'G.992.5 Annex M' que permite uploads até 3.3Mb o que parecendo que não faz uma grande diferença! Pergunto o que seria necessário para a PT ou outro ISP implementar esse standard, seria assim preciso fazer muitas alterações a nível de hardware e afins ou era mais uma questão de alteração de software?

    Depois encontrei umas coisas chamadas UDSL, VDSL e VDSL 2 que permite velocidades de download e upload superiores a 200Mb! Pergunto porque é que não investem nesta tecnologia em Portugal em vez de andaram todos virados para a fibra que definitivamente é melhor mas que está longe de estar disponível para toda a gente ao contrario da DSL.

    Ao que parece a PT à uns anos atrás anunciou uma nova tecnologia desenvolvida pela PT Inovação chamada mediaDSLAM que prometia velocidades até 100Mb através de uma linha telefónica e a distancias de 5KM da central. Pergunto o que é feito disso? Chegou a ser alguma vez implementado?
     
  2. jorge.antunes

    jorge.antunes Power Member

    No estrangeiro está atualmente em voga o Vectoring DSL (75 a 100Mbps) mas a PT não deve ter interesse nenhum em promover a norma para não concorrer com a fibra. xDSL está morto e enterrado por cá, não deve evoluir.
     
  3. Wildstar

    Wildstar Power Member

    Não confundas marketing com o mundo real.

    Primeiro, o Annex M permite 3,3 Mbps de upstream baixando o downstream. Para ter 24 Mbps de downstream o upstream tem de 1 Mbps na mesma.
    Depois, os outros standards têm débitos superiores à custa de aumentar a frequência máxima. Mas estas altas frequências têm forte atenuação com a distância: para as distancias da maior parte dos clientes não servem para nada. Por exemplo, segundo a wikipédia o VDSL só vai até 300 metros. Portanto se estiveres a mais de 300 m de distância da central não ganharias praticamente nada com VDSL.
     
  4. spykerez

    spykerez Power Member

    Mas como já disse a PT aperfeiçoou a VDSL que resultou na mediaDSLAM que dava altas velocidades até 5KM da central o que já deve compensar bastante.
     
  5. marcelo_ribeiro

    marcelo_ribeiro Power Member

    Essa solução quando foi falada (em 2006, antes do MEO) era o que se supunha que vinha substituir o ADSL: E toda a plataforma IPTV iria ser suportada por esses equipamentos. No entanto o mercado mudou. E o VDSL ficou no papel, e o que existe hoje é GPON, que requer menos equipamentos do que o xDSL, logo mais económica.

    Para mim, investir dinheiro em soluções que não passem por FTTH, é dinheiro deitado fora. Velocidades máximas de 100 Mbps, hoje em dia, e apesar de parecer uma afronta, já está "ultrapassado". E comparativamente à capacidade do GPON, não há dúvida nenhuma de que o VDSL não traz vantagem rigorosamente nenhuma. Mais vale passar mais meia dúzia de km's de cabo do que estar a investir num equipamento que de barato não tem nada.

    A fibra não vai chegar a todos, como chega a rede de cobre. A diferença é que a rede de cobre tem de chegar, por causa do SFT. A rede de fibra não. O melhor que pode acontecer é a PT instalar uma central remota que sirva determinada localidade, com ADSL.

    Quanto ao anexo M, se quiseres tê-lo, tens de pagar. Regra geral esse tipo de serviços é apenas vendido a clientes empresariais e o router tem de suportar essa modulação (Por exemplo, Draytek V2820, Cisco 877-M). Regra geral é vendido a clientes que querem um acesso simétrico, por exemplo 2/2 Mbps.
     
  6. spykerez

    spykerez Power Member

    A ideia era meter mediaDSLAM nas zonas mais remotas onde nunca chegará a fibra... mas se dizes que sai mais caro do que estender a fibra até essas zonas isso já não sei. Teoricamente como usa a rede existente de cobre não devia ser mais caro...
     
  7. marcelo_ribeiro

    marcelo_ribeiro Power Member

    Para meter lá o VDSL tinham de comprar o equipamento. Para meter lá fibra teriam de passar cabo. Creio que sai mais barato passar cabo do que comprar equipamentos...
    E de qualquer das formas, não há interesse em investir nas zonas remotas... infelizmente é uma realidade... e o mais provável é nem fibra nem VDSL. É o que a linha aguentar...
     
  8. Wildstar

    Wildstar Power Member

    Alguém me explica então que magia esse mediaDSLAM faz para violar o limite de Shannon?
     
  9. dvb

    dvb Power Member

    Não te esqueças dos limites do GPON. 2.5 Gbit/s a dividir pelos 32 clientes máximos ficas com ~80 *****/s.
    Claro que é preciso muito azar (ou sorte), para ter tantos clientes pendurados num OLT (e a usar em simultaneo a ligação). Mas é preciso ter ideia que o GPON não faz milagres.

    É pena a PT não ter apostado no equivalente da linha telefonica (que é unico desde casa do cliente até à central) com a fibra.
    Vamos ver se no futuro não sairia mais barato. O update do GGPON, XG-PON, "obriga" a teres emissores de 10 Gbit/s no OLT, e pior, receptores de 10 Gbit/s no ONT. Para teres a ter um valor médio de 320 *****/s por cliente.

    Com fibras unicas, só precisaria de meter componentes a 1 Gbit/s e terias mais velocidade (potencial) disponível.
    Ai e tal.. gastava-se muito dinheiro em fibra, ou ocupava muito espaço... basta olhar para o espaço que ocupa o cobre.. ocuparia menos. Em termos de custo...tendo em conta a escala dos deployments.. e a pequena percentagem que a fibra (em si) costuma representar...

