• COVID-19 Mantenham-se seguros: Pratiquem distanciamento físico de 2 metros. Lavem as mãos. Usem máscara.
    Informação sobre COVID-19. Ajuda a combater o COVID-19 com o [email protected] e com o [email protected].
  • Consulta o Portal de Jogos da ZWAME. Notícias, Artwork, Vídeos, Análises e muito mais.

  • ZWAME Jogos: A dupla Ratchet e Clank está de regresso para uma nova aventura na PS5, em Ratchet & Clank: Rift Apart. Não se esqueçam de ler a nossa análise!

PS Final Fantasy VIII

Jbaka

Colaborador Editorial
Não é nada off-topic, estamos todos a comparar música da saga Final Fantasy com a música do jogo em questão =P

Birth of a God é grande música. A intro do VIII também... A do último boss do IX também. E a música do I, do II, do IV... Enfim, por aí fora. O Uematsu era um deus a fazer música... Agora ficou-se pelo rock/metal genérico, infelizmente.
 

BEKASpro

Power Member
Não é nada off-topic, estamos todos a comparar música da saga Final Fantasy com a música do jogo em questão =P

Birth of a God é grande música. A intro do VIII também... A do último boss do IX também. E a música do I, do II, do IV... Enfim, por aí fora. O Uematsu era um deus a fazer música... Agora ficou-se pelo rock/metal genérico, infelizmente.

Olha que a One Winged Angel no filme Advente Children está bombástica... mas eu sou suspeito pois adoro Rock/Metal... hehehe
 

Jbaka

Colaborador Editorial
Olha que a One Winged Angel no filme Advente Children está bombástica... mas eu sou suspeito pois adoro Rock/Metal... hehehe

Sim, mas eu não me estava a referir às músicas que ele faz com os Black Mages! Eu também gosto de alguns tipos de rock e alguns tipos de metal =P Tava a pensar em Blue Dragon, por exemplo... Do que ouvi, deixa muito a desejar. É pouco memorável, ao contrário do que ele fazia antes.
 

migbot12

Power Member
Já tenho 1h:31 de jogo...
Epá estou a gostar mas ainda sem pouco da historia maior parte deste tempo foi de volta dos tutoriais :007:
O jogo começa com um fmv que tem uma musica bem épica e que parece ser um momento bem épico e depois é só um simples treino? :wow:
O combate é onde estou a ter alguma dificuldade ou melhor "comichão", ter de ir ao menu sempre que quiser usar magia (que substitui o draw)...mas não passa de uma questão de hábito. :)
Adoro a musica de combate até a acho superior há do VII e já agora os combates parecem-me ser mais longos que o habitual mas também estão em minoria em comparação ao VII mas sem chegar ao aborrecido ( o que é bom :) )

Agora como é uso o R1 na gunblade? faz diferença? já tentei sem r1 e com... e os ataques são iguais... :confused:


Estas são as minhas primeiras impressões, até agora estou a gostar muito embora da historia só sei que tenho de fazer um teste....:D
 
Última edição:

Jbaka

Colaborador Editorial
Yup, é um treino, mas também é para te dar a conhecer a rivalidade entre o Squall e o Seifer. Não sei se percebi o que queres dizer, mas tu é que escolhes os comandos que tens no menu de combate. Podes ter Attack, GF, Draw, Magic, Item e muitos mais... Eu raramente usava Item.

Quanto ao gatilho da gunblade, tens que carregar no R1 imediatamente antes da lâmina atingir o inimigo, e assim disparas enquanto dás o golpe, provocando mais dano. Podes pôr o gatilho em automático, mas assim só activa de vez em quando (se te habituares, podes provocar mais dano em cada ataque que faças com o Squall). O gatilho também é usado no Limit Break dele, mas aí, tens uma indicação visual da janela de tempo que tens para carregar no R1.
 

migbot12

Power Member
Yup, é um treino, mas também é para te dar a conhecer a rivalidade entre o Squall e o Seifer. Não sei se percebi o que queres dizer, mas tu é que escolhes os comandos que tens no menu de combate. Podes ter Attack, GF, Draw, Magic, Item e muitos mais... Eu raramente usava Item.

Quanto ao gatilho da gunblade, tens que carregar no R1 imediatamente antes da lâmina atingir o inimigo, e assim disparas enquanto dás o golpe, provocando mais dano. Podes pôr o gatilho em automático, mas assim só activa de vez em quando (se te habituares, podes provocar mais dano em cada ataque que faças com o Squall). O gatilho também é usado no Limit Break dele, mas aí, tens uma indicação visual da janela de tempo que tens para carregar no R1.

Item dá jeito por vezes para usar potion já devia vir pré-definida no menu de combate...

Ah assim já faz mais sentido, mas não reparei em indicação visual.. :\ vou ter isso em mente quando for jogar :) )

Obrigado pela ajuda. :)
 
Última edição:

Jbaka

Colaborador Editorial
Item dá jeito por vezes para usar potion já devia vir pré-definida no menu de combate...

Ah assim já faz mais sentido, mas não reparei em indicação visual.. :\ vou ter isso em mente quando for jogar :) )

Obrigado pela ajuda. :)

Mais tarde, quando tiveres vários comandos, vais ver que é óptimo que possas escolher os que queres =)

Na barra que aparece durante o LB, tens um quadrado. Quando a luz amarela passar nesse quadrado, R1 e dispara!

Tás à vontade, eu gosto de falar de jogos de que goste =D
 

jabun

Power Member
79zAuLS.png

Final Fantasy VIII é um RPG lançado no final de 1999 pela editora e produtora Squaresoft (atual Square Enix) para a consola PlayStation.

O desenvolvimento de Final Fantasy VIII começou em 1997, durante a localização da versão americana de Final Fantasy VII. O criador da série, Hironobu Sakaguchi, foi apenas o produtor executivo, pois na altura estava focado no desenvolvimento do filme Final Fantasy: The Spirits Within, deixando a produção e direção do projeto Final Fantasy VIII nas mãos de Yoshinori Kitase.


Desde o início, Kitase queria uma temática que combinasse fantasia e realismo. Para este fim, pretendia incluir um elenco de personagens que pareciam ser pessoas comuns, de forma a que os jogadores mais facilmente se revessem nelas, criando um maior afeto para com as personagens do jogo. Para este objetivo ser atingido, muito contribuíram Tetsuya Nomura (caracter design) e Yusuke Naora (diretor de arte), que se esforçaram para incluir no jogo personagens mais realistas, pondo um fim ao estilo dos personagens super deformed utilizados nos títulos anteriores. Além disso, Naora tentou aumentar o realismo do mundo através de uma brilhante iluminação para a época, com efeitos luz e sombras excelentes. Outra medida incluída foi a utilização de tecnologia motion capture para dar ao jogo personagens com movimentos mais reais, quer no próprio jogo e nas sequências em FMV.

final-fantasy-8.jpg

final+fantasy+viii+wallpaper.jpg

O escritor do enredo jogo, Kazushige Nojima, afirmou que o objetivo da equipa de produção era que o personagem principal, Squall, fosse calmo, tímido e introspetivo, de forma a ser mais simples para o jogador saber o que o heroi está a sentir. Esta abordagem sobre Final Fantasy VIII é refletida pelo uso frequente de diálogos que tem lugar apenas na mente de Squall, permitindo que o jogador leia o seu pensamento e compreenda o que ele está a pensar e a sentir.


FF8.jpg

Um dos pontos mais fortes do jogo é o seu excelente enredo, que nos prende desde a primeira FMV, De forma muito resumida, e para não spoilar que ainda não jogou FFVIII, a história desenrola-se em redor de Squall Leonhart, um jovem mercenário SeeD pouco sociável conhecido como "Lobo Solitário", que sem saber muito bem como, acaba por se envolver num conflito global contra uma feiticeira que manipula guerras e pessoas para controlar o Mundo. Em FFVIII a Square conta-nos uma bonita história de amor, coragem e amizade.


O jogo passa-se num cenário futurístico, com pequenos traços medievais. As Eras são dividas de acordo com a feiticeira de cada época. Narra-se a passagem dos poderes da feiticeira Edea para Rinoa Heartilly, e as tentativas de feiticeira Ultimecia, do futuro, de comprimir o tempo e dominar o presente, utilizando os poderes da feiticeira Adel, que permanecia congelada e aprisionada numa base espacial. A introdução ao jogo em si é dada a partir de uma animação em CG, com elementos de um teaser. Esta animação actua como uma sinopse do enredo. Também é feita a apresentação à história que se dá início logo após a animação, que mostra uma batalha entre o protagonista Squall Leonhart e Seifer Almasy. Posteriormente é revelado que a batalha travada entre os dois fazia parte de um treino para o teste SeeD.​



A excelente Edição especial que saiu no lançamento​

Final Fantasy VIII foi dos primeiros jogos da série a usar personagens com proporções realistas, um sistema de combate que não envolve o tradicional MP (Mana Points), grupos de personagens que nos seguem para onde quer que vamos e um sistema de armamento muito mais simplificado e realista e acompanhado com as melhores Cutscenes da época para a consola.