    [Modo de conspiração]
    Mas depois seria muito mais facil outros operadores usarem a fibra da PT. Seria identico ao "acesso directo" do ADSL. Enquanto com o GPON, o máximo que se conseguirá, será o equivalente ao "acesso indirecto" do ADSL.
     
  10. the_oreo

    the_oreo Power Member

    uma olt consegue carregar mais que 32 clientes (Muito mais), não esquecer que o tráfego é feito por "rajada" não estando nunca todos os utilizadores a usar o máximo do uplink que o NE possui, logo essas contas não estão certas.
     
  11. jorge.antunes

    jorge.antunes Power Member

    Não conheço o mediaDSLAM mas se for como as variantes que usam Vectoring (VDSL2, ADSL2++) consiste em aumentar a largura de banda (ADSL2++ passa de 2,2 para 3,75Mhz) ao mesmo tempo que se usam técnicas para reduzir as interferências entre linhas ("crosstalk").
     
  12. Wildstar

    Wildstar Power Member

    - Aumentar a largura de banda é o que eu mencionei ali em cima. Não dá para "altas velocidades até 5 Km";
    - Crosstalk ocorre entre linhas (de clientes) diferentes, não se aplica a esta discussão em que estamos a falar de valores máximos teóricos.
     
    Última edição: 5 de Janeiro de 2013
  13. The Coin Operator

    The Coin Operator Power Member

    O VDSL não aconteceu não por causa do FTTH. O VDSL não aconteceu por causa da incumbência que a PT tem no cobre, ou seja, tem que abrir a sua rede de cobre a outros operadores.

    Todo e qualquer investimento que a PT faça no cobre é dinheiro deitado fora, na medida em que é obrigada a abrir a rede a outros operadores. Como isso acontece, decidiu-se a aposta na fibra em força, pois aqui não existe incumbência.

    O problema do VDSL e do mediaDSLAM da PT é que esse investimento é sobre a rede existente, e como a incumbência existe, ficou na gaveta.

    Cumprimentos.
     
  14. mr_zener

    mr_zener Power Member

    Mas a PT tem investido em dslam's remotos adsl2+, provavelmente material que vai sendo excedente das zonas que já têm fibra... digo eu.
     
  15. tigerpunk

    tigerpunk Power Member

    E é por isto que existe TS... Na teoria é muito bonito mas na realidade o cliente fica com uma ligação sem qualidade...
     
  16. marcelo_ribeiro

    marcelo_ribeiro Power Member

    A qualidade da ligação é um bocado subjectivo... Isto porque nem toda a gente usa P2P. E para esses o serviço é de qualidade. Verdade seja dita, o ISP não tem interesse que existam clientes a usar P2P. Quanto à capacidade dos equipamentos, 2,5Gbps é o limite máximo imposto por cada PON. Cada carta tem 4 PON's. Cada OLT tem acho que tem à volta de 8 cartas. Não me lembro.
     
  17. The Coin Operator

    The Coin Operator Power Member

    Sim claro, e alguns upgrades (especialmente em regiões mais remotas), mas muito poucos.

    Agora o mediaDSLAM era um major investment e ficaria muito mais barato à PT vs FTTH (mas muito mais barato, sem comparação), mas a questão da incumbência foi essencial.

    Imagina, se a PT tivesse avançado e investido algumas centenas de milhões, depois os outros operadores iriam requerer o acesso à rede e já está, o investimento era perdido. Logo a PT optou pela via do FTTH, onde não há incumbência.

    Cumprimentos.
     
  18. The Coin Operator

    The Coin Operator Power Member

    Boas.

    O Bold é uma grande verdade que eu já disse aqui variadas vezes e que os users não querem ver. Nenhum ISP quer clientes a usar P2P, muito desses users fazem o ISP perder dinheiro, mas como eles são uma pequena minoria, ainda vão passando.

    O problema do P2P é que se está a utilizar constantemente uma ligação residencial, mas constantemente. Isso aliado ao facto de os packets minúsculos e as milhentas ligações serem um pesadelo.

    As ligações residenciais não foram feitas para estarem a ser utilizadas always on 24/7 . O TS é inevitável nesse tipo de serviços.

    Cumprimentos.
     
  19. spykerez

    spykerez Power Member

    Não acho que seja uma minoria a usar p2p acho até que não conheço ninguém que nunca usou p2p, talvez a minoria seja em relação ás pessoas que usam p2p 24/7 no entanto chego a pensar que se não fizessem TS à bruta talvez essas pessoas não necessitavam de deixar o p2p ligado 24/7 e o ISP ganhava com isso, afinal de contas mais tarde ou mais cedo as pessoas acabam sempre por sacar aquilo que querem é só uma questão de tempo.
     
  20. marcelo_ribeiro

    marcelo_ribeiro Power Member

    Obviamente que é uma questão de tempo. Mas durante as horas mortas o ISP não tem qualquer problema em deixá-los sacar à vontade. O problema aqui é deixá-los sacar ao mesmo tempo que utilizadores comuns estão na Internet. E sim, P2P não é algo que toda a gente use. A grande parte das pessoas usa a net para navegação e mail (rajada).

    Quanto ao TS, isto funciona como os semáforos: Dão menos prioridade ao P2P durante o dia, e durante a noite estão desligados.
     

Partilhar esta Página