271454-7778785-c.jpg

Excelentes dialógos, com momentos de húmor à mistura​

À semelhança do capítulo anterior, Final Fantasy VII, os cenários são pré-renderizados. A principal diferença neste setor reside no facto de, pela primeira vez na série, estarem visíveis todos os membros da equipa, em vez de apenas o personagem principal (ou o primeiro membro). Ao contrário dos RPG tradicionais, em FFVIII não se recebe dinheiro nos combates, com os nossos personagens a receberem um salário em determinados intervalos de tempo, que varia em função do seu nível SeeD.


Como já é apanágio em FF, a OST é soberba. O compositor regular da série Nobuo Uematsu escreveu e dirigiu a banda sonora de Final Fantasy VIII, que foi lançado em quatro discos compactos pela DigiCube no Japão, e pela Square EA na América do Norte e uma colecção de arranjos em piano realizado pelo Shinko Ogata, foi lançada com o título de "Piano Collections: Final Fantasy VIII".

95_640.jpg

Esse jogo foi também o primeiro a receber uma música cantada, lançada como single no Japão para divulgar o jogo, "Eyes on me", cantada por Faye Wong, e que também foi a primeira música de um jogo a entrar nas paradas e ser premiada. A partir de então, músicas cantadas apareceram nos jogos seguintes da série. Mesmo assim, convém frisar que seu antecessor já apresentava uma música com algum apoio vocal e em Final Fantasy VI chegou a ser composta uma letra para a magnifica cena da ópera.

finalfantasy8gy9.jpg

uEWJUbI.jpg

As músicas "Liberi Fatali", e "Eyes On me" tornaram-se duas das canções mais conhecidas da série. A última canção foi lançada em CD no Japão e vendeu mais de 400.000 exemplares, estabelecendo o recorde de OST de videojogo mais vendido na época. A fama de "Liberi Fatali" foi tal, que o tema foi escolhido para ser tocado durante as Olimpíadas 2004, em Atenas, durante o evento de natação sincronizada feminina.



Melhor mini-jogo de sempre num RPG​

Uma das maiores inovações do jogo foi a inclusão de um dos mini-jogos mais viciantes de sempre da história dos RPGs: o Triple Triad, que consistia num jogo de cartas, que tem por objetivo virar as cartas do oponente numa grelha de 3x3, com as cartas a representarem as várias personagens e monstros do jogo. Passei horas e horas a fazer jogos de cartas contra os NPCs do jogo para tentar completar a coleção.


Final Fantasy VIII recebeu comentários muito positivas pelos críticos e foi bem sucedido comercialmente, vendendo quase 9 milhões de cópias em todo o mundo. No entanto, apesar disto não está isento de criticas, com o sistema de combate baseado em Draws e no uso excessivo dos Guardian Force (GFs) a ser criticado por muitos.

final_fantasy_viii_wallpaper_1024_8ww4.jpg

Final Fantasy VIII tinha uma tarefa muito ingrata ao suceder a um dos jogos mais bem-amados e revolucionários da indústria, estando sujeito a comparações nem sempre muito justas. Final Fantasy VIII apresenta uma história muito boa, um excelente leque de personagens e uma OST de sonho sendo, por direito próprio, um dos melhores RPGs do seu tempo, merecendo o estatuto de clássico. Eu comprei-o mal saiu e não descansei enquanto não o terminei, tendo sido dos jogos que mais horas correram na minha caixinha cinzenta da Sony. Um jogo imprescindível para quem gosta de RPGs.

Final Fantasy Retrospective


ffviii_logo2.jpg

 
Última edição:

jabun

Power Member
Análise Revista Oficial PlayStation nº51, Novembro 1998





Análise Mega Score nº49, Outubro 1999







1º Contacto, Revista Oficial PlayStation nº 44, Abril 1999











Final Fantasy VIII Review (Dark Pixel Gaming)

Concordo a 100%, expõe de forma muito boa os pontos fortes e os menos fortes do jogo. Sem dúvida que a história de FFVIII é muito boa e por vezes desvalorizada pelos jogadores.
E muito nice a referência ao Triple Triad. Melhor mini-game de cartas de sempre!​

Final Fantasy VIII - ProJared​

 
Última edição pelo moderador:
Topo